Fidju Maria, 2019

FUDJU MARIA

1
Maldito omi ka sabi tratau ku respetu/
tantu ku danu kolu, danu mama, danu petu/
tantu ku kori, ku sufri pa odja um fidju dretu/
tanto ku txora pa kuzas
Ki omi teneu fetu/

Bu ka so um korpu lindu/
ka so um rostu doxi/
Bu e forsa ki tenu di pe, li me, ti oxi/
Bu se mas ki bati ropa
Ki Poi midju na lumi/
Bu sei mas Ki kria nos fidju
Inxina kustumi/
Bu sei Mas ki danu prazer
Mas ki obidesi/
Bo sei tudu kel ku kre
Tudu ku kre bu ta meresi/

Ka bu eskesi
Bu ten ki ta respeta bu mes/
E ka dipendi di omi pa dau di bo na fim di mez/

Argui kabesa anda retu/
Bo ki ta manti kel tetu/

Argui kabesa anda retu/
Pretu ta mesti si preta
Sima preta mesti si pretu/

REF – Dino
O Maria, na undi ki bu bai
So memórias – la di undi ki bu sai

2
Pá fatu, dona Bia, yeia
Ma Neza/
Tudu preta, princesa/
seja poeta, esteja na limpeza/
Tudo preta e princesa/
Mundo e duedu
Obi fazeu runheza/
Ta fazeu princesa
Pam di sabura
Pam di nobreza
No junta no faze
Faze mufneza/

Deta na nha lod
Nu perdi juizu/
Manche na nha lod
Korda ke bo sorrizu/
Manche na nha lod
No ganha kes geez/
deta na nha lod
Ku bo ti bidjiss/

Legal, ilegal
dam kobertura/
Bazas lum pá fura/
Nos é broda ku sis/
Blaka, blaka
Amotina
Shaka ku Titina/
Paka pa nu kria miniz/

REF-Dino

Outro
Pega Bu preta bu atina
Pega bu pretu mínima/
Subi ku el na kulina
Ama/ Espadja melanina/ espdja

FLIP
Maria pega saku/ esfrega odju/ e ten ki ta criau/
Maria panha Barku
Ku komboio/ alal ta limpa um kau/
Na dia ke ka guenta mas kel dor, e arma ba txomau/
Na dia di xinti e paz e amor,
Maria panha mau/
Undeu?

Indi fidju
Undi omi
pai di fidju ka foi omi
Omi fidju ka foi omi
Fidju omi ka foi fidju
Pai di fidju ka foi pai
Undeu

About Fidju Mari@

Não se trata dum exercício panfletário, mas antes duma tentativa de expressar o gap que existe entre um lugar onde a educação patriarca e sexista ensinou a chullage que as mulheres estão, e o lugar onde, através da luta e do amor, as mulheres da sua família, as suas companheiras, amigas, e as suas referencias mostraram que é delas.

É um tema que expressa um intenção de começar a desconstruir a hyper masculinidade com que se pensa que se fazem os homens, e construir uma outra masculinidade igualmente consciente da sua feminilidade e de quão de sagrado e poderoso há nessa energia.

É também uma homenagem à sua mãe, tias, e todas as mulheres negras que limpam as casas deste país, cuidam das crianças deste país, para que outras mulheres se emancipem, mas permanecem invisibilidades e exploradas. No entanto, a principal mensagem é de que o amor e a consciência de que isso implica uma prática permanente, são as ferramentas politicas que escasseiam para a articulação da luta dum povo sujeito a séculos de violência, discursos de ódio e fragmentação. De que o amor-próprio e o amor na comunidade são a cura ao invés de procurarmos a cura aos pés de quem nos oprime.

O single Fidju Maria é construído a partir de chops dum sample de “Aian, recondacan di Amizadi” do tocador de ferro, cantor e compositor António Sanches juntamente com Tchota Suari. O letra e melodia do refrão foram criadas por Dino d’Santiago que num take emocionado deixou também um “txoru kantadu” em homenagem à batalha diária destas mulheres.
Continuando o processo de poesia sônica e visual, este tema sai com um vídeo inspirado em várias referências negras, muitas feministas, entre as quais bell hooks e o seu livro “All About Love”.

Ficha Técnica
Nome: Fidju Maria_prétu ku Dino d’Santiago
Música: prétu
Letras: prétu and Dino d’Santiago
Gravado na TchadaElektro
Mixado por prétu and Beatladen
Master Beatladen

Waters, 2019

SINGLE

(prétu)
Não quero mais ouvir que é certo
Viver nesta linha que deus escreveu torta/
Morrer à nascença, nascer com a sentença,
de quem pensa, que a minha vida não importa/
Meu corpo ainda é mercadoria,
que esta economia trafica, importa/
Gado, amontoado, no porão, do navio negreiro
que a globalizado transporta/
Cadáver inchado, achado
Afogado, devoluto nos banhos
que a Europa tem à porta/
Cadáver linchado, deixado, pendurado,
os frutos estranhos que a América não corta/

Frutos estranhos que lhes caem aos pés/
Peixes estranhos chegam com a mares/

São os frutos, do ódio e Ignorância
Que cria distância entre os povos do globo/

São os frutos da gula e ganância
Que regula à distância os destinos do globo/

Marés de bombas e balas/
De quem tomba ou faz malas
Pa fugir do roubo/

As marés do medo e ódio
A cada episódio
De Racismo sem cobro/

(Lowrasta)
morto ou vivo se não sou lucrativo,
não sou apelativo, motivo de troça/
mudaram os tempos, mudaram as leis,
de certa forma ainda estou nessa roça/
querem que eu viva, de forma passiva
em carne viva, ferida me coça,
cidadania, pele não é branca,
direita espanca até que o sangue faça poça/

corrente no corpo, tiro no corpo,
chip no corpo, nossa carne não é nossa/
numero de serie, código de barras,
identidade, nossa vida não é nossa/
constrói preto, corre preto, morre preto
tua vida não importa/
só a cor importa, ainda estas à porta/
direitos humanos de negros derrubados pelo Katrina/
reduzir o povo negro a todo o custo é a doutrina/
afogaram a nossa cor, mediterrâneo tem novo odor/
perfumado com a dor que alimenta o consumidor

sample princezito
Um omi branku mata um omi prétu
So pamodi omi prétu era prétu mê

Sample Vadú
Pa nu poi koraji

(prétu)
Minha raça julgada na praça,
pelo ódio da massa que a TV exorta/
Minha raça quer faça não faça,
é carne pra caça, que se assa não importa/
Minha raça se não levanta uma taça
não dança devassa, então não importa
Minha raça se não lava, não passa
não carrega massa, então não importa/

É só um corpo que naufraga
um corpo que se afoga/
nas vagas da vida
Que a Europa Revoga/
Nas balas da bofia
que a América advoga/
nas celas em voga
Onde a Líbia Nos joga/
Um corpo que cai, saúde decai
No menu do Mac/ na chicken and fry/
Com o sal, a gordura, da American pie/
Sem 25 de Abril, nem 1o de Maio,
Cativo da ASAE/ cativo do MAI/
Indígena no SEF/ Indígena no CNAI,

Meu corpo sufoca
Meu corpo s’inunda/
No fumo dum químico
Duma água imunda/
Levada pra rua onde a mágoa abunda/
mais rápido na rua a morte se difunda/
Em silêncio, invisível entre barafunda/
Em silêncio invisível meu corpo se afunda/

Ficha Técnica
Music prétu
Lyrics prétu and Lowrasta
Mix and Master Beatladen

Vídeo
Directed by prétu and Miguel Almeida (MDA Colors)
Co-Produced by Peles Negras Mascaras Negras and Hangar Music
Direction of Photography and Post-productionMiguel Almeida (MDA Colors)
Dancers: Mauro Pires (Walkin Dance), Vagner Krump (Lion Fame), Bboy Valdo (Oriente Brother Wood) and Vallo Fako.
Design and Making Of Photography: Monica Miranda Studio
Featuring Gil Semedo, Fátima Pina, Manuel Nascimento Santos, Flávio Soares, Laura Levy, Marie Fall, Isabel Pataca and Henrique Tavares
Thanks to Cláudia Semedo, Companhia de Actores and all staff on Teatro Municipal Amelia Rey Colaço- Algés and Monica Miranda Studio.