Discografia

RAPRESSÃO, 2012

Esta cultura esta
a virar uma ditadura sem mim
por isso tou de volta
tipo Vela Vista ist’é um motim
De volta com o protesto
Até que o CI me enfarde
Eu sou o descontentamento
Hip Hop é a Grécia que arde
Concentro mais tropas
Que faro concentra motards
Mas são tropas da rua
Não internautas cobardes
não me passam cartão
Porque meu rap não aceita mastercard
Mas tenho mais pretos à minha espera
Que salões de barbeiro a sexta a tarde/8

De volta porque isto
esta a ficar copy paste
E mcs querem os mesmos fas
que Just Girls e 4Taste
brodas tão tipo
gestores de bancos no MIC
por isso rap
ta mais desvalorizado que o BPP
eles Beeffam
mas são Iguais tipo PSD e PS
Já todos perderam o rumo
Dinheiro agora é GPS
Mas não bros
Eu não tenho tempo pra esses MCS
Eu tenho beef
com PSP, PJ e SIS/16

de volta
contra este capitalismo verme
de volta com as ruas
e o tema da cor da epiderme
de volta com o rap sujo
não cuspo rimas cuspo germes
é o momento da verdade
Despedi a Teresa Guilherme
Ta tudo à nora de analfabetos
À franja mais culta
E Portugal é um freeport
Pra gente de face oculta
Isto ta fedorento
Tipo aqueles gajos do Meo
Politicos deram tanto o cu
Que viraram estrelas do Creu/8-32

De volta como santana lopes
em todas as campanhas
como o socrates depois dum escândalo
a gritar “não me apanhas”
mas trago conteudo
ao contrario Ferreira Leite
Mcs ficam sem bules tipo Luciana
depois de por o peito
eles estão-nos a iludir
com e-escolas e magalhães
mas agente tem menos futuro
que os nossos pais e nossas mães
e distraem-nos
com a Julia, Bárbara Guimarães
para equecer-mos que 50 centimos
já nem compram 4 pães/16-48

De volta
porque o rap tem 5 anos de jejum
Rap ficou sem mensagens
Tipo moche ao dia1
chama um rapper mais consistente
que eu não há 1
espalho mais pânico
nesta merda que o N1H1
Po Hip hop de ambiente seleccionado
E dress code
Eu não adquiro o vosso rap
Nem que o ponham pa download
Aquilo que eu chamo pataqueirice
Eles chamam de playahate
Mas eu tenho pretos mais picados
Que as agulhas do Eith

de volta para o Hip Hop
não morrer como historia do século 20
mais underground que casais de amantes
no Motel Requinte
90% da minha geração
de rappers ta sold
o mau exemplo pra new school
e desrespeito pa old
Estes pretos perderam o mapa
Diggin o Gold
Mas eu continuo tão black
Que as letras saem em bold
esse Mcs são comediantes
sem graça tipo marco horacio
se esta merda fosse um livro
rebentava-vos neste prefacio/8

Produzido por Odeith

Ben di Di 3ºMundo
Pa civilizason – mi e nigga
netu esckravidon
Fidju imigrason – nigga
Bu sei , Nha pai e di konstruson – Sima pais di nigga
Nha mai ta limpa txon – Sima maies di nigga
So kantor o jugador ta vira riku – nigga
So si ki tuga ta dau valor – otuz tipuz nigga
di restu ku kel nha cor – kes ta txoma nigga
ser alguen e pa sunhador – e ka pa nigga
Telivison txoman bandido – pa mo mi e nigga
Babbilonis ta dan na obido – pa mo mi e nigga
Txoman di jovem problemático – sima tudo nigga
Txoma nha bairro problemático – bairu di nigga
Djan caga djan larga livro – Sima nigga
Poi nha shot na prega Mortifro – sima nigga
Manti na skola e pa bakan – e pa fake nigga
Sin ba kadeia es ta respetan – sima thug nigga/16
Niggas conscientiz e so sekaz – so fake nigga
Nha rapa e dillas e carjackaz – real nigga
N ka konxi museu ne biblitekaz – kel a ka pa niggas
Ma n konxi tudu diskotekaz – sima real nigga
N ta txomaz di bonekaz
Pés podi baxa kuekaz
Largaz dipos dunz kekaz – sima real nigga/22
3 fidju, na 3 pikena – kel e ser um nigga
ma ku es n ka ten nun cena – n ka fraku nigga

N ta corda so 12 o’clockaz – sima niggaz
passa esponja na dread lockaz – sima niggaz
ba ti rua fuma um broka – ku nhas nigga
ben djuga Pre Evolution Socker – ku nhas nigga
corta e ba despaxa un kokaz – ten ki kumi nigga
odju abertu ku mothafucaz – es ten lumi nigga
Euroz pa mac e foot locka – n teni sima nigga
Pa poi puto leti na boka – epa fodass nigga /8
Pa dokumentu e um munti nheki nheki – mi e nigga
Pés dan Trabadju e so nheki nheki – ka kre um nigga
Es ta acetan so la na maki – ta eskraviza 1 nigga
Go flan pa ke, djobi na chequi – quasi nada nigga
N kre orienta gira basofu – e sin ke nigga
Nhaku foni, nhaku plasma, nha gabana
Nhaku boti ku nhaku rádio, janti
E nhaku stofu –/16
Pa damaz podi txoman fofu – sima playa nigga
Exibi nha cenaz na hi5 – sima tudo nigga
Vida loca, thug life – sima tudo nigga
N ka sta papa di nun nigga – sima nen un nigga
undi kin bai n ta ranja briga – mi nigga
Tipo need for speed ganda monzada – sinon un ka nigga
Ka mesti carta ka mesti nada – mi e nigga
Na rua ti di madrugada – ma mi e nigga
Ta tenta ranja nha fezada – life dun nigga /24

N kria ser um arquitetu – ta muda bairu nigga
Um adivogadi li di guetu – pa difendi nigga
Es flan pa dixa nha sonhu ketu – bakandeza nigga
Kel e ka profisson di pretu – e ka pa nigga /4
Es pon na kursu karpinteru – la ke kau dum nigga
E bes di bai ti enganheru – e ka kau dum nigga
En bes des tenta mutivan – pa invisti nigga
Es ta tenta humilhan – pan desisti nigga
N ta sigui exemplus kin konxi – kes mostran nigga
Si tem otus, n ka konxi – es ka mostran nigga
Na historia mi imigranti o eskravizadu – nigga
Na filmi mi e e gangsta o empregadu – nigga
Foi si kim foi habituadu di mininu – nigga
Pan kria ta acredita kel e nha distinu – nigga
Ke pan konforma, ke pan ka risisti – sima nigga
Ke pan kontenta kin ta kumi kin ta visti – nigga
E si kes kre ke pan xinti incluido – nigga
Asi n ka kre, n sa ta e xinti fudidu – nigga
Afinal n sa ta ser manipuladu – nigga
E di kel li kin dja vira malcriadu – nigga /18
nha lágrima, sangui ta entxis kadera – nigga
Nha cultura, suor ta entxis kartera – nigga
Enquantu nha povo sa dususpera – nigga
Pa mo es intxinu cabeça di asnera -nigga

Man ka kurti exemplus ki dadu – fuck kes nigga
Amílcar Cabral
ki ganha independência – grandi nigga
imotep farao
pai de ciência – nhaku nigga
vivian tomas
medico Cirurgion – pillon di nigga.

Produzido por Fourth Dimension e chullage. Scratch por DJ Extreme.

Samples de “Fundu Baxu” de Ferro Gaita, de “Run Nigga” de Last Poets e de “Desdi Qui Mundi Foi Mundo” de Os Imigrantes

Rimas e giradiscos
Rodas e graf
De bulidores e alunos
A dillaz e gatunos no staf
Temos tropas nas esquinas
Nos gabinetes, nos ginasios
Temos tropas pa debates
Temos tropas pa balasios
Temos tropas pa te dar conselhos
Tipo irmãos mais velhos
Mas temos tropas pa te entrar
De cotovelos e joelhos
Pretos, brancos ciganos pobres
Estamos a viver momentos tensos
A unica cor que idolatramos
É a cor dos nossos lenços/8
Rappamos pa rua
Pros exercitos do povo
Nesta guerra anterior
Ao iraque, afeganistão e até kosovo
Nesta guerra infinita
Contra os povos oprimidos
Das farc à Palestina
Aos Zapatistas escondidos
Às minorias no Ocidente
Nos guetos refundidos
É o rap de propaganda
Nos clandestinos difundidos
Recusa resiste
Vence o cerco
Vou morrer nas mãos deles
Mas a dignidade não perco/16

Rimas e Giradiscos – Resistencia e Guerrilha
Rodas e Graf – Resistencia e Guerrilha
Revolucionarios e Gangstas – Resistencia e Guerrilha
Ruas e grades – Resistencia e Guerrilha
Ringues e Glória – Resistencia e Guerrilha
Respeito entre Guetos – Resistencia e Guerrilha

Revolucionário e gangsta
Resistencia e gerilha
Somos a escuridão das ruas
Onde o iluminismo já não brilha
Sem justiça não há paz
Ruas em estado de sitio
Porque há uma guerra contra nós
Mas o governo omite-o
Desliga o telemovel
Tira a bateria de litio
Estamos todos sob escuta
Policia tem livre arbitrio
Violação de privacidade
Tudo sob vigia
Porque não usamos
Somos usados pela tecnologia
Reclusos dela
Guantano digital
Toda a gente é terrorista
Desde de fale do que ta mal
Operarios sem fabrica
Nas industrias do crime
Que so favorece as leis
De quem nos oprime
O consumo é obrigatorio
Mas o acesso é restrito
Não somos gs por ser pretos
Somos gs por não ter guito
Mentira nem somos gs
Gs sao politicos e empresários
este crime não nos tira da pobreza
porque nele também somos operarios
somos gangstas e revolucionarios
outros sao meros vigaristas
porque o sonho ter mais
tras vicios capitalistas
como banqueiros, gestores
ministros e ministras,
sa fodam oportunistas
nós somos golpistas
fundamentalistas
porque é fundamental
um mundo com paz
e justiça social

Ruas e Grades
Ringues e Gloria
Luvas toda a Gente
So se aguenta o warria
Rapapaz e ganzas
Roleta e garrafas
Rap so da street
Com esse pop nao te safas
Ai nao bafas nao faz mal
Caga nisso
La em baixo puxar o ferro
E bater no saco é o vicio
No shaka, no BA ou no ringuito
E show di bola
E nao pares ondes vires
GZ com Tshirts do Tollas
Se desceres um bocado
Freestyle é la tchuca
Telemovel so tem reggae
Rap kriolo ou zuka
Nu ka, ta papa
Som que nao bate na nuca
Oiças o que ouvires
O nosso rap eduka
Um gajo vem pa por
as streets todas aos berros
dos bros que estão nas esquinas
aos bros nas celas de ferro
apelo à revolta, apelo ao motim
Rap em Grande esta de volta
REG é o fim

Produzido por Fourth Dimension e chullage.

Scratch por DJ Extreme.

Será que, ou não será que
O mundo verá que
Um brother terá que
não continuar sujeito a este ataque
hipócrita e violento
pior do América no Iraque
onde os media só põem
crimes de brothers em destaque
o governo faz o jogo racista
e o povo apoia tipo claque
skinheads em toda a claque
será que, este pais so aceita 1 imigrante
se for um craque
que leve as quinas ao pódio
e faça a tuga acreditar que
existe união
até que a televisão venha mostrar que
houve um arrastão
e agora a população dirá que
não é divisão
imigração pra rua já que
os nossos filhinhos não podem brincar
seguros no parque,
será que
não haverá uma merda que acontecerá que,
um gajo não seja bode expiatório
ou com as culpas um gajo não arque
será que
só a guerra fará que
um negro possa ser respeitado com a sua aparência
raízes, cultura e sotaque
ou será, que a sociedade
só conseguirá que
um negro continue a ser
explorado por desumanos
hostilizado por preconceitos
ser o ultimo atendido premiado
mas ser sempre o primeiro suspeito
que na entrevista pró trabalho
encontrem sempre defeitos
que nunca sejamos defendidos
pelos fdps eleitos.
Será que, irmãos não percebem que há que
Deixar de falar e sair prá rua em protesto
porque é lá que
vamos acabar com racismo, capitalismo
e as outras formas de saque,
será que…

Tão nos a dar LETRAS
Do nascer ao pôr do SOL
A cada 24 HORAS
O quarto poder assume controle
E aO ritmo DIÁRIO
Dá-se o fabrico DE NOTÍCIAS
Reality agora e show
E factos são produções fictícias
No romper da manha
O correio mete o crime em destak
Metro a metro da cidade
Uma mentira OU ataque
Dão a sensação que
O pÚblico até tem opinião
Mas não eles não querem
Que você tenha uma visão
Opinião que devo seguir
É transmitido ou impresso
Liberdade de expressão
É pa expressar o que já vem expresso
E rádios perderam o norte
E já só rumam a SW
Embriagado no super bock
O rock tá super a leste
E o ambiente não tá optimus
Pa quem vive nesta cidade
O negocio tá alive
Mas sem criatividade
Eles tão a chamar a música
De puta
A cada 15 minutos há novos
Ídolos no ponto de escuta

Eu tenho positive vibres
Mas alguma coisa ta mal
Não quero chegar a Ericeira
Fico pela marginal
Procuro mudança
Mas eu não detecto no RADAR
Mesmo com tanto oxigénio
Preciso de música pra respirar
Sufoco nos anúncios
Que se sucedem em blocos
E assuntos de micro-ondas
Desfocam-me do que merece FOCUS
Cultura de supermercado
Trás Ecoli nas intenções
O cérebro vira vegetal
Enquanto eu ouço os sabichões
Impigem-nos medo
E corremos atrás de vacinações
Mas gripe das aves contamina
Mais via televisões
They make SICk
Com tanto lixo que se ouve e se vê
É preciso pôr um ponto
no I da TV
Porque a rádio televisão
Duma família portuguesa
E pa nos prender a sala
Enquanto eles pilham a nossa mesa
Querem-me frente a TV 7dias
Mas a tv não me guia
Neste regresso ao fascismo
Depois de tanta nostalgia /16

Há alguém a + neste top
Subornaram a lista
É a morte do artista
Sem renascença à vista
Tiro as chaves a Diana
Pra não entrar mais em cena
E Por mais diversidade
Eu tiro os 3 à antena
Porque a Àurea e Deolinda
Já tão bueda rodadas
E a mesma horta que da Melão
Agora da morangada
Se Portugal tem?
Onde é que ta o talento
Porque eu só vejo é Manueis
À boleia pelo continente
É só laços de sangue
Esta merda é só cunhas
De resto fecham te a porta
Na cara tipo testemunhas
De Jeová
De Janeiro a Janeiro
Gritam-me venha cá
Fazem me engolir um sapo
E despedem com um até já
Famosos em alta definição
A darem me granda blá blá blá
Não tenho fibra para isto
Tenho a vida presa por um cabo
O comando é meo
Ou será deles ao fim ao cabo/16

Não sei onde e que tão mais perdidos
Em Portugal ou na tribo
As tribos tem bue valores
Aqui o único valor é o PIB
O mundo já foi luso
Mas lusomundo é hollywood
Com pipocas e coca cola
Pá manter um povo mudo
E a vossa selecção
Nas trás ouro e escravos a sagres
Falar em louras: Fátima
Não fazes milagres
Pondo os contras
frente a frente com os pros
Duas faces do mesmo euro
O povo continua sem voz
Transformado em fala barato
Tipo que o cérebro tem MOCHE
“P’ra sairmos desta crise
Temos que sofrer mais um coche”
Dizem que não há outra escolha
Ta tudo escolhido pelo MARCELO
Ou será pela SONAE, JERÓNIMO MARTINS
ou GRUPO MELLO
Eles são monstros
Mas tem-nos focados no José Castelo
Aberração é um governo
Que nos vai deixar a comer farelo
E a Teresa  Guilherme
faz-me  levar a garganta dois dedos
Porque o Parlamento
é a verdadeira casa dos segredos

E a justiça é O JOGO
E a corrupção bate o record
A bola esta nas mãos deles
Mas arrastam até que ninguém se recorde
Ela paga-se como
Qualquer actividade comercial
Palavras pa me por happy
Já não sobem o astral
É preciso uma revolução
Mas nunca mais é sábado
12 de Março acabou por ser
Mais um passeio de sábado
TV é o mensageiro diário
Do flagelo económico
Dizem que não há crise
Man isso não é cómico
FMI quer que estado
Concorra no peso pesado
Até a anorexia da democracia
E uma obesa lei de mercado
Portas e passos Coelho
Quem quer ser milionário
Um concurso do FMI
Pó seu melhor funcionário
Que sacrifique o meu hoje
Por um incerto amanha
O FMI quando vem e pá fizer
Pergunta ao Strauss Khan
Plin o fim ta perto
Perderam um país por não saber
Qual o preço certo
Desta crise
Isto cheira mal
E nem flores da Madeira trazem Brise

Bom dia Portugal
É mais um dia sem horizonte
Mas a televisão oferece dinheiro
Para ouvir a merda do teleponto
Com tanto açúcar nos morangos
É uma geração de diabetes
Pseudo rebeldia
É a adrenalina dos betos
Capitalismo tem direito de antena
No JORNAL DAS OITO
Não tenho motivos para rir
E já são 5 P’RA MEIA NOITE
Enquanto vejo CSI em Las vegas
CSI no palácio de Belém
Mostra que a Justiça é cega
Dinheiro desaparece do país
Como por magia
Hemorragia
dum povo com lobotomia
o futuro ta GREY
se não mudar a ANATOMIA
E o que é suposto
Que eu diga à minha MARIA
Se durante anos trabalhei
E agora há meses que não tiro um dia
Ela é que mete o dinheiro em CASA
Ah mulher ACTIVA
Não me sinto MAXMEN
Com a conta cativa
E ainda vêm mais
2% no IVA
E o puto já pediu a mochila
Do JUSTIN BIEBER
E o puto já pediu a mochila
Do JUSTIN BIEBER
Finacial ta ma nestes times
Acabou o LUX
As caras estão em baixo
Porque a conta não tem fluxo
Transformaram Portugal
Num mercado levante
Ninguém põe o Turbo
Mas é preciso ir AVANTE
25 de Abril, 1º de Maio
só dão na RTP MEMÓRIA
É a Mediaocridade A passar
a nossa liberdade à HISTÓRIA

Produzido por Fourth Dimension

Sou RBG porque babbi
É o gang que me fode
Não gosto de gajos que vestem de azul
E nem sou nenhum blood
Foi o sistema que enganei
Se me vires na cana
Roubar é nos ricos
Não num mano ou numa mana
Bandana prrta na cara
Sabes o que significa
Recusa e resistência
Ao poder que nos prejudica
Queimar o meu ou o teu bairro
É queimar quem tem o mesmo que eu
Revolta é contra quem nos esvazia
Os bolsos para encher o seu/8
Somos todos da classe baixa
Que esses ricos exploram
Associados aos políticos
Que com eles colaboram
Eles sim
Fazem associação criminosa
E têm cada vez mais
De forma muito duvidosa
Maus tropas tentam escapar
A uma vida penosa
O fruto proibido tem nos a ouvir
A serpente venenosa

Lume nos botes/ Ardem caixotes/
9mm é a guerra, bófias apontam os shots/
jornalistas chegam de microfone, câmara e fotos/
amanha jornais inventam noticias
que são calotes/
partidos fascistas conquistam mais votos/
outros ate se tornam anti-fascistas devotos/
duns ou outros, poucos se faz
e muito se opina/
enquato babi vem a caça
tipo ave de rapina/
viras alvo so de ser preto
e pausar na esquina/
é esta a violência que eles stão a causar
na esquina/
eles que pretos sa fodam
tipo Bush no Katrina/
esta merda esta mais fétida
do que cus na latrina/
pretos fodidos diariamente
sem vaselina/
sa foda agora voam garrafas
com gasolina/
guerra civil está nas ruas
já ninguém raciocina/
bófias executa as sentenças de morte
que a tv assina/
a palavra multicultural já
não serve de vacina/
ao tensão racial
que todos os dias assassina/
não perca os próximos episodio
desta chacina/
mas blackz também curtem
esta carnificina/
matamo-nos uns aos outros
por paca e adrenalina/
onde esta a consciência negra
babby have you seen her/
dão-nos nitro p andarmos speedados
mas nos pagam a oficina/
as vezes agente é que mete a própria
cabeça na guilhotina/
estamos a mijar contra o vento
na corrida à urina/
autopsia do nosso futuro
deu capitalismo e ódio à melanina/
mas o futuro é de quem
frente ao poder não se inclina/

Produzido por chullage e Fourth Dimension.

Scratch por DJ Extreme.

Samples de “Problema Social “Seu Jorge” e de “Vida Mariadu” de Orlando Pantera

E a Finança enche a pança
Com o aval da liderança
Despedimentos em vez de aumentos
São os rumos da mudança
Especuladores, ladrões de ofício
grandes salários e benefícios
Bebem o fruto do nosso suor
E depois pedem-nos sacrifícios
Apoderam da gerência
Levam empresas à falência
Saem com bónus de milhões
E despedem sem clemência
E o salário mingua
Pra que o lucro não diminua
Justificam-se com a crise
E os bancos põem-nos na rua
Saem do público pró privado
Depois do futuro adjudicado
Vendem serviços a eles próprios
Pilhando cofres do estado
Combatem o défice à nossa mesa
Mas vivem a grande a francesa
Congelam salários e subsídios
Que é pra cortar a despesa

Fazem-nos retenção na fonte
Enquanto empresas põem-se a monte
Num paraíso fiscal
Pra lá do nosso horizonte/
Impõem o empréstimo
Em troca de soberania
Enriquecem com os juros
E sufocam a democracia/ 16

Cortam na educação
Exigem mais avaliação
Abandonam o ensino público
Mas os seus filhos lá não estão
Saúde também leva facada
Comparticipação cortada
Morremos na fila de espera
Que eles estão na clínica privada
Falam de paz e democracia
Igualdade cidadania
E dão-nos o direito de escolha
Pró próximo rosto da tirania
Entram com tanques e aviões
Chamam paz a ocupações
Deixam um rasto de sangue
Na riqueza das nações
Trazem cérebros e minérios
Deixam escombros e cemitérios
Enriquecem a reconstruir
Os seus velhos impérios
Pro mundo levam do ocidente
Os seus restos e excedentes
E em nome de ajuda humanitária
Destroem a economia das gentes
Entram com máquinas a dentro
Expulsam-nos do nosso alojamento
Pra longe em prisões de cimento
E fazem grandes empreendimentos
Dos seus condomínios fechados
Com seguranças e empregados
Afastados da miséria
E ódio por eles criado/16

Vêm com o grande capital
Abrem o centro comercial
Catedral do consumo
E matam o comércio local
Nas terras de outros enchem carteiras
Fazem turismo com peneiras
Refugiam-se na fortaleza
E fecham as suas fronteiras
Fazem crescer economias
Parasitando minorias
últimos a quem reconhecem
Liberdades e garantias
cruzadas evangelistas
Holocaustos sionistas
vão conquistando o mundo
Na caça aos fundamentalistas
Pregam a fé dos belicistas
Queixam-se de guerrilhas e bombistas
pela contagem das vítimas
Eles é que são os terroristas
Impunes a roubar milhões
Prendem os pequenos ladrões
Que neste pa´s pilhado
Gladiam-se por uns tostões
Depõem o inimigo eleito
E põem o amigo do peito
Pra manejar as marionetas
Do colonialismo refeito
Aumentam o orçamento
Pra guerra e policiamento
Pra conter o descontentamento
Esse é o crime violento

Pra se proteger da multidão
Que só quer pão e habitação
Comem tudo o que há pra comer
E deixam-nos a estender a mão /16

Pproduzido por Fourth Dimension e chullage.

Sample de “Os Vampiros ” de Zeca Afonso

Só cartas com contas
que já passaram o prazo
ainda não fiz compras do mês
e o puto não percebe o atraso
o telefone sempre a tocar
é a divida do automóvel
a sala esta vazia, já desisti
do sofá e do móvel
um filho p’ra alimentar
e outro na barriga já se mexe
o seguro do carro esta a chegar
e este mês nem paguei a creche
já cortei com o café
vou cortar com os nits
agarrado a jornais
a meter currículos em sites
só p’ra voltar a ouvir
que a vaga já foi preenchida
levar as mãos à cabeça
pensar pôr termo á vida
já pondero imigrar
pra França ou Angola
ou flashar entrar num banco
e aponta-los uma pistola
tornou-se um luxo ir jantar
levar a dama ao cinema
só falo por sms grátis
tornou-se luxo um telefonema
e a quem recorrer
se os bros tão todos na mema
pragados na rua
à procura de algum esquema

já não dá, já não
ganhámos a certeza/
da nossa luta acesa/

já não dá, já não
saímos para rua/
juntando a voz à tua/

só vejo casas com placas
de leilão ou de venda
e a minha vai pelo mesmo andar
que eu já não aguento esta renda
e governo não dá as familias
mas dá aos bancos bué da pinlin
mais tarde ou mais cedo dás com um broda
a dormir no banco dum jardim
e querem que um gajo mendigue
pela merda dum subsidio
parado na segurança social
onde o funcionário agride-o
e de repente o povo
ta perder o raciocínio
e admiram o aumento
de assaltos e assassínios
o pior é que nós e que sofremos
com os assaltos e assassínios
que esses filhos da puta estão protegidos
escondidos nos seus condomínios
os verdadeiros assaltantes
entram no banco na maior
e saem com as mãos no bolso do fato
e o dinheiro desviado p’ra um off-shore
não é à toa que estão
a construir mais cadeias
não é à toa que reforçam policias
p’ra nos matar à tareia
é que isto já esteve muito marado
mas isto nunca esteve assim
o people esta revoltado
eles têm medo dum motim

já não dá, já não
ganhámos a certeza/
da nossa luta acesa/

já não dá, já não
saímos para rua/
juntando a voz à tua/

endividei-me p’ra pagar
propinas e um certificado
ter uma licenciatura
p’ra ficar desempregado
ou acabar num call center
ou caixa de supermercado
a trabalhar a recibos verdes
com 500 euros de ordenado
e no meio disto tudo
ainda sou privilegiado
porque a maioria do meu peoples
ta no muro encostado
quem estava em Espanha voltou
acabou o El Dorado
e arranjar um visto p’ra Angola
ta a ficar complicado /8
foderam esta merda toda e é sempre
e o povo é sacrificado
no próximo 25 de Abril
quero ver alguém enforcado
eles choram pelas acções
perdidas no PSI 20
o people aqui chora
pela refeição seguinte
e mostram-nos pessoas
na porta do BPP a reclamar
my peoples já fazem fila
na porta do banco alimentar
já não voto, porque o voto
não dá voto na matéria
e os políticos e os seus patrões
provaram que não são gente séria

Produzido por Brainkilla.

Co-produzido por chullage e Fourth Dimension.

Samples de “Assim Come Quem Nasce” escrito por Paulo de Carvalho Interpretado por Luísa Basto, e de Eh Companheiro de José Mário Branco.

Em Abril m-aguas mil
trago-as mil
afogo-as nas mil
águas das memórias mil
do martelo e da foice
foi-se a liberdade e ficou o dia
do martelo que já não bate
da foice que nao ceifa, da cantiga
que não pia a não ser naquele dia
(…) de abril

abril m-aguas mil
trago-as mil
afogo-as nas mil
águas das lágrimas mil
de quem a fome ameaça ser vil
servil nação onde pão lê-se sem
til. Lê-se pão (dos políticos cara
de pau, daquele euro que é o
dobro de cem paus, dos polícias
que descarregam pau, num povo
agarrado ao pau) de abril

abril m-aguas mil
trago-as mil
afogo-as nas mil
águas das caras mil
de quem a luta ameaça-se febril
fabril nação localizada depois
um des lê se deslocalizada (das
fábricas, das decisões, das divisas
que se abatem sobre a terra
a-parentesis-en-terra a quem as
cultiva. Lê-se enterra a quem as
cultiva (das couves que são
de Bruxelas, do alho que é francês,
do presunto de baionne, das
salshichas de Frankfurt e um bouquet de flores de
Holanda) para enterrar abril

Abril m-aguas mil
trago-as mil
afago-as nas mil
aguas das cores mil
desse arco iris pouco primaveril
das cores que se debotam de
significado
do verde sem esperança debitado
no recibos
num laranja por do sol da
liberdade
num rosa anoitecer da justiça
e num vermelho derramar da
igualdade
e um azul e amarelo renascer do
patriotismo Salgado e azarado
acinzenta-se o tempo para este
1º de Maio, e rejuvenesce-se a
fúria do dez de junho
dum país que cortou os pulsos
mas esforça-se para erguer o punho

Abril m-aguas mil
trago-as mil
afogo-as nas mil
muitas mil que nesse dia
estarão nas ruas da amargura
celebrando abril

Ser gangsta não é fashion
Tropas metem farinha pa encher a dispensa
E pagar a creche man
Todos precisam de cash man
E quem não tem ta a tapar a cara
E entrar no spot tipo ninguém se mexe, can
Nos cerrados substituem cartão de eleitor
cidadania é consumo
So é cidadão quem é consumidor
O resto é merda nas contas dum governo
Impostor
Economia de rastos tem-nos
Entregues a deus nosso senhor
todos querem o céu
Há um caminho longo
E um atalho
E há mais de 800 mil homens e mulheres sem trabalho
Mais de 400 mil a quem não querem dar trabalho
Mandam-nos pa prisão
Pk mandamos leis injustas po caralho/ 12

são só barrigas vazias
corações partidos
sem fé em escolas, esmolas,
associações partidos
retidos num guetto que isola
brodas desiludidos
lisboa ka sta sabi
com sonhos retidos

Somos todos escravos
Pretos brancos
Escravos de seguradoras e bancos
E esses políticos, pouco francos
São apenas fantoches
Que as empresas tem de joelhos
a fazer-lhes (adinha o quê) broches
a única coisa que alimentam
são ilusões
agente vai morrer de fome
entretido por televisões
estão a pilhar o dinheiro do estado
com luxos e tachos
por isso é que precisam de protecção
de xuxos e faxos
eles é que metem droga e armas
toda a gente sabe
depois mandam prender putos
fingindo querer que isto acabe
e o zé povinho é burro o zé povinho
bate palmas
enquanto isso eles roubam
zé povinho nas calmas, (pobres almas)
quando dá buraco
todos apontam-nos o dedo
fabricam monstros
pa deixar o zé povinho cheio de medo
mas nós somos aqueles
que mais deviam ter medo
eles tem snipers no telhado
já não é segredo/16

são só barrigas vazias
corações partidos
sem fé em escolas, esmolas,
associações partidos
retidos num guetto que isola
brodas desiludidos
lisboa ka sta sabi
com sonhos retidos

eles estão a queimar o meu filme
na sic
depois estão a queimar o meu corpo
nas bic
a seguir estão a queimar a minha vida nos
tic
por isso na ausência de armas melhores
estou a queima-los com a minha bic
mas o sonho era queima-los
com a minha click
mas obviamente que eles estão
à espera que um de nós se estique
glocks chocs, stocks, esses escroques
querem matar um preto
só estão à espera que lhes toques
adinha quem ta mira
ha de ser arrentelas, chelas, portelas
e mira
o monte, vale
quinta, bela vista, boba mira
ha de ser buraca damaia,
santa filomena alta
apelação, mocho
one love p todo o bairro que falta
e o zé paranoico
acha que a policia é pouca
mas achará um heroico
até que o policia lhe dê na boca/16

são só barrigas vazias
corações partidos
sem fé em escolas, esmolas,
associações partidos
retidos num guetto que isola
brodas desiludidos
lisboa ka sta sabi
com sonhos retidos

imigração igual a crime
será sempre esse o nosso karma
governo e empresas roubam cara podre
e ninguém se alarma
no entanto o meu filho e uma criança
e já viu uma arma
e não era um imigrante
era um policia a apontar-ma
e ainda perguntam
o porque de eu tar.ma
cagar para associações e lideres
que nos pedem dialogo
ta na hora de falar menos
e começar a fazer algo
porque a revolta nestas ruas
nunca chegou a estes níveis
só não rebentaram molotovs
porque estão caros os combustíveis
de volta a altura
em que o bote esta sempre na reserva
de volta o arroz branco com
uma lata de conserva
isto ta tudo mal dividido
é isso que nos enerva
se a comida esta ali
um gajo não passa fome enquanto lhe observa
porque isto assim só serve a
aos 10% de gordos
que têm a humanidade esquelética
pra quem igualdade democracia
não passam de dialectica/ 16
O exemplo vem de cima
A elite não tem ética

são só barrigas vazias
corações partidos
sem fé em escolas, esmolas,
associações partidos
perdidos num gueto que isola
bradas desiludidos
Lisboa ka sta sabi
com sonhos perdidos

Produzido por chullage.

Co-produção Fourth Dimension.

Guitarra e piano por Pedro Castanheira.

Baixo por Pietro Casella.

Sample de “Soluçon” dos Black Power escrito por Djo e Norberto Tavares.

Ele era um retornado
Chamavam-lhe Sr Henrique
No tempo colonial
Tinha estado em Moçambique
Lá não era rico
Mas tinha uma vida boa
Só que depois da independência
Voltou para Lisboa
Atoa / começou uma vida nova
Como pedreiro
Mas pouco tempo passou
E ele já era empreiteiro
Agora andava de capacete branco
E gravata
Tinha posto gravete no banco
As custas de mão de obra barata
Aqui não tinha indígenas
Forçados a fazer-lhe o trabalho
Mas fazia algo parecido
Com estes pretos do …….
Explorava imigrantes
Na maioria budjurras
Pra ele continuavam a ser
indígenas, pessoas burras
Os anos foram passando
Foram vindo mais imigrantes
E cada um que vinha
Ele pagava menos que o que estava antes
Muitos tinham,
mas muitos não tinham papeis
e a esses pagava menos
e chantageava com as leis

Ele era um cabo-verdiano
chamavam-lhe Silvino
um dia chegou na obra
passou-se e quase puxou o xino
não recebia há dois meses
a vida tinha dado o pino
ele tinha uma casa
e 3 filhos no ensino
já não recebia tão mal assim
há mais de 15 anos
pra ele a culpa era
desses filhos… desses ukranianos
por dia pedia 50 euros
agora eles recebiam 20
patrão disse se não quizesse
pra não vir no dia seguinte
mas já não haviam estádios,
estradas, metro pra construir
trabalho estava mau
ele tinha que engolir 10
frustrado chegava a casa
dava um boa noite rouco
os filhos corriam pra ele
dava-lhes um abraço oco
pousava o saco, sentava,
bebia até ficar moço
a mulher fazia tudo o que ele queria
mas ele era sempre pouco 14
Maria porra despacha
Om um gajo ja ta k fom
kaba kess brinkadera
D txga na kasa ao mesmo temp kum Om
e um dia em quanto discutia
escapou-lhe a mão e deu um soco
ele disse que não se repetia
por isso ela não deu troco
mas de repente noutro dia
já não foi só um soco
repetiu-se no dia a dia
vivia nesse sufoco

Maria, alta, linda
Inteligente kriola
Por ser mulher
O pai não lhe pos na escola
Pairavam fantasmas das fomes
De 40 e 50
E a Guerra Colonial
Estava na fase mais corpulenta
Alem disso não chovia
toda a gente dava de fuga
E um dia Maria
Apanhou um barco pra Tuga
Primeiro trabalhou interna
Depois passou a mulher a dias
Pelo meio criou o filhos da patroa
Como se fossem as suas próprias crias
O marido era macho
Não queria que ela trabalhasse
Mas ele já não recebia bem
Era preciso que ela ajudasse
Saia de madrugada
Pra o Hospital onde limpava
A tarde ia pra uma residência
Onde engomava
Travava dos filhos da patroa
Limpava e cozinhava
A noite chegava a casa
Limpava e cozinhava 14
E ainda pegava nos filhos
Deitava e tratava
Mas ela sabia
Que pouco tempo com eles passava
Pedia a deus pa olhar por eles
Enquanto ela não estava
Principalmente o mais velho
Que a rebeldia já se notava

Bruno
Era o que eles chamavam 2ª geração
Nascido em Portugal
Cabo-verdiano no cartão
Vivia nuns blocos de pedra
La pró meio dum descampado
Chamava-se realojamento
Mas ele sentia-se desalojado
Os pais poupavam pra fazer uma
Uma casa na ilha
Pra ir uma vez num ano
Fazer bonito na família
Por causa da merda dum mes
Andavam a poupar uma ano inteiro
E quando pedia dinheiro pra uns ténis
Nunca tinham dinheiro
Crescera revoltado
De ser mandado pra sua terra
Agora achava-se um guerrilheiro
Vida di guetto era a sua guerra
Via os pais a matarem-se
Nunca tinham o mesmo que um pula
Via os thugs a orientarem-se
Muita paca muita mula
Enquanto ele estava na escola
E ouvir falar de vascos da gama
Outros estavam na rua
A orientar Grif, caxuxos, damas
Pra isso não era preciso diploma
Era preciso cortar umas gramas
E ele via brodas que tinham estudado
Sem emprego a viver dramas
Não era futebolista
Muito menos era artista
queria dinheiro rápido
e já estava a seguir a pista
Os amigos que chegavam
Cheios de cenário sempre em altas
Começou a parar na rua
E a acumular um monte de faltas
A pouco e pouco
Aquilo ia lhe fazendo fascínio
Dali a pouco
Ele tinhas as notas da escola em declínio
Mas tinha outras notas
Que eram aquelas que lhe interessava
É sócio meu
Mentia quando a mãe lhe perguntava
Donde é que isso vinha
Mas uma madrugada meteram a porta dentro
Sem tocar a campainha
Passados 3 meses
Já ninguém lhe visitava
Só os pais a prima
E a colega da prima de quem ele gostava
Anseava pela visista
Pra lhe tirarem daquela jaula
e elas iam lhe ver de surra
faltavam a uma tarde de aulas
Paula
Menina de classe média
Os pais tinha-lhe criado
Ali, com a mão na rédea
Não a queriam com amigos
Freaks, estrangeiros nem paneleiros
Diziam que ela se casaria
Com alguém cheio de dinheiro
estava farta dessa conversa
já não tinha pachorra
eram todos iguais
estava farta dessa porra
alem disso curtia bue
ouvir a pausa daqueles pretos
estava a acabar animação
queria estagiar num daqueles guettos
curtia bue das tranças
calao e do sotaque
queria aprender kizomba
só não curtia o tupac
e também não entendia
o porque de tanta raiva
ela também cagava nas conversas
do professor Hermano Saraiva
e apesar de tudo
ela também se sentia oprimida
e que ela tinha guardado um segredo
durante toda a sua vida
ela não se sentia rapariga
mas sim um rapaz
e não era do bruno
mas da prima dele
que ela andava atrás 16
estas noticias lá em casa
seriam uma coisa bombástica
ainda por cima o irmão tinha engraçado
com uma cruz soastica
em casa eram só guerras
já não havia sossego
a mãe tinha adoencido
e o pai ia perder o emprego 20

Chamava se Manel
Tinha crescido no interior
Mas cedo veio pra cidade
A procura de algo mais promissor
A vida de agricultor
Há muito já não rendia
Arranjou um trabalho
na Margem sul na metalurgia
os irmãos tinham fugido pra França
na altura do ultramar
mas juntavam-se em Agosto
lá na terra, festa familiar
e todos estavam preocupados
com o rumo de Portugal
e ele comentava o seguinte
quando via o telejornal
isto agora é só pretalhada
brasileiros e moldavos
rouba-nos o trabalho
e ainda dizem
que são tratados como escravos 10
os filhos não se integram
fazem o que lhes apetece
é o carjakin é a droga
todos os dias acontece
vem pra ca
Mas só convivem entre eles
Só Falam a língua deles
Só comem a comida deles
To com ele pelos cabelos
Dizia ele chateado
Mas um dia chegou ao trabalho
O portão estava fechado
a policia estava a porta
o patrão estava escoltado
dizia que tinham aberto falência
que o pessoal estava dispensado
mas tinham ido para outro lado
onde a mão de obra era mais baixa
e o sindicato gritava palavras de ordem
por trás duma faixa
mas a coisa subiu de tom
e policia agrediu os trabalhadores
e ai ele percebeu que a policia
não servia só pos gajos de cor
6 meses sem trabalho
perdera a esperança
pos a casa para alugar
viviam agora em França
e agora que em Champini
só viviam entre portugueses
falavam portugues
iam ao café dos portugueses
bacalhaus e femmes de mennages
diziam os franceses
estava em Lisboa há
15 dias pra tratar do aluguer
o telefone tocou
e do outro lado ouviu-se uma mulher
alô estou telefonando por causa da casa

e preciso ter azar
com tanta gente é só brasileiros a ligar
alugo a um chego lá um dia
encontro uns oito
depois só querem festas
fazem barulho à noite
ainda por cima estas gajas
andam pra aqui a atacar

estou

sim sim sim pode passar

fodasss ele tinha que alugar
estava com a casa pendurada
não podia mais esperar

Produzido por Quasi O.G.

Co-produção chullage.

Flauta, Guitarra e Piano por Pedro Castanheira.

Samples de “Homi Di Cor” de Terrero, “Vira da Esquerda” de Duo Tojal, “Braço Dado Minha Gente” de Alfredo Vieira de Sousa, e de “Você Abusou” escrito por Antonio Carlos e Jocafi e interpretado por Maria Creuza

Quantas
Vezes sentis-te falta do teu pai, diz quantas
As tantas, foram tantas
Que ignoras-te essa figura depois de tanto chora-la
Por baixo das mantas
Por isso é que me espantas
Porque hoje és tu que ignoras que um filho não é somente
Um semente que plantas
Nasce, mas morre se não a regas
Ou cresce doente com o mesmo ódio e rancor
Que tu carregas
A mesma dor, a mesma falta de amor que tanto pregas
Fazes um filho as cegas
E depois renegas
Ou pelo menos não te entregas
Pra não revelar o amor que há dentro de ti, mas que tu negas
E ainda hoje gritas pra que o amor dum pai te assuma
Mas não te importas de ser um pai
Que do seu próprio filho suma
Dizes que não tens paca pra leite
Mas surges na rua de nike ou puma
Álcool, tabaco, wella e mais alguma
Droga com a qual o sistema nos arruma
Pra onde é que achas que o teu filho ruma
Se dizes que não gostas de putas
Mas tratas o teu puto como o filho duma
E mãe dele como uma
Em suma, Refugias-te no gangsta
porque tens medo de amar como um homem
mas os filhos dos verdadeiros gangstas
têm amor, vestem e comem

não é só quem puxa o shot
quando um mothafucka estrilha
que furta o bote
paia, fuma a broca e pilha
que tem uma dama diferente
sempre desce a braguilha
G também ama
e é amado pela família

não é só quem puxa o shot
quando um mothafucka estrilha
que furta o bote
paia, fuma a broca e pilha
não é so aquele que faz paca
porque as esquinas são suas
G tem que amar a rua
p’ra ser amado pelas ruas

és garanhão porque
deitas a dama no segundo kisso
enterras a fundo o pisso
mas não, tu não consegues ir mais profundo que isso
no fundo isso
faz-te sentir, que tens as mulheres que queres,
mas não queres as mulheres que tens
só alguém com a qual te vens
alguém da qual teus sentimentos nunca serão reféns
dama confunde isso com namoro
mas alguém te disse que amor
é fictício, disse-o algum frustrado
mas disso, tu não tens duvida nenhuma
e dizes que tens bueda mulheres
mas no fundo não tens nenhuma
fodes quando e quanto queres
como putas lhes referes
como um puto tu lhes feres
mas na hora que quiseres, momentos sérios
bates uma
a conta dela, daquela que não existe
quando o cash se acaba, quando o ash se apaga
quando os Gz doutra zona dão-te tapona
e o teu amigo te abandona
quando o juiz te aprisiona
e tanta cona não te fona
ficas triste, porque só agora é que viste
que só a tua mãe não deu a esquina
e do fundo da cela, sentes falta dela
aquela que tu negas-te
quando reduzis-te uma mulher a uma vagina
aquela que terias se tivesses sido respeitador
que te teria respeitado somente em troca de amor
na alegria e na dor, com ou sem euros, valor
ela daria a ti somente
so mente quem te diz que um g não ama
ama, é o amor que nos salva quando o guetto inflama

Tantos amigos à tua volta, escolhe um
Recolhe um
De entre todos que num minuto de aflição não olhe um
Sequer um
Segundo pra traz p’ra dar o corte se vier um
Isso requer um
Tipo de amizade que ja não existe
Hoje ser amigo e werun werun
Por uma saia Um bafo de kaya
Um mothafucka fere um
Nem que a amizade
Um mothafucka prefere um
Giro de cu tremido
Num bote artilhado de qualquer um
Um mothafucka prefere um
Nigga com guita que lhe compre a amizade
Se lhe der um
Objecto material, porque ser leal ja não importa
o que passaram na rua, bem ou mal já não importa
Agora importa a marca do carro em que ele se transporta
Em quantas discotecas ele conhece o gajo da porta
Quantas rodadas ele suporta, com quantas gajas ele se reporta,
Quantos irmãos ele fura ou corta
Porque o modelo é comportar-se como ele se comporta,
E tu criticas, mandas dicas, mas tu queres é ter isso,
Tu queres ter niggas e cricas, a chuparem-te o pisso
Esqueces o teu broda, tudo o que sempre te fez e te disse
E esse com quem andas, fode-te nas costas, e a frente ri-se
cagas na duia que te ama, e giras com putas
Vestidas de miss
Mas eles não querem o que tens por dentro
Só querem o que tá à superfície
Mas tu és assim, invejas sim, ganância rapaz
De dia és assim, mas no fim vives com ânsia de paz
Porque tu sabes que não tens ninguém quando olhares p’ra trás
Es incapaz de amar um brother
Criticar como ele age
Incapaz de agarrar um brother
Elogiar o que ele faz
Tu vives em altas ribaltas
Mas falta-te algo que te aconchega
Nigga nao tem orgulho no outro
Quer é chegar o outro chega

Produzido por Quasi O.G.

Co-produção Fourth Dimension, Ruca e Nuno Pessoa.

Odeio vê-la
Sempre a ajeitar aquela moldura
Com lágrimas a cair
Por cima da roupa escura
Ainda sonha que um dia estou lá
Quando ela acorda
Tirando ela
já pouca gente de mim se recorda
no inicio puseram o meu nome
em t-shirts e tattoos
com as minhas datas
1 rest in peace e uma cruz
eu era o tema das rimas
à noite falavam de mim
enquanto despejavam cerveja
e as vezes whisky e Drambuim
desceram-me ao fundo
sete palmos abaixo do chão
minha mãe desmaia
enquanto 6 manos carregam o caixão
tudo o que vejo são
roupas pretas, muitas flores
grande multidão
muitos gritos muitos choros
foi uma bomba que deixou
o bairro todo de boca aberta
ainda ontem estava ali
com bros na procura e oferta/14
deus levou-me o ultimo suspiro
senti o ar a ir, frio a subir/
eu a cair, depois do balázio do tiro
dum shot premido por um baba a rir/

estava de costas pra ele
correndo à sua frente
e quando me virava pra ele
pensava que hoje seria/ o dia/
que deus me tiraria/ desse pesadelo/
correndo desalmado
dava nas esquinas com o fim/
de conseguir fugar
mas o gajo dava nas esquinas
atrás de mim/
desde a porta do ourives/
dois deram de lado, eu fui em frente
condutor logo em cativo/ será que algum ta vivo/
ficamos cercados
quando a mona chegou/
três minutos de ganância
depois de que o alarme sou/
a montra estalou/
carrinha em marcha atrás
caçula, cartuxos/
caso algo corresse mal
e aparecesse o xuxo/
tudo bem combinado
nada correria ao contrario/
um ano sem emprego
precisava desse salário/
e a dama sempre a dizer
que me queria longe disso/
pra que quando o puto nascesse
ainda me visse/
tinha estado na obra
andaimes massa picareta/
já me tinha arrependido
de largar o caderno e caneta/

escola larguei no 10º
farto de ver a cota no cansaço/
a esfregar o chão de fdps
com sonasol e esfregão de aço/
no fundo ainda éramos escravos
eles mentiam nos livros/
e se dependesse deles
nunca seriamos livres/
tratavam-nos como tratavam
plantas, peixes, aves e mamíferos/
usavam-nos e depois fechavam-nos
em ambientes mortíferos/
política no rap não dava vida
fui cagando aos poucos/
as minhas rimas não punham putos e putas aos saltos loucos/
sempre em stress com a dama
que isso não era nenhum emprego/
e os rappers que se safavam
tinham todos dado o rego/
do bairro onde vim
niggas não papavam sucker M´s/
rap continuava a ser a rua
gangsta, babilones, INEM´s/
cresci a ver isso: drogas, armas,
e outras paranóias/
desemprego, racismo, violencia, ganacia
dillas com botes e jóias/

tudo o resto matava-se um mês
pra ver 3 numeros no cheque/
tudo o resto eram estudantes
e empregados de balcão num MAC/
pedreiros, empregadas de limpeza e cozinha/
todas as mães sofriam,
eu queria, outra vida pra minha/
que vinha/ cansada buscar
o meu mano mais novo na vizinha/
e ainda tinha/
que preparar o jantar e o almoço pra amanha/ tadinha
raramente podia descansar os pes
frente a um ecra/
a olhar pa uma novela
a sonhar com uma vida bela/
era trágico quando ela/
saia pra lá daquela/ porta/
recebia mal mas os todos os dias ela/ saia de la morte
e morta/
aumento nunca deu
cabrão capitalista/
por isso limpava em 2 lugares
e nunca nos punha a vista/ em cima/
a rua é uma babbysitter
que não te abraça nem te mima/
tranferi o ódio pa rima/
fazia guerra e não arte/
farto/
de ser sempre o perto da turma
o colega posto de parte/
farto/
da água a entrar pela telha
farto/ da luz cortada/
farto/ de ratos em casa
farto/ do esgoto â entrada/
farto/ duma mãe que aceita tudo pra manter
a família unida/
farto/ dum pai que só esta quando quer
quando não quer dá corrida/
não bastava eu/ outro irmão nasceu/
pra crescer assim/
4 anos depois de mim/
4 anos antes nascia eu/
era o principio do meu fim/

Produzido por chullage.

Co-produção de Fourth Dimension.

Sample de “Raboita Rubon Manel” de Orlando Pantera

Retrato a periferia
Racismo angustia pobreza/
Ruas armazenam perigos
Refugiam almas presas/
Roubos assaltos pacotes
Redistribuem algum pão/
Reanimam aquele povo
Remetido à privação/
Rendimentos aqui poucos
Restam actos Proibidos/
Regras atropelam-se pisam-se
Rusgas actos punidos/
República acumula poder
Reproduz a privatização/
Retem altos privilegios
Recorre a precarização/8
Reforçam agentes policiais
Recuam avanços produzidos/
Regresso ao passado
Regime autoritário PIDE/
Reclama a propriedade
Rico acumula priva/
Resposta acção protesto
Renega atitude passiva/
Retira ao proprietário
Rompe adquire pilha/
Repõe ao proletário
Reivindica a partilha/
Reprova aqueles partidos
Retórica apenas promessas/
Reage autónomo pensa
Revolução anti-fa processa/16

Raízes afro Populares
Reggae, Acústica, Percussão
Rimas aos Pares
Reason Akai Programação
Reformula as Palavras
Requer avisos Parentais
Reinstala as polémicas
Repudia avisos Penais
Rappers antes politizavam
Rappers agora publicitam
Rappers antes protestavam
Rappers agora parasitam/
Relógios, anéis, palácios
Roupas, automóveis, pretas
Rabos, ancas, pernas,
Revistas, Adolescentes, petas
Reviews atribuem premios
Rádios auto promoção
Recebem-se as palmas
Recibos, agentes, produção
Respeito adquire-se primeiro
Rejeito álbuns precoces
Recrimino a postura
Rappers ambicionam posses
Reconhecimento aos pioneiros
Retribuo amor props
Ridicularizo as playlists
Ruptura anti-Pop
Hip Hop
Riscos, agulhas, pratos
Ritmo a poesia
Reis, aerosol, paredes
Rodas Adidas Picardia/16

Rap atrai peregrinos
Refugia antigos Profetas
Ruído anuncia punchlines
Reconhece altos poetas
Reals aniquilam phonys
Ritual, arte, pregadores
Rappapas, álcool, picas
Reservado a pensadores
Realidade atira-nos pedras
Raiva agonia patentes
Retemos atenção pública
Rebentando altifalantes potentes
Rebeldes agitam Portugal
Redigem amargos poemas
Revolta agora pessoal
Resistem agudos problemas/8
Recessão, América, petróleo
Repressão, armamento pesado
Rabis, aiatolas, papas
Religião avoluma pecados
Recusam alimentar pessoas
Repetem argumentos perversos
Responsáveis arruínam povos
Reaccionários acham progresso
Reduzem-se animais plantas
Respira-se ar poluído
Resistentes arquitectam planos
Recuperam alento perdido
Rap assegura permanência
Rappers assumem posição
Restituir afecto paz
Reeducar a população

Produzido por Quasi O.G.

Baixo e Guitarra por Pietro Casella.

Scratch por DJ Extreme.

E.L.A e E.L.A (Enriquecimento Letal Armado e Encapuçada Luta Armada)

Qual é coisa qual é ela/
Preta ou prateada de aço/ que gela/
Modafucka nem mais um passo/ senão ela/ estoira/ quando cai nas mãos dum homem é mais burra que a tal loira/
Ela/ repele a/ vida, fazendo que muita coisa que podia acabar bem acabe fatela/
Já vi esse filme sem pagar 5 euros
Nem sentar em frente a uma tela/
E nunca acaba ali, tem sempre sequela/
Brodas molham a goela, fumam wella
E saem com ela/
O resto já sabes, caem com ela/

Ela/ tem os meus niggas da street
De mãos no ar acapella/
Sisters da street a chorar na capela/
Porque ela/ apela a/
Que niggas da street não consigam ter um dialogo quando estão com ela/
Que bofia vá na street com intenção de fazer algo com ela/
Sempre presente nos sitios onde sobreviver é cruel/ a
Roubar os sonhos dos membros da minha cru/ ela
Quando fala, toda a gente se cala na rua/ ela
Graffita/ a vermelho o nome de quem na rua com ela faz guita/
Por causa da pobreza instalada pelo governo que com ela faz dita/duras
As noites escuras em que ela se irrita/
Até um broda sem tomates com ela se excita/

o fascínio pelo poder faz ela parecer bonita/
bela, ela, faz brodas sonhar com a dolce vita/
Por isso que ela gosta de menage à trois
Entre um broda que necessita, ela e outro broda que necessita/
Onde ela habita/
Paca escasseia por isso ela debita/
Dividas nas vidas de madruga quando ela grita/
brodas escondem-lhe
Mas mais cedo ou mais tarde ela ressuscita/
E de novo dinamita/
mas a culpa não é dela, é do ódio e da ganância que amam ela
e são quem realmente suscita
Esta guerra onde brodas disputam
O que o rico não pita
Mas calma, que ao pe de outras ela é pita/
As mais crescidas querem é um politico ou empresário que pelo domínio do mundo compita/

Por isso é sempre que ela a Politica fodem
Abrem o noticiário das oito/
Porque de dia a esposa é a democracia/
mas encontra-se com ela à noite/
estudantes entram com ela na escola
e descarregam em toda a gente
e depois culpam as influencias
do marilyn manson e do 50 cent
E quando ela se casa com uma farda
Só da à luz deficientes /
Que pensam que p´ra servir e proteger só com ela são eficientes/
Mas o amor da vida dela é o capital/
Os dois são indecentes/
Foram fotografados juntos no Iraque/
Num escândalo recente/
Mas ela tem as costas quentes
Porque passou os últimos séculos a evangelizar os descrentes
E caiu nas graças de Jeová
Mas ela também se cansa de ser usada e passa-se para o lado de lá,
Por uma revolução a gritar asta lá,
Vitoria siempre, ou então allah uakbar,
Mas inch allah,
Um dia alguém lhe cale
porque ela já falou de mais
e na maioria das vezes foi para o mal
todas juntas elas
têm o mundo vestido de preto a acender velas

Paz,
Primeira palavra deste texto
Pa nascer hoje ta foda
Pa matar tudo é pretexto
E onde ta esse teus Deus
E a sua misericórdia
Onde esta esse seu amor
Por eu so vejo discórdia
Não ha enxofre mas há balas
Não en dilúvio
Mas há sangue
Uma hemorragia no planeta
E ninguém quer que o sangue estanque
Ordena que o soldado dispare
Ordena que o policia espanque

Todo o mundo é
Um enorme campo de batalha
Toda a vida no mundo
Esta presa ao fio da navalha
Meus putos crescem entre sirenes
Armas, exércitos de azul
Tal como crianças soldados
No hemisfério sul
E ocupam países
Em missões de paz
Mas um rasto de destruição
É tudo o que deixam pa trás
E o povo quer mudança
Do Magrebe, América, Europa
Fartos de bulldozer e tanques
Fartos da policia e da tropa
Fartos do homem da batina
Do fato e da gravata
Quem cada decisão que toma
há alguém que ele mata
Não queremos mais homes da batina
Do fato e da gravata
Por ele mata

E es ti ta mata patxamama
Mata patxamama
Kaba ke planta, kaba ke bitch
Na mei de siment e chama
Pa no pode te telemóvel
Afrika ten um guerra
pa no pode te ten gasolina
kadafi fka sen terra
pa no pode ten nos nike
es ta eskraviza um kriansa
kontinua ta konsumi assim
amazónia ka ten esperansa
mata bitch pa no kme
mata gent pa no vive
tud alma era fidj de natureza man
ma ja no eskese

Produzido por Fourth Dimension e chullage.

Venha ao pingo doce
De Janeiro a Janeiro/
Há coffee shops e luzes vermelhas
Onde gastar o dinheiro/
Primeiro ministro
Mandou os portugueses
porem-se nas putas/
O capital foi o primeiro
em manobras astutas/
quem não pode virou piegas
agora apoiam-se nas lutas/
Daqueles que chamam radicais
A quem põem-se as escutas/
Entretanto parece que o Passos
E o Alberto João Jardim/
Já não trocam flores da madeira
no são Valentim/ 8
Mas depois do atestado de pobreza
do Cavaco/
Toda a gente já percebe
P’ra quem a madeira cavou o buraco/

Fodass vai-te matar que só te enterras
Faz-te um favor vai-te matar que só nos enterras

Acabou a tolerância,
Toda a gente leva a mal/
Maçons tiraram a mascara
esta tremido o carnaval/12
há alguém que desfila sempre igual
é o Zé vestido de Bobo/
E há alguém com pele de coelho
Que afinal é o Lobo/

Março,
Nunca houve uma primavera assim/
É que estou em Lisboa
Mas faz o frio de Berlim/
Preciso de aquecer
Atenas mandem-me capim/
Que o Inverno de Moscovo era mau
Mas afinal a Primavera de Praga
Não foi menos ruim/
Entre o Petróleo do Obama
E o gás do Putin/
A E.D.P subiu o Preços
Arranjem-me um Camping/
Que o Iluminismo de Paris
Já não chega a mim/
E se depender de Londres
Este Nevoeiro não tem Fim
Pra que o muro caiu
Se vão erguer a grande Muralha
De Lisboa a Turim/
300 euros por mes a oito horas por dia
Afinal estou em Pequim/
Europa querem-me escravizar
Afinal tou no Benin/
O cravo já deu o que tinha a dar
Quero uma de Jasmim/
200 mil no dia 12 mas deu festa
não motim/16

Em Abril já não caem as mil/
Aguas da Liberdade,
Revolução foi considerada senil/
Não há paus na engrenagem
Nem dinamite no carril/
Sem agricultura não há foices
sem Fabrica não há martelo/
Não há CREL, Não há CRIL,
Ta tudo encostado no café,
Sem papiros/
só suspiros/ de desespero e uns tiros
na ponta do nite/
e babbilone que vem aos tiros
na ponta da nite/
pa conter a pobreza que gera o fight/
antes que pegue/
há bidões de gasosa meu people
que regue/
as ruas com 95 sem chumbo/
sem medo da troika
e a chantagem do chumbo/
em Abril aguas mil/
na aquecimento global
em Abril chamas mil/
eu chamo mil, ele chama mil
tu chamas mil/
pega os fósforos o mic
prepara-te para sujar os nike/
aparece aqui na rua
não me interessa se fazes like/

não há comemorações
Do 1º de Maio/
Só há contratações
no MAI/
Só há bules na PSP, GNR,
e ASAE/
Pa calar o pessoal
Nem um pio, nem um ai/
Ai, Só fica de pé
O 10 de Junho/
Mas como é que um pais que corta os pulsos
Ergue o punho/

É o regresso de Saturno
O eclipse de Osíris/
Fazem-me levar com a tempestade
Pa ver o tal arco-íris/
Tudo à frente da nossa íris/
Ofuscado no solstício/
Os longos dias da escravatura
Usa humanos no sacrifício/

Enquanto lagartos estão ao Sol
A dar corda à caixa de musica
Que dão no comício/
Na cadencia do tempo
que não é mais que um falso vicio/
de nos fazer trabalhar
pa poupa-los desse exercício

E o subsidio de ferias já não chega
Em Julho/
Onde é que ta o orgulho/
Enterrado no Entulho/
Deixado pela Troika e a heróica
Entrada do Passos “pa toma o Bagulho”
“Quem Falou que a boca é tua caralho”
All my peoples faça barulho/
Tudo calado e com medo
Senão a trioka da tatau/
O rating desce
e o coelho afinal é o lobo mau/
Tira os direitos foi canja, pra quem não se manja/
O capuchinho era vermelho perdeu a cor,
Foi pra rosa e agora é Laranja/
azul e amarelo/
E o cesto é pos boyz
com Tachos a granel/
sa foda a avó,
pra aliviar a segurança social
a velha morre em casa só/

Portugal é um gueto da Europa
Eles é que são os THUGS
Que metem o sangue na rua/
Meus gangs na rua/
Não chegam perto da forma
como esse gang actua/
maçonaria, illuminati,
Opus dei, eu não sei/
Eu só sei
que esses mangas estão acima da lei/
não passa nada, é Agosto e a justiça de hollyday
Mas este hollyday, vai tar tudo à venda no e-bay
Que o subsidio ta num offshore
Desses que eu falei

Antes do regresso às aulas
Já haverá abandono/
Ir à escola voltou a ser luxo
Da corte e do trono/
E pra que matricular
Se já nem há um abono/
A Educação vai entrar
Num longo Outono/
Caga no 21
só conta o onze em Setembro/
O dia em que a Liberdade
Passou a ser só algo de que me lembro/

Cem anos depois
Da-se um 5 de Outubro/
depois um 15 de Outubro
numa republica das bananas
com Fascistas ao rubro/
finalmente o 25 de Novembro
se instala/
35 anos depois
Abril se cala/
Ta vingada a revolução
É o triunfo do patronato/
Sobra o Fado, sobra Fátima
E sobra o campeonato/

Este ano lotação esgotada
Na missa do Galo/
Porque não há nada para abrir
Na arvore de Natal/
Tiraram o visa electron
Do espírito natalício/
Não há guita po reveillon
Ta tudo no Fogo de artificio/
Vestido a rigor cinto apertado
Sacrifício/
Isto é um loop
Queres saber o resto
Volta ao Inicio/

Lotação esgotada no Hotel,
Com esta Crise em vez de ir pa fora cá dentro
brodas vão dentro cá fora/
Alojados no EPL,
As mãos que estavam
estendidas em saudação Nazi/
Estão estendidas a pedir esmola
A Ângela Merkel e Sarkozy/
1 em cada 3 de nós ta desempregado/
mas bora os três que daqui a bocado
estas do nosso lado/

Produzido por Fourth Dimension.

Sample de “Overpowered by Funk” de The Clash.

RAPENSAR, 2004

Rapensar CD1 e CD2

Deixa o beat rolar, liga o mik, pa eu pôr esses falsos no mute/
niggas lutavam pela igualdade, hoje ganância leva a k se lute/
fakes kagaram pa root/
tudo o k eles kerem é o loot/
filhos da imigração alimentaram o rap k hoje alimenta filhos da puta/
Hip hop é karne em dekomposição, eles são abutres no dispute/
eu ponho knowledge em output/
e ligo niggas no input/
pa enrikecer a base de dados de todo o nigga k eskute/
k sa fodam Fnakkks ou King Sizes, guetto é o verdadeiro ponto de eskuta/
niggas kontabilizam vendas, eu kontabilizo a guetto youth/
k a minha rima rekrute/
tugas n kerem lutar por isto, só kerem lutar pelo desfrute/
niggas k n semearam a arvore são os mais atarefados a kolher o fruto/
enkuanto só eskrevem rimas p´ra kem manda 15 euros e tal/
eu eskrevo rimas p´ra todos pk intervir é vital/
kem n tem paka p´ro meu Cd vá na net, roube, krave/
ou grave/
kem tem kompre a mim pk lojas só servem p´ra k o preço se agrave/
e editoras só servem pa k um nigga kontinue a ser eskravo/
só faço isso kom Lisafonia pk n me mete nenhum entrave.

Negros só kerem bitches, cenário, beefs e muitas farras/
enkuanto oportunistas pilham o Hip hop kom as suas garras/
e kd abrimos a pestana, só damos kom chulos e muitas kuarras/
ya niggas deixem de falar, e ponham 16 barras/
Dão o ku pa tar na rádio, televisão, koncertos e farras/
a mercê de monopolistas k prendem artistas às amarras/
Hip hop tuga, cheio de chulos e muitas kuarras/
na vossa paka, na vossa fama, eu meto 16 barras.

Toda a euforismo k o Hip hop vive é apenas periódiko/
mas já tem niggas de kalças po chão, num ângulo rekto por um chekkke módiko/
komo Jazz e Rock oportunistas apoderam-se do Hip hop num roubo metódiko/
pa daki a uns anos ser lembrado komo um kostume nórdiko/
querem impor regras de merkkkado, mas é a rua k eskreve o kódigo/
no undaground k se aprende o kódigo/
sa fodam os vossos kkkódigos de barras, estas barras são o kódigo/
por mais k isto ande perdido, um dia regressa a kasa tal e kual o filho pródigo/
por isso kontinuo a pôr drama em cima dum drum fodido e um loop melódiko/
muitos de vocês deviam ter o meu nome nos vossos kréditos/
pk vocês estão a vir kom os plágios depois de eu ter vindo kom os inéditos/
vocês k me atribuem klichés/
p´ra n me atribuir kacheis/
e n me deixarem pisar os palkos, p´ra kontar ao povo os pkês/
de sermos diskriminados na eskkkola, trabalho, tv´s/
e guichês/
no próprio Hip hop por vocês/
os pkês/
do dito Hip hop tuga serem meia dúzia de rappers, uma dúzia de CDs/
e duas dúzias de f.d.p´s/
dinheiro espigou mais o Hip hop k a Bata espigou wallabees/
metade dos k dizem k são/
são/
senão/
wannabees/
mc´s/
n kerem handle da mik, eles kerem handle da biz/
valores no Hip hop keep on fallin tipo Alicia Keys.

Tanta demo no Hip Hop, mas Hip Hop n tem demokracia/
diskkkografia/
selekciona mc´s kom os traços da sua demografia/
pornografia/
entre editoras e jornais, dá a luz os kkkrítikos e os melhores rappers da noite p´ro dia/
ler o Blitz ou o Correio da Manhã é a mesma merda, segregação/
kkkrítikas viram katálogos de venda, e entrevistas auto promoção/
por mais lixívia k a kkkomunikação/
passe no Hip hop, eu permaneço a nódoa/
por mais k tente brankkkear esta arte, eu venho sujo e inkomodo-a/
guerra é ignorância, mas pacifismo idem aspas/
de deixares k os outros vazem o tacho, no fim tu só raspas/
vocês gritam underground, mas só kerem o mainstream/
n sigo a hiphopkkkrisía, se isto n pagar eu tenho o krime/
tendo vocês komo alvo do krime/
n sou dos k eskreve kontra o sistema, e deixa k o sistema lhe chule/
da velha pa nova skool/
rappers kagaram pa arte, tudo o k eles kerem é um bule/
se é isto k é Hip hop tuga, eu kero k o Hip hop tuga sa foda/
ponho bombas nesta merda até k a revolução exploda.

Música: jhaid

Texto: Chullage

Milhões de mãos estendidas em direkção aos poderosos k akumulam o kkkapital/
kujo uma pekena percentagem akabaria kom a fome mundial/
na terra natal/
duma só raça, mas de várias kulturas e n apenas a ocidental/
terceiro mundo em kolapso/
e toda a gente enkolhe os ombros, desviando as kulpas deste lapso/
ignorando tanta katástrofe e akontecimentos sinistros/
kom ajuda de mts ministros/
presidentes, empresários, reis/
diamante, petróleo, ouro, armas, drogas ditam leis/
Intolerância/
ganância/
mancha todas essas leis/
kriminalidade n é só no turno da meia-noite às seis/
prostituição n é só nas ruas, bares, pensões, motéis/
parlamentos são autêntikos gangs, kkkarteis/
bordeis/
onde governos roubam e vendem o seu povo assinando tratados, dekkkretos-leis/
e outros papéis/
atirando o povo p’ra guerra sem saber kual o seu desejo/
tal e kual a imoral moralidade do Vaticano e seus fieis/
kd pilharam povos atrás de mt mais k meros infiéis/
fundamentalismo kristão enrikkkece terroristas kruéis/
e enkuanto o sangue inocente se derrama/
o presidente e a primeira-dama/
cirkulam pelo passeio da fama/
kom ouro nos seus anéis, diamante nos seus kolares, pele no vestuário, seda na kama/
veíkulos topo de gama/
movidos pelo petróleo k tem o país dos outros em chamas/
se isto n é terrorismo konta-me komo é k lhe chamas.

Será k vais kontinuar a fechar os olhos p’ra n ver/
k vais voltar as kostas fingindo n saber/
saber/
k tanta gente sofre à tua volta/
será k n te kria nem um pingo de revolta saber/
k tanta gente sofre sem o pão/
será k n te kria nem um pingo de kompaixão.

Peoples só kerem andar na moda/
ter paka p’ra entrar na boda/
pôr a kabeça a andar à roda/
sair de lá kom alguém k vão kagar depois de dar uma granda foda/
foda-se ninguém se inkomoda/
kom os kímikkkos deitados no mar, no sol, na atmosfera/
kom as espécies animais, vegetais k o homem dilacera/
só pk o homem n modera/
na ciência e tekkknologia k kualker dia tb nos supera/
kom tanta fome e tanta doença k nesta terra prolifera/
k kom a guerra só prolifera/
kom akkkele k mata milhões e a sua kkkonta prospera/
kom tanto racismo, diskkkriminação k o mundo tolera/
kom toda a merda k vai no mundo e ninguém inúmera/
World Trade Center, 11 de Setembro é a lição k ninguém estava à espera/
tenham sido islâmikos ou n/
o ocidente desespera/
ganha justifikação/
e agora é ele k impera/
imperialismo amerikkkano de tudo se apodera/
koisa k até hoje kisera/
fizera/
mas n pudera/
e hoje é terrorista todo akele k allah venera/
do kristianismo ao Islão/
duma bíblia ao alkorão/
fabrika-se a ignorância sempre k há má interpretação/
por isso ksa foda a religião/
pk só fomenta a divisão/
racismo é invenção da falta de visão do povo kristão/
os poderosos kometem os erros e é sempre o povo k sofre/
pagando sangue, lágrimas e suor p’ra esses filhos da puta encherem o kkkofre/
p’ra terem BM’s e aviões/
deslokarem-se a reuniões/
e definir as prioridades desses assassinos e ladrões/
todos dillons.

N há étika, moral o úniko valor é a moeda/
os outros valores estão todos em keda/
expansão kkkapitalista kkkoloniza e n arreda/
pés, kkkaças, submarinos, tankkkes, porta-aviões/
kolokados em terra alheia p’ra assegurar os seus milhões/
e subjugar a restante kultura/
ekkkonomia fode kom a demokkkracia e dão à luz uma ditadura/
polítikkka é investimento lukrativo a kurto prazo/
ksa foda se o país está kom atraso/
eles kerem a paka no palácio/
sentados à sekretária kom a sekretária adiantando trabalho kom um felácio/
tudo na vida é um negócio/
a polítikkka, a ciência, a edukkkação, a justiça, a saúde, a guerra, o kasamento, a amizade até o sacerdócio/
kem está ao lado nunka é um kompanheiro, é um sócio/
é tudo uma kestão de pakkka n há direito nem garantia/
só a obrigação de kkkonsumir a liberdade k se eskonde por trás da tirania/
de kem por trás das kkkâmaras todos os dias nos vigia/
n pela nossa segurança, mas pelos bens e valores/
dos senhores/
k kd policiam o mundo só kombatem certos opressores/
k nas zonas kkkomerciais perseguem sempre as mesmas kores/
ksa foda o dinheiro do Ocidente/
Amérika Latina, Áfrika, Ásia e Médio Oriente/
são um involuntário konkorrente/
num Big Brother onde todos os residentes/
são expiados, usados, explorados, gozados, pelos demais mirones/
ksa fodam kkkâmaras, mikkkrofones/
satélites, eskkkutas de telefones/
militares e babillones/
é tudo population kkkontrol, tudo opressão do ser/
será k vais kontinuar a fechar os olhos p’ra n ver.

Música: simplis

Texto: chullage

Eu n percebo komo é k brothas sentem todo esse fascínio/
kd armas konseguem falar mto + alto k o raciocínio/
só o diabo lukra kd brothas flasham e perdem o auto domínio/
um brotha morto, um brotha dentro, dois ficheiros no extermínio/
duas famílias destroçadas num kontínuo deklínio/
nós somos o alvo, ignorância a bala num trajekto rekkktilíneo/
preto o nosso desígnio/
n é eskolher entre assassinar ou sofrer o assassínio/
autodestruição é um plano em exekução e o tuga é k define-o/
nigga foka-te/
toka-te/
põe kontrole na birra e yosh/
sistema mokkka-te/
para te manipular komo um fantoche/
pobreza sufoka-te/
legalizas + k o Peter Tosh/
n te kontentas kom k ganhas, keres sempre + um koche/
tanto vazas kkkarregamentos komo kkkarregadores nos teus bros/
brainwash/
na sala de aula tem-nos a abandona-la/
em buska de paka + depressa/
além disso a matéria racista do programa é algo k n nos interessa/
são páginas onde a mentira está impressa/
onde a verdade sobre a história da nossa gente n está expressa/
mas o problema é k kom essa/
mentira k no merkkkado de trabalho se ingressa/
mas mesmo kom o kurríkulo kompleto a kor ainda nos stressa/
verdade é essa/
kom ou sem eskkkola vives num ringue/
mas prokura a tua edukação, e konhece akela do inimigo, pk é isso k te distingue/
entre o brotha k kombate o inimigo, e akele k o adversário extingue/
de nada vale kash ou respeito kd a kabeça n manda bling.

Autodestruição tb nos reduz/
afasta-nos da luz/
kom todo o veneno, violência, e $ fácil que nos seduz/
produz/
efeitos negativos na tua mente, body & soul/
arma e $ não é nada poder é knowledge e Kontrol.
Kom todo o veneno, desedukkkação/ mentira na televisão/
desinformação/
o sistema restringe/
as nossas defesas e atinge/
a nossa mente, korpo e alma, kom os golpes mortais k inflige/
impinge/
a pobreza e toda essa merda no guetto e depois finge/
k vai akabar kom isso tudo/
mas proteger a sua rikkkeza é tudo/
akilo k lhes aflige/
enfia-nos na prisão onde a inexperiência no krime é a únika koisa k se korrige/
é dramátiko/
ver komo o veneno torna um lado do guetto apátikkko/
e outro lado problemátikkko/
dramátiko/
ver o brother sobreviver kom o bolso cheio de poeira embrulhada em pontas de sako de plástiko/
ver os nossos kotas estikarem o salário tipo elástiko/
putos filar o alheio pk o vazio no estômago torna-se drástikkko/
dramátiko/
ver o nosso povo morrer num intervalo semi-automátikkko/
entre um disparo de desigualdade e outro de ódio sistemátikkko/
ser igual é burokrátiko/
e n passa do burokrátikkko/
polítikkkos, bófias, empresas, media alinham todos neste eskema táktikkko/
p´ra eles o nosso valor reside num kkkálculo matemátiko/
de kt somos ou n precisos na ekkkonomia deste falso regime demokkkrátiko/
se n derrubares serás derrubado, madafuka n fikes estátikkko/
n sejas + um algarismo/
nas novas formas de fascismo/
racismo/
e eskkklavagismo/
2ª geração/
gera à akção/
liberta à akção/
n há libertação/
se n se eduka, emprega, produz e konsome, preto/
pondera à akção/
n modera à akção/
moderação/
é a kovardia do negro obsoleto.

A eskola rekkkrimina/
trabalho diskkkrimina/
remete p´ra rua k inkkkrimina/
arma fulmina/
juiz elimina/
futuro extermina/
mina/
jornal desbobina/
selekta rebobina/
outro nigga mesma rotina/
pkê? Pk o oprimido n se kontrola enkuanto o opressor domina/
pk o troiano deixa k o grego a lei do troiano defina/
rikkko n manda num pobre e brankkko n manda num preto, pk o interesse na tribuna n é o mesmo interesse k na eskina/
todo o povo é um povo eskkkravo kd n se auto determina/
e sai do 2º plano/
kebra a kkkorrente do governo tirano/
p´ra kem kkkontrolar a população indesejada é o plano/
segrega-te, põe-te na eskkkassez/
depois dá-te o veneno onde tu só vês/
uma fuga à realidade ou mto dinheiro duma só vez/
1+1=2/
três/
quatro, cinkkko anos de prisão, e algum tempo depois/
ninguém te emprega/
fome desassossega/
ódio te cega/
pega/
kkkarrega/
dispara/
para/
boy… Olha kem tu acertaste/
roubaste/
ou paiaste/
alguém k passava exaktamente a mesma problemátikkka k tu passaste/
o sistema k kerias foder foi o úniko k tu beneficiaste/
tu, o teu próximo e os teus foram todos os k prejudikaste/
o alvo do teu krime reside na elite k te destroi/
os mesmos k mataram Amadou Dialo, Chuat ou Angoi/
põe o cérebro a funcionar pk só isso é k lhes intimida boy/
É frustrante ver uma vida fértil/
ser exterminada por um projékkktil/
kuspido num stress por putos numa birra/
por polícias, ou por uma kabeça kkkeimada no wella ou afogada na birra/
o k nos mata é kkkalibre do cérebro, n é o da bala k shot espirra.

Música: bambino

Texto: chullage

Kem fomos nós/
kem somos nós/
donde viemos nós/
p´ra onde vamos nós/
de filhos de nzingas e faraós/
pa filhos de domestikas e bulidores das o’s/
de guerreiros shakas a negros brutalizados por bongos/
de donos de terras a eskravos nelas, de sobas a outlawz/
tantos anos após/
o tráfiko de negros empilhados no porão dum navio numa viagem atroz/
kom um negreiro feroz/
atrás de lukkkro veloz/
levando milhares de nós p´ra fora d´Afrika a milhares de nós/
nós/
sem euros/
sem ter voz/
nós/
em Setúbal, Montijo, Monsanto, Tires e Linhó/
da rikeza e esplendor do Egipto/
p´ra bairros degradados na Europa e Amerikkka, kom falta de guito/
da alegria de djembes, koras, balafons e kabaças de agua/
p´ra MPCs e Rolands, reproduzindo os sons da nossa magoa/
de voodoo, kandomblé e outras pratikas magikas/
pa evangelismo cristão e outras pratikkkas trágikas .

Dos produtos naturais p´ra kímikos e sintétikos/
da seiva das plantas pa kosmétikkkos/
feitos pa outros tipos de kabelos e pele/
da beleza nubia pa beleza duma Vogue ou Elle/
do nudismo a ténis e fatos de treino, feitos kom a eskravidão dos outros enkuanto eles ganham bué papel/
da konstrução das pirâmides pa kkkonstrução de Expo 98, Euro 2004, CCB, Metropolitano ou CREL/
de frutos, raízes e peixe fresko po veneno do Mkkk Donna e Telepizza/
da partilha da propriedade pa ostentação do kkkartão Visa/
do sexo sem prekkkonceito aos tabus católicos/
da erva pura pa kkkisa, xamon fatela e venenos alkoólikkkos/
das extensas famílias pa famílias destruturadas/
de mulheres divinizadas/
a mulheres torturadas/
de kueens a shemas usadas/
após 10 minutos de koro/
de missangas po ouro/
de rituais alegres p´ro choro/
de tribos pa gangs/
e derrames de sangue/
sob luzes citadinas/
do domínio de leões p´ro domínio de espécies kaninas/
de amplas aldeias p´ra blokkkos de betão aglomerados por trás de metrópoles finas/
viemos nós/
mas será k foi essa a evolução k kisemos nós.

Se agente n sabe kem foi, n sabe kem é, n sabe kem será/
se agente n sabe donde veio, n sabe onde está/
nem sabe pa onde irá/
E assim nas mãos do opressor agente estará/
tudo o que o opressor kiser, ele nos fará/
a nossa identidade deturpará/
e pela eternidade nos explorará.

Música: j”verbal”d

Texto: chullage

Voz de refrão: vilma

Pret ta segregod na realidade k’m nascê/
chei de racista na empresa, govern, pulicia, eskkkola, tv/
semp k’m ta beská um traboi a sério ês ta dam k pê/
se ‘m ten rasta, karapinha, brinku, mi ka podê vencê/
nha identidad de pret ’m ka podê mantê/
ês ta pensa k’m ka sabê lê/
k’m ka sabê eskrevê/
k’m ka sabê komportá/
k’nada mi ta intendê/
k’m ka sabê falá/
k’na sis kosa m ta mexê/
nha kabeça ti ta fervê/
nha koraçon ten revolta k’m ka podê/
kontê/
dis de kriança/
m‘ta debosh de insult de govern, fog de pulicia e oi d’segurança/
na Portugal, Holanda, França ka ten esperança/
por iss nha esforço ta post na Áfrika pa levá mudança/
pk ess terra ka tem más nada pa dam/
pelu kontrario so ês krê tram/
governam e robam/
ma mi ê warria ness terra e mi ten nhas tropa pa judam/
de Margem Sul, pa Lisboa, Bóston, Paris, Rotterdam/
se ê pa vivê de joei, mi ta morrê de pê mas ês ka ta kalam/
pa tud kriol mundo fora, nô konstrui nôs kingdom.

Música: d.j. kronik

Texto: mitó, uncle c, celso opp, fat opp (shotgun), chullage, kromo di guetto, zé rui de bibia e phatalistik (submundo)

Refrão: nigga gee (black side)

Incapaz de dar valor ao amor que tens
por mim , incapaz de pôr mais ardor no
calor que sentes por mim , incapaz de
me dedicar como te dedicas-te a mim ,
incapaz de me radicar como te radicas-te
em mim , não fui capaz de acarinhar ,
fedilizar o teu ser , só fui capaz de
espezinhar , utilizar o teu ser , brutalizar
o teu ser , fragilizar o teu ser , e hoje
queria ser eu dar-te mas outro qualquer
da-te prazer , toca-te a seu bel prazer ,
faz tudo o que ele quer fazer , e só me
restam os bons momentos que a
memória insiste em trazer .

Tcha nos temp passa , tcha nos temp
anda , tcha nos temp leva , tud magoa
quel ten pa leva .

Ineficaz no tempo que contigo dispendi ,
ineficaz nos projectos a dois que eu
suspendi , ineficaz quando chegaste com
os teus problemas e não compreendi , te
entristeces-te com algo que eu fiz e me
surpreendi , ineficaz nas carências que
sentiste e eu não respondi nas
expectativas que eu criei e não
correspondi , hoje vejo-te aí , vejo que
ele te faz tudo aquilo que eu não fiz , o
quanto sorrís , com aquilo que eu nunca
disse e hoje ele te diz , só fiz isto porque
quiz , perdi-te em actos infantis deus é
juiz , só quero que nunca mais sejamos
hostís .

No briga , em vez de fala , ba ta anda , te
no cala tchga na pont , de no ca toca ba

ta anda , te no caba hem sabe que no ta
gosta , ma ca ten mais chanche de no
volta , busca felicidade , te bo ocha ka
tcha mas hom pob ta tchora .

Tcham fala , hom ta pedib desculpa ,
quem erra pa tud cosa quem fazeb ,
depos pob ta tchora pa tud vez que bo
espera , hem ka tchga pa tud vez que bo
quiz dialoga , mim ka liga hem falhob
dum manera que ka ta da pa perdoa ma
pelo menos nô ser amig baby , ka no
odia talvez um dia , m ka sabe no podê
caba d´junt ma tcha nos ferida sara ka no
toca mais na assunt po bo vida num
inferr gora bo ta merecê ceu credita que
na fund d´coração bab´s hem crebu tcheu .

Música: dj sas

Texto: chullage

Primeiro precisamos de som e luz, tragam Cups, Vitolas, Gettaz/
Turbinas, G40´s, abarrotados de pretos e pretas/
auto-rádios pa bombar álbuns, mix-tapes e maketas/
p´ra nos proteger da babbi tragam walters e berrettas/
360 watts de estrilho, niggaz rebentem esses subwooffas/
decibeís mo fora/
bora/
ver kto é k isso bufa/
isto é ghetto, sa fodam diskkkos afrikanas k barram afrikanos na porta/
podem vir de chapéu, tranças, fato de treino e ténis, n importa/
tragam agua de Vialonga, grog, ponche, bueda skotch/
tragam a ervanária e saiam todos de dentro dos botes/
kero esta merda cheia de shemas, sejam kueens ou katrefas/
akeçam à vontade, envolvam korpos em tarefas/
peles kastanhas suadas kada vez kom menos roupas/
deixem de weron weron, isto aqui é sim ou sopas/
linguagem afro-korporal, eles pensam k isto é porno/
afro-kultural em pretugal, niggas isto é o forno .

Parar é morrer, aqui o ritmo é enorme/
rap p’ra k se dance e ao mesmo tempo se informe/
aproveitem, daqui a pouko isto está cheio de porkkkos de uniforme/
o dego de sempre kom phonemas k por kausa de nós ele n dorme/
são sempre os mesmos kkkaretas, sa foda enkuanto resta/
força e povo na rua n akaba a festa/
n temos spots pa festejar, isto vai mesmo na via públika/
kom brothas e sistas a rebolar e a roçar na região púbika/
aqui n há fila p´ra entrar, ninguém te empurra/
n há jet-set kom kkkara de superior ao lado duma loura burra/
aqui somos todos brothas, nenhum brotha se esmurra/
e bófias são os únikos k fazem isto akkkabar em tiro e surra/
aqui há brothas k tão na school/
há brothas k tão na ó/
há brothas k tão pregados no ghetto, há brothas k bulem no eskritório/
há brothas k metem montras pa dentro, há brothas k metem pó/
há brothas k kerem paz, há brothas k filam mesmo sem dó/
no fundo são todos do ghetto, são todos um só/
aqui há todo o tipo de brothas menos os k viraram bongó/
inchem o peito, levantem a kabeça, manifestam-se kom orgulho/
punhos eskerdos no ar, todo o peep faça barulho .

Sonoros kolam eles nelas, é assim k o meu povo festeja/
múzika aqui no ghetto bate, rebenta mas n aleija/
cerveja/
whiskkky, tudo o k bate, nigga despeja/
menos pastilhas, pó e trips, senão a mente frakkkeja/
toda gente speeda até ao ponto k o korpo rasteja/
toda a gente respeita kem ker k seja/
vejo o oreu k ainda bate o koro, vejo akele k já beija/
vejo akeles k já bazam de surra p´ra onde ninguém lhes veja/
no fundo o people deseja/
paz e konvívio/
num país k só nos fode, isto é um momento de alívio/
vertam álkkkool p´ro chão p´ra akeles k a morte roubou à nossa krew/
aumentem o volume p´ra isto ser ouvido lá no kkkuzu/
rap, ragga, reggae, r&b, kuduro e funas/
aqui as armas chillam, a violência vem das kolunas/
até a hora k fôr, pk aqui n há horas inoportunas/
a gente põe + barulho e pretidão na rua k Tunas/
chamem gangsta, o k quiserem, façam eskândalo, chamem rude/
isto é hardkore, preto, ghetto, kem tá mal se mude .

Red eyez tá ká? Tá/
Álkkkool tá? Yá/
Fumo há? Há/
Então põe som pk o estrilho é agora e ká. Vip’s n há? Nã/
Chibos n há? Nã/
Thugs n há? Nã/
P’ros meus Red Eyez i keep on loving ya.

Música: dj sas

Texto: chullage

Nau e karavela/
k kruz de krist na vela/
tchgá/
matá/
nôs hom, prendê kriança, violá afrikana bela/
destrui nôs aldeia/
k’ideia/
de konstrui nôs cela/
rouba nôs tchon, tra d’nôs gamela/
pa entchi sis panela/
bá embora que our e diamant, depois de ben que bugiganga e bagatela/
500 on ta sofrê ness represson, 500 on ta sofrê ness tela/
tra nôs dum kau pa ôut na sis plantaçon/
de Guinê pa Kabu Verd, ta largá nôs sang na tchon/
ma nô ka papá tont explaraçon/
eskravidon/
Cabral mandá pegá na arma, luta pa libertaçon.

Ka ten dia de m’eskcê nôs história/
história/
de nôs pov ê história de um warria/
warria/
ta lutá pa muda nôs história/
história/
de nôs pov ê história de um warria/

Traidor má português/
matá Cabral na 73/
independencia foi na 75, igualdade nen na 2003/
uli nôs mãe ta limpa tchon, nôs pai ta senta tjol/
debosh de tchuva, debosh de sôl/
sima maioria de kriol/
sem temp pa pô sis fidj na kol/
sem midj pa pô na prot, sem grog pa tra um gol/
nha refeiçon ka tiv sumol/
nha dia d´on ka tiv um bol/
nha natal ka tiv um prenda, igualdade ondê kês pol/
babillone ta prende nôs korp, ma ka ta prende nôs soul/
warriaz pegá na arma e kabu Verd niggaz nu rol.

Música: dj link e ptomás (guitarras e baixo)

Texto: chullage e knowledge one

Brutalidade policial/
baixo rendimento salarial/
a injustiça judicial/
prekkkonceito racial/
violência/
toxikkkodependência/
delinkuência/
desobediência às leis/
os fios, os anéis/
os bares, os bordeis/
os telemóveis/
os automóveis/
kom twitters e woffers de 350 watts/
subwoffers kom bass k até bates/
mal/
ekkkualizadores/
amplifikkkadores/
estofos de kkkabedal/
p’ra pôr negros e negras petrifikados pelo som/
pelos vidros e faróis fumados, pelas saias e alleron/
e as jantes de liga leve/
até k alguém o pegue, o leve/
e o desmonte/
e o enkontres pragado num beko da Arrentela, Vale, Quinta, Mira, Monte ou da Lisa/
os niggas na prisa/
por botes e lojas feitas ou paiamentos de yosh e kkkisa/
o tuga k nos inferioriza/
o ódio k se interioriza/
policia k nos martiriza/
a kota k sonha kom um futuro para nós k nunka se realiza/
os niggas k morrem nesta guerra, a dor k nos paralisa/
na ignorância k kom vingança o sofrimento se minimiza/
a konfusão à porta da taberna/
onde a embriaguês governa/
as pulgas subindo pela perna/
os niggas k n lutam sonhando kom totoloto/
kom o Totta ou Souto/
kom um puto na rua roto/
brinkando entre as águas do esgoto.

Koração lá e korpo ká em pretugal/
mentalmente enkkkarcerados ká em pretugal/
sem pão, mas kom veneno e armas p’ra morrermos em pretugal/
segregados p’ra n sermos ninguém em Portugal.

Os ratos, a inveja, o ciúme/
o perfume/
de urina/
na eskkkina/
o nigga k penetra uma vagina/
insemina/
e dá de fuga deixando um menino no kolo de uma menina/
duia de kueka fora/
diskoteka fora/
keka mó fora/
na hora/
kom kizomba na banda sonora/
agora/
tas na merda shema, o teu nigga desmarka/
brotha pragado no bairro, deskontra, armado em monarka/
kom tudo de markkka/
mas nada na arka/
enkuanto a mente sufoka na kaia e na birra se encharka/
a pobreza e ganância k no kkkrime nos embarka/
e nos desembarka/
na kkkampa ou na kkkana/
o dinheiro fodido no Tommy, Armani, CKkk, ou Gabana/
p’ra impressionares akela mana/
na disko afrikana/
o tiroteio, a fakada por kausa duma punana/
kaçadeiras, revolveres, às vezes até katana/
e kd n há saem kekes k é p’ra abrires a pestana/
a violência domestika k torna o lar hostil/
o insucesso eskkkolar, o trabalho infantil/
k infertiliza o skill/
a televisão k emite/
uma visão estereotipada da street/
mantendo niggas mais blokkkeados k maxilas de pit/
konas e pilas onde a sida se transmite/
no sexo inseguro k fode da xungaria à elite/
a obra, o makkk Donald´s, a limpeza/
o trabalho n kualifikkkado, mal remunerado k n une a família à mesa/
a desunião/
desorganização/
desinformação/
inkkkapacidade de auto-afirmação/
de mudar o ruma à situação/
o natal e o aniversário sem presentes/
as saudades da nossa gente/
no fragilizado kontinente/
a desigualdade de kritérios/
o kultural adultério/
a falta de um projekto polítiko sério/
p’ra rekonstruir o nosso império/
o realojamento de barrakkkas p’ra prédios, de 2ª kategoria/
na periferia/
kom xibaria/
de vigia/
kom falta de transportes/
e ambulâncias k evitem as mortes/
o trafikkko, o jogo, o furto/
por dinheiro num espaço de tempo kurto/
o surto/
de pragas, doenças e outros preticidas/
as pesadas sentenças lidas/
k nos roubam as vidas/
e as devolvem kom as esperanças sub nutridas/
e as expektativas demolidas diluídas.

As rimas, os beats/
os rots, os pits/
os bull terriers, os staffs/
as rodas de Freestyle, break dance ou graffs/
a peladinha sábado à tarde/
a tralha k arde/
a cerveja a rodar pelos brothas do yard/
kontrolando kus e mamas de afrikanas doces k giram no guettops/
o slang kriado entre a língua tuga e os dialektos dos palop’s/
o dedo do meio no ar p’ro bote dos kkkops/
as noites em k n há kkkonfusão na boda/
machu e fema a rossarem tudo a noite toda/
os dias em k dá para repetir o prato/
os bules em k n é preciso kortar o kabelo nem tirar os brinkos para se ter um kkkontrato/
as noites em k ninguém vai dentro/
os seguranças k n nos seguem no centro/
o amor/
entre brothas e sistas, o kalor/
o ritmo musikal/
a expressão korporal/
a komida tradicional/
a linguagem ancestral/
e o alto astral/
apesar de tudo akkkilo k korre mal/
a grandeza espiritual/
o Orisha/
o Allah/
ou Jah/
k nos protege/
já k a autoridade n nos protege/
só nos mente até ao dia k agente a elege/
o amor ao guetto k nos rege/
a força, o drible, a velocidade/
a alegria, akele pingo de felicidade/
k nunka desaparece/
independentemente de tudo akkkilo k akontece/
na komunidade.

Música: xeg

Texto: chullage

Pelos sonhos roubados em 500 anos de pesadelos/
pelos movs de independência k tentaram devolvê-los/
pelos k se envolveram e kem konseguiu envolvê-los/
pelos k idealizaram os direitos mas n konseguiram vivê-los/
p´ra kem konseguiu cede-los/
pk percebeu devê-los/
vê-los/
komo homens iguais e tentar percebe-los/
vê-los tb belos/
nos lábios, na pele/
e nos kabelos/
pelos k levantaram o punho e avançaram sem temê-los/
fartos de plantar os frutos, kolhê-los/
mas n komê-los/
pêlos/
arrepiados de medo arrastando grilhetas pelos/
pulsos e tornozelos/
em navios kom tugas buelos/
e padres a benze-los/
numa rota k devia envergonha-los mas kontinua a enaltece-los/
pelos k lutam pelos/
tão prometidos 40 akres e a mula até tê-los/
pelos k defendem Afrika da tanga k o ocidente tá a promete-los/
pelos gangstas nas streets kom shots atrás dos nossos euros até obtê-los/
somente em krimes ekonómikos kontra o sistema a komete-los/
pelos homens dos eskritos k resistiram p´ra eskreve-los/
pelos homens dos sons sem pentagramas p´ra lê-los/
faze-los/
pelos presos polítikos k resistiram kd o sistema konsegui detê-los/
p´ra todos os vitimados k o sistema konsegui abate-los/
pelos k n sofreram isto mas tb kerem kombate-los/
p´ra todos os oprimidos do mundo k kerem deixar de sê-los/
pela força kero agradece-los/
juntos vamos vencê-los.

Tcha nos múzika fala/
babillone, tcha nos múzika luta/
no ka ten jornal nem TV/
ma no ka ta kala/
korrent na mon ma pê/
ma nos kabeça ka ta para/
babillone tcha nos múzika fala/
babilone tcha nos múzika luta/
no ka ten jornal nem TV/
ma no ka ta kala/
korrent na mon ma pê/
ma nos kabeça ka ta para .

Música: bambino

Texto: chullage

Olhos filmam, a mente grava, rima revela/
é a realidade k se agrava em todo o guetto, Arrentela/
ritual repete-se, o wella smella/
birra refreska as ideias enkuanto desliza pela goela/
um pingo p´ro chão/
p´ros dread loks do irmão/
k a morte levou kom ela/
pits n ladram, blokeiam kd mordem por isso niggaz n largam a trela/
brothas k voltaram kontam historias de noites passadas numa cela/
da prisão ou do reformatório onde o juiz entregou a sua tutela/
cinko euros em cima de um monte, nada de novo nesta tela/
é a puta da pakkka, é tudo por ela/
por ela meu people korre perigos sem kautela/
por ela a ganância do mundo nos atropela/
meu koração gela/
a medida k + uma noite dá lugar a + um dia/
+ incertezas, + agonia/
+ uma marmita/
rumo a uma obra onde o f.d.p. é kapaz de bazar no fim do mês kom a guita/
life goes on, interessa é k um nigga pita/
um nigga grifa, um nigga fode/
mas se um nigga n pita então a rua explode/
babillone rekolhe as vitimas, muitas das kuais ela é k faz/
movida por uma autoridade inefikaz/
uma arma, um distintivo e um ridíkulo traje/
o objekto da proibição/
transforma-se em pão/
e nigga torna-se às/
de tudo kkkapaz/
eis terminada a paz/
brothers mortos, brothers de kkkana e o tempo n volta atrás/
reality chek/
n há fikção, n há efeitos especiais, rap é o soundtrak/
registo kkkriminal é o kartaz.

De perto ou de longe, kualker ângulo, kualker plano eu faço o zoom/
é a realidade dos guettos k aki se resume/
k na eskkkola n se lê/
n mostra na TV/
mas só kem n ker é kem n vê/
national ghettographik, lisa, margem sul e r.e.g. Após a noite eskura, a luz/
traz o relatório da tragédia, vista a olhos nus/
mas ninguém impede-a/
a resolução n vem nos media/
na encikkklopédia/
a verdadeira dimensão só kem a vive mede-a/
no meio de barrakkkas e prédios sem portas nem elevadores/
kom tags pelas eskadas e korredores onde ratos e outros parasitas koabitam kom o resto dos moradores/
roupas rasgadas penduradas nas janelas/
kakos de garrafas, beatas de wellas/
pelo chão onde os putos chokam as suas kanelas, jogando futebol kom pekenas bolas de borracha/
niggaz + velhos cerkam damas p´ra ver kem + chacha/
a kem ela abre a racha/
exibindo o cenário, o bote, o ouro k tanta beleza ela acha/
ou pikando-se uns aos outros, até k sai o fight kom o nigga k flasha/
krianças inocentes girando a volta de mães solteiras/
babillones em rondas rotineiras/
prokuram a razão/
p´ra saírem de kaçadeiras na mão/
kotas k voltaram depois de + um dia de luta pelo pão, sem saber o paradeiro dos familiares/
sem saber a razão dos insucessos eskkkolares/
de filhos k eles tanto lutam p´ra manter no kaminho certo/
mas enkkkuanto os pais estão longe, o perigo está perto/
noites kaem e trazem kom ela de novo a eskuridão, ao kkkrime propicia/
kom ela + policia/
+ revolta/
+ ódio à solta/
após a noite eskura, o dia mostra o mesmo cenário trágikkko kd se olha à volta.

Música: sas

Texto: chullage

Farto de hospitais, certidões de óbito, brodas no bankkko dos réus/
barrakkkas realojamentos fatelas eskondidos atrás de arranha-céus/
de vigilantes a seguirem-me de loja em loja pelo centro/
thugas a agarrarem as malas nos transportes quando entro/
de professores a olharem p’ra mim e perguntarem-se o kê é k eu faço lá dentro/
ignorando k eu dou no duro p’ra komer, vestir, pagar a renda estar ali dentro/
por isso k nem sempre eu me koncentro/
de eskkkolas, serviços públikkkos, esquadras cheias de racistas/
de ser o bode expiatório da direita/
kavalo de batalha de eskerdistas/
thugas a dizerem k hip hop é a pop k eles dropam no multipistas/
de pretos kom rimas sexistas, materialistas, e gangsteristas/
de afrikanos matarem-se pelo bling k europeus roubam a Áfrika/
de ver shots e kaçulas trokarem kom o dialogo e a esferográfika/
de ouvir k nós somos a kausa dos dias inseguros k se atravessam/
kd eles são a konsequência dos aktos obskuros k os hipókkkritas n konfessam/
farto de ouvir k a nossa história é um kapitulo da vossa/
kd a vossa só destroçou a nossa/
e ainda nos destroça/
farto de vos ver falar dos hábitos e kultura em tom de troça/
de ver estrilhos pôr o nosso sangue na poça/
drogas porem brodas na fossa/
kkkrimes porem niggas na choça/
bófias encherem-nos de balas ou kkkoças/
sem k eu possa/
fazer +/
do k rimar, kuspir em instrumentais/
devolver à rua p’ra k se possa/
ter noção da mossa.

Diz-me k n te fartas/
desta vida instável de estar horas a fio na rua paiando quartas/
p’ra refeições + fartas/
enkuanto chibos estudam as tuas movimentações p’ra blokear-tas/
e kd te vêem kom cem euros a + já te rodeiam p’ra k repartas/
kd n tens nada ignoram-te, kd tens konspiram p’ra k partas/
de kkkana ou gavetão pondo a tua vida em jogo komo meras notas em cima de um baralho de kartas/
é tal e qual komo kd kospes + fogo k pistolas/
fodendo o sistema em cima de loops, baixos, bombos e tarolas/
entregando knowledge/
k em vez de elevar desce até à inveja as karolas/
de fake niggas k kerem o fruto daquilo k atinges, enkuanto eles kurtem e tu te esfolas/
tou farto disso, dos mesmos nomes nos jornais, as mesmas kkkaras na tv, as mesmas vozes na rádio/
tou farto k um preto só seja respeitado em cima dum palko ou dentro de estádio/
num mundo onde o brankkko k tem o poder só abre as portas ao preto k agrade-o/
ao passo k o guetto a babillone invade-o/
viola e agride/
farto de konstruir a rikkkeza de alguem k komigo nada divide/
de konstruir residências onde o meu próprio povo n reside/
de ter krescido kom uma kultura, num pais kom outra kultura e chegar ao ponto k isso tudo kolide/
de vê-los guardar p’ro amanhã, se o nosso nem chega p’ra hoje/
de vê-los komer do bom e do melhor, e kontentar-me kom ovo e arroz/
farto k me envenenem kom os seus químikkkos, medikkkamentos e komida plástikkka/
de ignorantes raparem a kabeça e tatuarem uma kruz suástikkka/
p’ra tornarem ainda + drástikkka/
esta igualdade sarkástikkka.

Farto de prokurar bules e levar kom as portas na face/
de pikkkas virem logo p’ra mim nakela k giro no bus sem passe/
de sentir olhares fulminar-me kd entro num bankkko/
n é um assalto, nem dinheiro + sujo k o vosso, tão pouko um cheke em branko/
mas aviso k já estou farto de saldo negativo e indisponível/
dá-me gana de karregar este shot e sair p’ra rua, pk honestidade pode dar orgulho, mas orgulho nem sempre é komestível/
indiskutível/
mente tou farto de ver brodas cheios de talento lutarem sem k uma porta se abra/
de ver outros fikarem pragados no bairro à espera dum abrakadabra/
de ver reis e rainhas tratarem-se komo um kabrão e uma kabra/
e mesmo assim gerarem uma nova vida nesta terra makkkabra/
farto de ver a doença dar kabo da mulher da minha vida/
de ver putas e filhos delas meter a kolher na minha vida/
de ser afrikano, e só konhecer Áfrika pelas reportagens/
sonhar kom akelas imagens sem konseguir dinheiro p’ras passagens/
de ver taxistas/
racistas/
k n me levam p’ra Margem Sul de madruga/
farto de Portugal e da mentalidade mesquinha do thuga/
tou mesmo farto/
farto k proíbam abortos e n ajudem as nossas famílias após o parto/
farto de velos encher as nossas ruas/
kom as suas/
toxinas/
do desemprego k deixa brodas agarrados a elas lá nas esquinas/
à espera k a merda de um Makkk abra ou uma obra komece/
enkuanto a renda se akumula e o kanuko emagrece.

Música: dani ( m.a.c.) contém um sample da voz de jp (nexo)

Texto: chullage

Isto é pra ti que não recuas/
mesmo com tanta fome nestas ruas, odio que consome estas ruas , união que some destas ruas/
tanto chibo que não dorme nestas ruas, porcos de uniforme nestas ruas/
p´ra ti que lutas p´ra que se transforme estas ruas, não se conforme com estas ruas, que a paz se forme nestas ruas/
que pões alguma alegria contra a dor enorme destas ruas/
sujas/
brotha este é o teu espaço controla-o não fujas/
és um leão de judah por isso perseguem-te p´ra que não rujas/
nestas selvas de cimento onde as balas que eles mais receiam saem em forma de conhecimento/
eu sei que és tu que manténs agulhas nestas esquinas/
carros de patrulha nestas esquinas/
de sangue entulhas estas esquinas/
Nem sempre orgulhas estas esquinas/
mas és tu que na hora da guerra perante eles não te inclinas/

Tud nhas crazy streetfighters – fulhá mon p´altura tud nhas ghetto superstars – fulhá mon p´altura tud nhas gangsters revolutionaries – fulhá mon p´altura e se sistema quiser parob – tra bo ferr d´cintura tud nhas fuckin´money makers – fulhá mon p´altura tud nhas mc´s e beat makers – fulhá mon p´ altura tud nhas gangsters revolutionaries – fulhá mon p´altura – e se sistema quiser parob , bazas lum pa fura .

Não deixes que este sistema faça com que detestes o teu povo/
respeita de sul a norte, oeste a este o teu povo/
tu vieste do teu povo/
contribui retribui o mal que fizeste no teu povo/
faz a tua paca mas investe no teu povo/
p’ra que a pobreza e a exploração não se manifeste no teu povo/
doença não impeste o teu povo/
veneno não infeste o teu povo/
em vez de disparares até que mais ninguém reste no teu povo/
assume o teu filho, porque ele é mais um sofredor que trouxeste ao teu povo/
mais sangue novo, que se oprime nestes becos/
que sem ti , sem o teu apoio só terá o crime nestes becos/
porque é muita a miséria que se imprime nestes becos/
aliada a ignorância que nos suprime nestes becos/
onde um shot só por si de nada vale nestes becos/
inteligência essa sim é o que nos vale nestes becos/
governo faz-nos mal nestes becos/
bofia não nos vale nestes becos/
só destroi as perspectivas de qualquer chaval nestes becos .

Tud nhas crazy streetfighters – fulhá mon p´altura tud nhas ghetto superstars – fulhá mon p´altura tud nhas gangsters revolutionaries – fulhá mon p´altura e se sistema quiser parob – tra bo ferr d´cintura tud nhas fuckin´money makers – fulhá mon p´altura tud nhas mc´s e beat makers – fulhá mon p´ altura tud nhas gangsters revolutionaries – fulhá mon p´altura – e se sistema quiser parob , bazas lum pa fura .

Sei que só procuras a felicidade que sempre te fez greve nestes guettos/
e por isso fazes o que mais ninguém se atreve nestes guettos/
por mais que a tua passagem as vezes seja breve nestes guettos/
o teu nome faz parte da historia que se escreve nestes guettos/
não te leves pela ganãncia que tanto ferve nestes guettos/
pela violência que explode sempre que alguem se enerve nestes guettos/
distancia-te dos venenos que o diabo serve nestes guettos/
p´ra que algo mais que um triste fim o diabo te reserve nestes guettos/
ferro carregado , brothaz de lado p´ra quando há speed nestes guettos/
com babillones que causam homicidios nestes guettos/
é esse o inimigo, com ele colide nestes guettos/
depois há o dinheiro e a inveja que nos divide, nestes guettos/
racismo que nos acompanha de putos a adultos neste sistema/
bem oculto neste sistema/
destroí brothers que insistem em estar incultos neste sistema/
não vale a pena ficares parado culpando com insultos este sistema/
destroi e reconstroi/
causa tumultos neste sistema/

Música: dj sas

Texto: chullage

N sou o average nigga, sou akele k fez subir as medias/
vocês eskrevem fikção, komedias/
eu eskrevo enciklopédias/
ponho adjektivos no hip hop, meu nome é um dos seus sinónimos/
minha poesia tem o Camões eskecido numa kampa dos Jerónimos/
fama deixo p´ra vocês e mantenho-me entre os anónimos/
mas tiro-vos do anonimato kd vos transformo em meus antónimos/
vossa jealousy boikota-me enkuanto eu vos promovo/
eu dou no duro enkuanto vocês falam, kd se fodem eu n me komovo/
removo/
kkkatálogos de fakkke niggas k n dão chance a sangue novo/
vocês/
fazem isto por vocês/
eu tb/
mas tb/
pelo resto do povo/
enkuanto desenvolvem isto em estúdios, é na rua k isto eu desenvolvo/
n me envolvo/
fora da rua, o amor k ela me dá, à ela devolvo/
eu n vos desejo mal, mas verem-me mal provoka-vos muita ancia/
se vocês me foderem sentem glória, se eu vos foder sinto k foi ignorância/
no fundo eu desenkorajo a ignorância k vocês incitam/
vocês n tem ego, egos n imitam/
vivia do rap se kobrasse chekes a todo akele k me byta/
girem-me a gaita/
sou voluntário pa street fighta/
n ghostwrita/
vocês seguem lideres, sou perseguido por kem vos lidera/
vocês esperam editoras, eu ponho editoras a espera/
vocês são undaground, mas se a pakkka entra, até o vosso ku koopera/
e nem o amor k diziam ter se rekupera/
vocês são kontra o sistema enkuanto o sistema n vos remunera/
vocês amam o hip hop enkuanto o top n vos numera/
vocês são o k vos mandam, eu sou o k eu kero/
ou seja eu sou um knowledge god, vocês são um klero.

Tu n giras onde eu giro, tu n paras onde eu estou/
tu só keres paleta, vídeo/
e radio/
tu kagaste po underground e todo o people do ghetto/
tu só keres é euros, muita fama e putedo/
tu ignoras o teu povo, o k ele passa, ou o k ele passou/
tu só keres receber e kubar deskansado depois do show/
tu abandonaste a luta e deste o kagueiro/
tu n és múziko, tu és uma hoe .

Rimas fluem komo esperma, vossas kabeças são ovários/
penetro-vos sem preservativos, fekundo-vos, mas n kompareço em notários/
vocês tem kkklientes p´ra kem dão kkkoncertos, eu tenho tropas p´ra kem dou plenários/
entrem de B.I. e kaneta, sentem-se k eu já kompareço kom os kestionários/
vocês vendem o hip hop, eu dou-lhe assistência téknika/
komo vocês há muitos, komo eu são menos k direitos p´ra uma minoria étnika/
rap é o petróleo/
de muitos monopólios/
onde falsos tornam-se populares/
k n tem kausas, e por isso servem as kkkausas dos outros tipo militares/
movendo guerras kontra kem n tem krenças, valores e kores similares/
mas n kkkonstruam torres gémeas, eu mando-as pelos ares/
é k vocês imitam amerikkkanos, eu fodo-vos tipo o saudita/
isto p´ra mim é revolução, p´ra vocês resume-se a guita/
por isso eu vou até ao fim, vocês vão até onde o dinheiro akaba/
kero k vocês se fodam enrabados, luto kontra kkkem vos enraba/
vocês mostram a roupa, eu mostro a filosofia da fubu/
p´ra nós/
por nós/
todos nós/
k sa foda se eu n subo, kom o inimigo n kubo/
editoras e kkkrewz fakes mandam tubo/
mas na street eu vos derrubo/
dinheiro sujo faz a minha múzika, a vossa múzika faz dinheiro sujo/
brothers n intrujo/
isso é ganância, e é desse mundo k eu fujo/
vocês são ouvidos na radio e diskos, eu só sou ouvido nas eskolas/
eu busko igualdade e knowledge/
vocês só buskam dollars .

Klamam velha e nova eskola, klamo eskola da rua onde vocês são baldas/
eu já enchia folhas desta merda, vocês enchiam a vossa merda em fraldas/
outros dão p´ra profs, mas só ensinam a descer as kalças e dar as nalgas/
por isso de mim tudo o k levam é “um das Caldas”/
no fundo são krianças a tokar nos assuntos dum adulto/
superficiais e omissos nos temas k provokam a desigualdade da kual resulto/
vocês são politikkkamente korrektos, politikamente eu insulto/
n socializo e nem okulto/
nem eskrevo rimas softs p´ra agradar a esse tuga pseudo-kulto/
vossa sabedoria pode ser budista, mas pakkka é o vosso úniko kkkulto/
após 16 barras do meu senso komum, eu vos sepulto/
minha múzika gera tensão social, a vossa gera kkkuantias de vulto/
os vossos koncertos geram aplausos, os meus geram tumultos/
é k eu resisto à opressão, rap é uma das armas válidas/
p´ra eu n akabar komo os índios, já k vocês agem komo os kkkaras pálidas/
p´ra vocês sou um negro a ser explorado, rap é mais uma plantação/
p´ra alimentar a vossa industria e deixar-me kom uma ínfima proporção/
kerem-me kalar mas kd eu pego no mik, ponho os vossos todos no mute/
kd kiserem peguem na vossa, eu pego na minha krew e bute/
eu solo fodo kkkrewz, vocês formam krewz p´ra me foder a solo/
sou dos k emprenha a tuga kom o hip hop, vocês são dos k karregam-lhe ao kolo/
a minha influencia é Zulu nation, a vossa influencia é jigga/
vossa kor é verde kódigo verde, eu kontinuo nigga .

Música: j cap

Texto: chullage

Esses hip hopers buscam uma fama hipotética ,
tocando em assuntos banais sempre como uma
metáfora patética , inveja e cinismo fodem
completamente a estética , na rua têm medo de
rimar mas depois eles dão pa heróis na investidão
microfonética , dizem que são os mais fats mas a
rima saí esquelética , depois vem com dez anos ,
não me enganam com dialéctica , muito bluff nas
costas mas à frente a atitude não é assim tão
energética , com um verso fodia-vos um a um por
ordem alfabética , mas vocês são vítimas e é
naqueles que vos vitimam que descarrego a
munição poética , abandonaram a intervenção ,
hoje escrevem rimas em aritmética , colaboram
com o sistema, por fama e euros perderam a ética ,
são originais , mas tem rimas mais clonadas que
animais num laboratório de genética , isto p´ra
mim é natural , p´ra vocês é uma aplicação
sintética , uns disputam o pódio na imprensa , eu
luto por isto na pista atlética , outros falam em
movimento mas eu dou-lhes energia cinética , eu
nisto sou como insulina p´ra uma pessoa
diabética , dobrem , mordam , engulam a língua
porque esta merda dá-vos mais ataques que uma
pessoa epiléptica , deixo-vos com mais estragos
que um soco do Ali numa anoréctica , dois dedos
do meio no ar p´ra vocês é a sinaléctica .

P´ra quem se manda p´ro chão em power moves ,
p´ra quem selecciona vinils , p´ra quem produz
power grooves , p´ra quem ao povo no mic se
dirige , p´ra quem rebenta paredes , carruagens do
Metro , CP ou Carris , p´ra quem suporta os hip
hopers que mantém isto na raiz .

Suckers são gangsters retóricos teóricos em
mundos metafóricos , que na hora de pôr a merda
em pratica tornam-se fantasmagóricos , isto é um
carnaval onde vocês põem mascaras e os media
são carros alegóricos em artigos folclóricos e
marketings categóricos , inventando tangas com o
objectivo de vos tornarem históricos , mas putos e
pitas são os únicos que vocês deixam eufóricos ,
sempre a falar de galões , posições , títulos ,
diplomas , mas daqui só levam traumatismos ,
furos e hematomas , comas por assaltando esses
fakes mc´s , a única forma que red eyes g´z de
ganhar no rap grandes somas , niggaz rappam por
damas , famas , privilégios , luxos mas nos
fazemos intervenção com a cabeça cheia de rimas
e canos cheios de cartuchos , não fazemos broches
a promotores , editoras e produças , nem
videoclips cheios de russas , e o que dizemos
assumimos , não escondemos as nossas fussas ,
mantendo a fé , olhando em frente com os punhos
esquerdos erguidos , mais vale morrer de pé do
que viver de joelhos como esses rappers tem
vivido .

Entre a 1ª rima e o 1º álbum , foi muito tempo de
intervalo , falo dum tempo onde props vieram dos
mesmos tropas com quem hoje destapo , engulo ,
inalo , exalo , rimo , pauso , me oriento e em tudo
me igualo , continuo na mesma merda por isso não
canto de galo , rhymeshit que abalo contra todos
esses mothafuckers que só rimam para quem lhes
paga , contra dj´s que só tocam rap softs , r´n´b e
ragga , isto é p´ra g´s na street , putos na escola e
pragados no parque mesmo que não comprem
álbuns , e a vocês que eu quero que isto marque , p
´ra todos os africanos explorados em Portugal
desde o desembarque e todos os tugas no mesmo
barco , organiza o teu gang , consciencializa ,
mobiliza gangstaz contra quem nos escraviza ,
canaliza fundos ilegais ou legais p´ra revolução e
concretiza motins nas ruas da margem sul , hip
hopulariza o intervencionismo , sa fodam rappers
revolucionários que se ficam pelo liricismo .

Música: d.j. kronik

Texto: chullage

Bófia atakkka e tu n ripostas/
sistema fode-te e tu viras as kostas/
mas no mínimo stress kom o teu brother tu enkostas/
uma lamina ou um kano à sua pele/
kom os nervos a flor de pele/
tu és kapaz de filar o teu brother, por honra, poder e papel/
mas n foi ele k te tirou a honra, poder e papel/
a ignorância é XL/
por um triz ela/
n te rouba a vida à porta da boîte/
onde um litro de whisky bate/
forte/
15 minutos depois embate/
forte/
no bote k tu n viste/
no despiste/
e fodes a fronha à shema linda, k ainda esta noite tu despiste/
no banko de traz kd seker nem vestiste/
ekipamento de segurança pk nem resististe/
pau duro n aguenta a tusa/
fusa/
fusa/
fusa/
depois a sida reduz a/
tusa/
ou o esperma intrusa/
e fekunda a musa/
paternidade se rekusa/
e a tua kria/
kria-se reklusa/
no teu próprio modo de vida/
devido à/
tua ignorância, devida/
mente/
implantada na tua mente/
komo chips/
os guettos kontinuam a ser slave ships/
k mantém niggas sonhando kom Bloods e Crips/
Bimaz e Jeeps/
envenenados em menus de hamburgers, Cocas e chips/
neurónios keimados na televisão, rádio, Koka e trips/
white poison, white lies, white supremacia/
implantada pela suprema CIA/
korpos livres passeiam mentes akorrentadas, por baixo da kkkâmara k nos policia.

KKKarros de patrulha são komo karros de lixo na rekolha/
negros são alvos de eskolha/
konfrontados kom esta realidade, n há kem n enkolha/
os ombros/
500 anos de bombardeamentos, cérebros são eskombros/
onde neurónios kovardes se refundem/
feridos sem assistência, à espera k se afundem/
nas areias movediças/
de sociedades kom leis klaras kto a intenções omissas/
subtilmente difundidas nos media, nas eskkkolas, nas missas/
krises de identidade, kortam afros e implantam postiças/
o orgulho já só reside no kuduro, e nos 30 cm das piças/
k deixam vaskkkos da gama invejosos, e respektivas damas tesas/
p´ra quê k te ris, se eles kontinuam a ter supremacia nas suas mesas/
nas suas kasas, nas suas empresas/
e governantes/
enkuanto roubamos o semelhante/
agredimos o semelhante/
preto ou branko k vive na mesma, exploração humilhante/
e degradante/
realojados na senzala da akkktualidade/
onde a raça e a klasse perseguem-nos, do dia 1 à aktual idade/
sem k keiramos enfrentar e kombater essa faktualidade.

No nosso meio armas são/
+ acessíveis k edukação/
pk pretos kom armas são/
+ inofensivos k pretos kom edukação/
mas n a sua edukkkação/
pk kem nos edukkka são/
os mesmos k nos põem sobrelotados na prisão/
sobredotados sem habilitação/
subalimentados sem habitação/
kem nos edukkka são/
os + interessados na nossa destruição/
pouka instrução/
pa kontinuarmos na ignorância, na sua kkkonstrução/
e restauração/
kem nos edukkka são/
mothafukaz na TV, cheios de roupas e jóias/
karros, pistolas e doias/
num mar de ignorância k nos afunda, se a inteligência n komeçar a mandar bóias/
para desakreditar as suas paranóias/
emitidas em todos os kkkabos e parabólikkkas/
supermerkkkados de kkkultura, kom intenções diabólikkkas/
pouko katólikkkas/
vender as suas ideias e produtos, tornando globalmente simbólikkkas/
mothafukkkaz dão-me kólikas/
tantos kkkanais mas só este fim os regula/
TV anuncia ganância e gula/
e nos saímos p’ra street pa ter o mesmo k o pula/
ou k o preto k nos chula/
dinheiro fácil é o nosso pesadelo, disfarçado de sonho, mas é o seu projekkkto/
p´ra k fikemos kietos/
no guetto/
abre os olhos preto/
desperta/
a ignorância é k puxa o gatilho, a bala só acerta/
no teu tropa/
ou puxas essa merda kontra o inimigo ou dropa/
dropa/
inteligência na rua/
destrói a klasse opressora, n a tua/
aktua/
ignorância é XL, em todo akele k kompakkktua.

Música: ptomás

Texto: chullage e knowledge one

Voz de background: knowledge one

Voz de refrão: vilma

Guardo o subsolo onde todos os movimentos são
sagrados , filho dum deus menor e dois cabo-
verdianos imigrados sem nunca abandonar , tud
nhas influencia negra num sistema que pensa que
me regula mas constantemente eu quebro a regra ,
cacetado na street freestylando conteúdos pa king
size , politizando com filhos da imigrasom até ver
o sunrise , ou até luzes azuis encandearem red
eyez quando GNR , PSP , PJ aparecem de
surprise , numa de dar o stop depois de xibos
porem a mira no meu squad , quanto mais me
oprimem mais ritmo e poesia meu coração se
invade , no micro nunca soft eu cuspo em cima de
loops fogo no hip hop tuga , vim do ghetto não
papo groups , tipo o mad rappa fico nas ruas , não
converto a rima em euros sou o street nigga , fake
niggaz damaja tipo jeru , não tiraram o mato do
gato quando tiraram o gato do mato e hoje
querem-me fechar no zoo , policia sem uma
pontinha de escrúpulos constantemente bombing
na minha crew , middle finga u pa todos os porcos
fardados , no ghetto catchores não vos dão pinga
de confiança , quando ya fakes buscam dados , a
lei não nos respeita sa foda a vossa lei , o numero
112 odeo nunca teclay , p´ra minhas rimas sempre
samplei imagens da vossa crueldade que põe
dedos entre o rewind e o play , essa é a realidade
que a minha mente kapta , não sinto dealemas
quando cuspo informação ao núcleo , p´ra isso é
que a minha mente é apta , o produto da minha
mente muita gente rapta , porque quando o assunto
é knowledge niggas sabem I´m the one , niggaz
bluffam mas ficam shook kwan-do eu apareço ,
hope u got yourself a shotgun .

Por sentir o hip-hop , fazer fluir o hip-hop , evoluir
o hip-hop , todo o meu people tem props , por
resistir com hip-hop , instruir com o hip-hop ,
construir com o hip-hop , só o meu people tem
props .

Dum kiluandje e uma lweji vem a minha fundação
, sempre com afros na click , ideologia negra e
tradição , criado no ghetto stress as vezes em paz ,
as vezes na briga com 3 ou 4 ilegais , pondo
comida na barriga com wella nos projects mas
nunca poison no meu nigga , numa forte
resistência contra a ignorância inimiga , niggaz
need to BCV-lizados por nós , sa foda a MTV ,
SIC , TVI , serviço público da RTP , neste RAP
sempre fomos undaground voices seguindo a
MAC com ou sem THC , ponho 100 graus celsos
neste mundo escuro , porque sou verídico quando
pego no MIC , ser emissor da realidade em mim é
um vicio kronic , por mais melo-d que use não sou
amigo do radiofonik , contra um mundo cada vez
mais complexo envio bombas do submundo , onde
a guerra ganha cada vez mais nexo , anexo ao
circuito secreto do undaground mantenho-me na
company dos blackz da minha fam , em solo
urbano sobrevivo com skillz sem ilusões do uncle
sam , p.r.e.t.o real no lado sul da capital , sempre
em linkz com esquadrões que se tornaram mitos
urbanos na área central , undacova tipo chacal ,
crazy roubando degos como degos roubaram
niggaz na jungle da nossa costa ocidental , 500
anos depois de nos terem pseudo-descoberto ,
alguém racista no seu próprio alfabeto , o sétimo
consome-me mas o sexto PM é rejeitado no meu
templo , não sou general , boss , líder , tão pouco o
melhor exemplo , trago apenas nova mensagem
sobre aquilo que contemplo .

I show my peeps love , peeps de nações diversas
pa family vivendo na tuga em condições adversas ,
clandestinos num mundo onde a xenofobia domina
a cúpula com consciência que pela mesma chance
a nossa luta é dupla , sem perceber a fronteira que
separa policias de skinheads resistimos com fonia
da lisa , margem sul e mais zonas dreads que põe
brothers a abanar carecas , afros e dreadlockz , em
concertos dados com amor que deixam brothers a
contar trocos p´ra voltar ao bairro comprar birra ,
nites e chocolate rockz , parar , enrolar , tibar ,
playar , chachar pa chillar com monz , num bairro
onde há niggaz e há damas que só pensam no
factor paca e tão sempre à espera que tu shones
porque p´ra ele e ela a tua desgraça é sempre um
bónus , nos phones educação visual explica factos
reais , deixa niggaz mais se bi com joy senão
niggaz pensam que isto é QB e eles são heróis ,
que primeiro começam como G depois acabam
como lords , mas se cubares pode ser que acordes
com o sol quadriculado ou nunca mais acordes ,
rap não é só gandja , timbaland , chegar , rimar e
pôr o nome na capa , não é só rodar no chão e pôr
o nome da crew no mapa , não é ser writer porque
se pinta a parede e tira-se a chapa , velho ou novo
one love pa todo o que ama isto e não papa tangas
de impostores que andam a ver se o olho do nigga
se tapa , na verdade só o real vândalo SK quando
em spots hardc-or-tega frases coloridas no
comboio cinzento que as carrega pa lisa , margem
sul e LS e as esfrega na cara do portas e dos seus
colegas do PP ou PSD ou PC ou PS , e todos os
outros que ficam gordos à pala de quem
emagrece , espeto-vos rima acima um a um SAS
…………… …………………………….. MS .

Música: sam

Texto: chullage

Kada vez k agente/
fila a nossa gente/
agente/
o alvo erra/
menos uma bala k o agente/
na nossa gente/
ferra/
e segue os objekkktivos do sistema regente/
desta guerra/
violência é o regime vigente/
k a nossa gente/
soterra/
berra/
uma mãe da nossa gente/
kd o seu filho se enterra/
encerra/
+ um kapítulo negro da nossa gente/
na terra/
n somos gangstaz nem thugz, somos imitadores de katálogos/
k amerikkkanos publicitam p’ra nos tornar burros análogos/
palavras perdem o valor, onde shots tomam diálogos/
p’ra nos tornar estatístikkkas e opressores aumentarem saldos/
destruição/
k dá $ a todos e só a nós sai karo/
auto-destruição/
k kausa danos/
humanos/
sem reparo/
toda a gente ker ter kolhões p’ra uma fakada ou um disparo/
niggas no chão e toda a gente diz: eu n separo/
toda a gente ker incentivar, entrar, assistir à violência/
relatar, elogiar, insistir na violência/
mas violência/
kom violência se paga/
é a chama k arde, konsome o nosso povo, e ninguém a apaga/
komo uma praga/
propaga/
e as nossas sementes estraga/
esmaga/
brodas de forma krua/
sem k ninguém os traga/
de voltas às ruas/
sangrentas onde dekorre esta saga/
num mar de lágrimas k diariamente as alaga.

Música: jhaid

Texto: chullage, real d (kúmplices), psyche (thc), kosmikilla e dj sas

De ont pa hoj ê mas amor de hoj pa
manha , mas amor ta ser a serio , bo tem
marrod , acorrentod na bo ser na bos oi ,
na boca , na bos sei , na bo traser , na bo
alegria , harmonia , magia , manera de
ser , manera de dam prazer , hem ten que
ser sincer , bo ê nha our , nha diamant ,
tud nha dnher , ka ten mas nada mas bo ê
tud riqueza que mi queria ter , bo ê nha
paz , na hora de guerra na consol , na
hora de chor , bo ê nha tchon , fora de
nha terra aha alivio , na tud ess dor na
frio , bo ê nha calor na doença , bo ê nha
doutor , bo ê nha sista , nha mother , nha
amiga , bo ê amor .

Ke tud côsa que já nô vivê ,
descriminação k a nô sofrê , nô vencê ,
nôs amor inda ta d´pê , ca tem poder ,
opressão k ta podê cabá ma el , boca d
´pov , nenhum pressão k ta podê fazê
nôs esquecêl , k tud côsa k ja contece ,
drama tud k a nô conche , nô merece ,
nôs amor inda ta d´pê , ca te poder ,
opressão , k ta podê cabá ma el , nô
esquecê mund nô da mão , nô ten nôs
vida nô vivel .

Pode estod tchuva la for a , li dent ma bo
e um dia de sol , pode cat bomba tud
hora , ha m´ta na paz li na bo col , fuck
the system , tud sis historia , no ta resisti
nôs ê criol , manda problemas embora ,
no keep it gangsta ness lençol , m ta
perde noção de espaç é tem hora que bo
ta despim , m ta falta escola , traboi es ta
reprovar , es ta despedir , ka ten drama ,
sei na esquema bazas lum e sei ta kema ,
m sabe , boca ta gosta , ka preocupa , m
ta volta na mesma , pa descansa na bos
dagol , um com dum hom ten sempum
fema , m ta li pa bo , u ta li mim ,
cretchou shema , ben pa nhas bruc ,
kontam bo viva , um ta contod d´meu , te
dia que no volta pa terra , bo ê nha
tchom , mim ê bo leu .

Música: elton

Texto: chullage e Gilson Gee

Kkkrime é pessoas morrerem pk medikkkamentos são karos/
é babilone matar um preto kom 41 disparos/
é terem Abu Jamal, Angola 3 inocentemente enkkkarcerados/
é porem bairros sociais e zonas industriais lado a lado/
kkkrime é fome resultar da ganância dos rikkkos, n da eskassez/
é o país ser o tabuleiro, o povo as peças, a polítikkka um jogo de xadrez/
é o Ocidente sustentar guerras civis na Amérika do Sul, Áfrika, Médio Oriente e Ásia/
é porem o mundo em kkkoma e debaterem a eutanásia/
é chorarem Manhattan e fazerem o mesmo no Iraque e Palestina/
é privatizarem hospitais e só autorizarem a sua medicina/
é a casa branca ser o maior e o + perigoso trafikkkante de drogas e armas da Amérika Latina e resto do globo/
é a forma komo exploram rekursos em Áfrika, nigga é roubo/
é chantagearem o 3º mundo kom a divida externa/
é o kkkolonialismo ekkkonómiko e eskkkravatura moderna/
é a Moderna/
Casa Pia, futebol e a mitra k nos governa/
é foderem um preto 18 anos e ele ainda ter k dar o nome pa tropa na avenida de Berna.

Kkkrime são as deliberações do G8 e as missões da NATO/
Cova da Moura, Bela Vista foi sem dúvida assassinato/
kkkrime são as filas intermináveis às portas do S.E.F./
é provokarem toda essa fome e taparem-nos os olhos kom a Unicef/
é só ter trabalho se for legalizado num país k n legaliza/
é fikar a mercê dum patrão k kkkontra nós isso utiliza/
é um preto só ser respeitado se no domingo meter duas na baliza/
ou se ganhar uma medalha p´ro mesmo país k lhe marginaliza/
é prenderem o + frako k no bairro paia kisa/
pk o poder k kombate o tráfiko é o mesmo k o kkkomercializa/
é passar indiferente aos sem-abrigo lá da Lisa/
é ver a velocidade kom k o egoísmo material se globaliza/
é kererem deixar pobres, idosos, desempregados sem subsídios/
é eles n admitirem k a eskkkravatura foi um genocídio/
é n aumentarem ordenados e aumentarem portagens, preços, propinas e impostos/
é ver esses partidos predispostos/
a k direitos sejam depostos/
e abusos de autoridade sejam repostos/
é ver bandidos kom armas e krachás kolokkkados em postos/
é ver prisões cheias de miúdos k nem barba tem nos rostos.

Kkkrime é lideres afrikkkanos roubarem o país p´ra si, p´ros seus/
p´ra amerikkkanos e europeus/
é o maior holokkkausto do momento ser kometido por judeus/
é multinacionais ocidentais explorarem a mão de obra barata/
de um pai de família pobre, e perguntarem porquê k o seu filho kata/
ao fabrikarem hambúrgueres e ténis num mínimo kkkusto/
lukkkrarem milhões, pagarem tostões e acharem k o salário é justo/
é andar fobado a olhar p´ras kkkaixas de supermerkkkado e prateleiras/
e andar rasgado sabendo k akeles têm bué euros nas karteiras/
é saber k os kkkamones são o topo da kadeia alimentar/
e o k eles gastam num mês, há 11 meses está-nos a falhar/
é a lei ser eskkkrita pelo proprietário/
portanto ser ele o beneficiário/
é o polítikkko ser só + um funcionário/
do empresário/
é as prisões terem + vitimas de kkkriminosos k kriminosos/
é as eskkkolas serem fábrikas de intelektuais kom cérebros preguiçosos/
onde livros são chips k programam os + estudiosos/
é esgotar os rekursos do planeta na barbárie kkkapitalista/
é extinguir animais p´ra vestir outros animais na moda elitista/
é proibirem marijuana e bombardearem-nos kom tabakkko/
é isto e muito + mas o tribunal só exista p´ro + frako.

As mortes vão prosseguir, os roubos vão persistir, as drogas vão resistir, o terror vai sempre existir, se os verdadeiros kkkriminosos n pisarem tribunais, enkuanto hipókkkritas estiverem à frente de tribunais. Pk kkkrime é o pobre só existir p’ro rikkko ter kada vez +/
é só existir terceiro mundo pk em primeiro estão os ocidentais.

Música: d.j. kronik

Texto: chullage

N respeito pchinguinhas/
só p’ras princesas e rainhas/
sujeitas ao sofrimento do guetto/
do machismo/
ao racismo/
à ignorância do seu próprio preto/
eu dediko estas linhas/
pk n enkontro só a vaka de merda ou a kuarra/
tb enkontro a lutadora k konstantemente se esbarra/
num mundo dominado por homens k lhes amarra/
às teias do prekkkonceito/
baby devo-te respeito/
pk apesar do k sofres és tu k trazes a paz ao nosso leito/
és muito + k duas pernas abertas, bom rabo e peito/
és mulher, és amiga, és mãe, és irmã/
és kem nos fez ontem, nos mantém hoje, nos prepara o amanhã/
k num dia-a-dia tão doentio nos konsegue dar uma pausa sã/
mesmo sabendo k tenho os meus niggas, nas horas + difíceis, és tu k me suportas/
nas maiores necessidades, és tu k n me fechas as portas/
k kd é preciso pegas nas armas e komo guerreiro te komportas/
k apesar dum passado horrível e dum presente duro o nosso futuro n abortas/
dás tanto e às vezes n mereço, mas pelo amor tu nem te importas.

Pkê? Pk és o ontem, és o hoje, és o amanhã/
pk és o nigga, és a amiga, és a mãe, és irmã/
és mulher/
pk sem pistolas nem punhos estás aki p’ro k der e vier.

És o exemplo de força pelo k aguentas/
trabalhas, chegas a kasa, kozinhas, amamentas/
e alimentas/
os nossos espíritos kom as tuas ementas/
kuidas, edukas, sustentas/
por ti raramente te sentas/
mas por nós estás sempre de pé/
e kd vem o desespero és a ultima a perder a fé/
enfrentas/
o assedio de patrões exploradores/
kolegas estupores/
de komputadores pa aspiradores/
maridos abusadores/
filhos desrespeitadores/
frutos de romances falhados e falsos amores/
muitos sinais exteriores/
de rikkkeza e pouka rikeza nos interiores/
negra eu torço/
para k os real niggas deixem de ignorar o teu esforço/
para k tirem a responsabilidade das nossas vidas do teu dorso/
para k possas parar/
e rekuperar/
da nossa má kkkonduta/
e possas ouvir algo + k lagaia, kadela, chulebra, puta/
pk n estaríamos aki se n nos tivesses akompanhado nesta luta/
kurando-nos/
ferindo-os/
na eskkkravidão/
exploração/
k há 500 anos nos amputa/
eskuta/
minha mente refuta/
as teorias desse mundo machista, embora por ignorância às vezes as siga/
te fira kom algo k diga/
te provoke sofrimento e fadiga/
mas kansei de ser o teu macho, daki pa frente sou o teu nigga .

És divina kd transformas o sexo num ritual/
brutal/
selvagem, sem perder o sensual/
n sabes kto é k me bate/
kd sekas a agua dos teus olhos, e deixas-lhe eskorrer por essa pele kor de chokolate/
perkorrer as tuas kurvas até k o prazer nos mate/
k o kansaço nos arrebate/
num orgasmo kolmate/
és soo afro-disíaka/
beleza demoníaka/
ternura paradisíaka/
fiel mas ninfomaníaka/
sinto orgulho, em germinar dentro de ti o meu fruto/
pk tens sabedoria p´ra fazer um homem, n te limitas a ter um puto/
kriando uma família real/
de negros e negras tal e qual/
a nossa Áfrika ancestral/
tens outro astral/
és espiritual/
diferente, n keres saber kd eu konduzo um Civic, um Saxo ou Punto/
kto tenho na karteira p´ra te komprar uma jóia ou um konjunto/
pk diskoteka, homem e roupa n são o teu úniko assunto/
konsegues responder kdo sobre a nossa sobrevivência te pergunto/
kom tanta desunião konsegues manter o nosso povo junto/
pk tás lá kd sofro + um golpe desse tuga/
na hora da amargura és tu k vens brown suga/
tás lá kd regresso dum trabalho k me explora/
tás lá kd tou doente, ferido, frustrado, foda-se tás lá a toda a hora/
até kd te peço p´ra me refundires o yosh ou o shot dakkkele chibo/
vais lá kd me fecham nas celas kkkonstruídas p´ra aprisionar a nossa tribo/
sei k devo dizer-te isto sempre mas quase sempre me inibo/
por tudo o k já fizeste pelo nosso povo, amor é o + modesto recibo.

Música: sas

Texto: chullage

Voz de refrão: mista zed

Mix: ptomás e sas

Agregado desagregado/
na tuga desintegrado/
mãe na limpeza/
pai nas obras pragado/
nigga mal assalariado/
às vezes desempregado/
puto na eskkkola de mão agrado/
irmão + velho enkkkarcerado/
é o kkkrime k a rua propõe/
kd o sol se põe/
niggas n nascem gangstas komo a televisão supõe/
$ fala alto kd de pobreza a vida se kompõe/
livros trokados pela pistola/
por putos em idade de eskola/
enkuanto a tragédia se desenrola/
ao ritmo k um yosh se enrola/
língua na kola/
duma flutcha/
olho regalado kom as kurvas duma tchutcha/
lábio grande, pele eskura kabeleira krutcha/
iskeiro rebenta, gira de mão em mão marijuana/
népia, pausa, kana/
babbi gira komo se Arrentela fosse krika da Joana/
farda azul porkkka/
assassina komo uma orka/
enkuanto grandes roubam, eles andam atrás dum puto minorka/
madafuka desemborka/
da garrafa/
deixa matar essa birra, toma o poff e bafa/
só problemas e vícios, essa life eskafia/
tugalife eskafia/
um nigga já aprendeu k kom essa life n se safa/
estafa/
e atrás das grades ela koloka/
pausa, o fone toka/
será da birra, stone, moka/
n realmente o fone toka/
tou. Yo é S.A.S., amanhã estúdio às dez, traz akela rima k choka/
é na múzika k um nigga se foka/
k fake niggas sufoka/
enche a kabeça, liga o mik põe o beat e o fogo se troka/
sempre k um nigga voka/
m’ ta kemaz sima broka/
payaz sima koka/
muzíka pa tcha pataker kebrod boka/
ok, amanhã às dez levo a rima k choka.

Desde 97 cinko pares de pernas partilhando os mesmos passos/
ás vezes os mesmos espaços/
sucessos e frakassos/
momentos + abastados, momentos + eskassos/
cinko kabeças pensando, juntando cinko pares de braços/
bebendo das mesmas birras, fumando dos mesmos maços/
pitando dos mesmos pratos/
girando nos mesmos chaços/
cinko mãos eskrevendo rimas, reforçando laços/
konektando kom grandes b-boyz, writerz kom grandes traços/
cinko dedos no vinil, cinko no krossfader raskov/
cinko dedos no teklado Roland ligado ao S 9/
centos e cinkuenta e MPC kom muito lov/
pk lov é k nos move/
é akilo k nos move/
$ n nos demove/
sucesso n nos komove/
nigga agente faz klássikos no underground desde os 19/
kontinuamos pragados no undaground a kaminho dos 29/
nada nos remove/
agente mantém-se na street kom sol, frio ou kd chove/
fazendo o melhor ou o pior até k agente se certifike/
k kd basarmos o nosso rebento melhor neste mundo fike/
pás temps pour les regrets, sima Lunatic/
papel e uma Bic/
enkuanto Sas flui um grande loop, grande baixo, tarola, prato, e um grande kick/
fechados a observar komo rappers hoje chupam dick.

Grande loop, grande baixo, tarola, prato, e um grande kick/
papel e uma Bic/
transferem a realidade da nossa mente p’ra tua/
komo antídoto a nossa rima aktua/
no veneno da sociedade k em ti desagua/
mentes fechadas a kadeado k nosso rap abre tipo uma gazua/
nem livros, nem eskola, nem filmes, retratam a realidade tão nua/
agente faz intervenção/
o resto desses niggas insinua/
agente perpetua/
rima dura krua/
da rua p’ra rua/
da nossa p’ra tua/
de norte a sul kuspindo rimas eskritas kom visão/
beats feitos kom muito takto/
fodendo a audição desses niggas, cheiro de charro no olfakto/
em mikrofones kom mau kontakto/
Technics nunka intaktos/
cd’s k saltam e kebram o feeling do públiko estupefakto/
às vezes um grande som, às vezes nem kolunas de retorno/
às vezes algum kachet, às vezes nem $ p’ro retorno/
públiko frio, às vezes morno/
outra vezes tão kente k o palko parece um filha da puta dum forno/
de volta ao bairro p’ra onde aliás agente sempre regressa/
pk no bairro agente stressa/
mas agente konfessa/
k fora do bairro rodeado de patakeiros n nos interessa/
em kasa, na rua recebidos de braços abertos/
juntos dakeles k konnosko traçam futuros incertos/
movimentos enkobertos/
uns + outros menos espertos/
onde os melhores e os piores sentimentos são deskobertos.

Imigra.som da krew kom eyez red/
fieis ao rap independentemente do k se sucede/
nem a $, nem a fama, nem à industria agente cede/
n é pelos klips, nem pelas vendas, é pelo amor k agente se mede/
Imigra.som da krew kom eyez red/
rebentando bombas no underground komo ninguém procede/
ninguém antecede/
agente luta konkretiza nada agente pede/
nada nos impede.

Música: sas

Texto: chullage

Scratches por Dj sas
Gravado no pink noise estudios por Paulo Tomas
Mastrizado por Nuno Rebocho

RAPRESÁLIAS, 2001

Undaground, solo do mensageiro
oprimido, relator da verdade, por
aqueles que espelham a mentira
incompreendido, perseguido, detido
mas de novo foragido, escondido
num mundo onde a musica faz
sentido, onde todo o verso e todo o
beat é feito para ser ouvido, sentido,
rebobinado de novo ouvido e
percebido, transportando um
conteúdo que deve ser aprendido,
para todos transmitido sem
necessariamente precisar de ser um
som vendido, apenas como droga
fornecido, nunca apreendido, nem o
consumo impedido, para poder no
cérebro através do ouvido, e manter
o povo alerta, porque quando o
diabo dispara ele acerta, e musica
banal de hoje em dia não desperta,
a juventude para seguir uma
trajectória certa, boys-band, pimbas,
musica de dança têm tanta procura
quando não são nenhuma oferta, no
que diz respeito á mensagem, só
vendem a imagem, agradando aos
outros com aquilo que dizem, ou
com a forma como agem, fazendo
as delicias dos jornais e das revistas
que quando escrevem sobre o rap
chamam aos artigos derrapagem, e
depois elogiam os palhaços que não
criam a sua letra, instrumental,
coreografia ou visual, e pimbas que
dão chacho nas bimbas de Portugal,
musicas sem alma, grandes
sucessos, musicas para bimbos,
putas, pastilhados e ignorantes
confessos, motherfuck esses gajos,
quem compra os seus discos e
ingressos.

Produção e scratch por Dj Sas

Dou um passo em direcção ao mic e
toda a área paraliso, primeiras rimas
pulverizo, e audiências magnetizo, e
aqueles que me chamam fake pelo
visto eu traumatizo, estou nisto há
bue e usar a roupa para me afirmar
eu não preciso, sempre que eu
dropo ciência tua aparência
ridicularizo, contra a ignorância
resistência tua inconsciência
neutralizo, rap sem inteligência é
negligencia tua insistência imobilizo,
não há hipóteses de sobrevivência,
fake niggaz hostilizo, com fake
niggaz rivalizo e fake som não
equalizo, tua cabeça tua crew teu
movimento destabilizo, mc’s não têm
acesso ao vocabulário que eu utilizo,
então usam as minhas rimas tipo eu
disse sim autorizo, trabalha como eu
trabalho e um dia pisas onde eu
piso, preto quando eu escrevo não é
o mtv que sintonizo, ponho o beat ou
mesmo sem beat cabeça e caneta
sincronizo, não sonho com rap
americano rap tuga concretizo,
depois os sonhos eróticos da tua
bitch eu realizo, aviso, se queres ser
Mc ganha skill e juízo, mas se skill
fosse dinheiro eu era rico tu eras
liso, mas como não é que se foda no
undaground props capitalizo, cona,
xito e crime no meu rap eu legalizo,
red eyes tugalife o meu povo
caracterizo, sobreviventes num
inferno á procura do, paraíso,
arrentela margem sul é onde eu me
localizo é onde bem de for a este
fake mov eu analiso, don’t be mad at
me só a verdade eu profetizo.

Refrão

Continuas a ouvir chullage naquela
rhymeshit que abala, estraga como
uma bala e a competitiom shii cala,
what, what quem falou tchik bow já
não fala

 

Criado no ambiente hostil da
pobreza e do racismo, movido pela
revolta orgulho e inconformismo,
meu rap é radicalismo e chaga
mesmo a extremismo, primeira vaga
poética de terrorismo, atentados
verbais á hipocrisia e cinismo, toda a
corrupção e todo o falso moralismo,
rap é musica, musica é arte, não
misturo arte ao capitalismo, dinheiro
acima do resto não faço parte desse
mecanismo, undaground é
organismo que fode esse tipo de
industrialismo, mensagem no rap é a
sabotagem que expulsa o mal tipo
exorcismo, mais fé que no rap só
mesmo a fé no cristianismo, nem o
diabo resiste quando o rap se
transforma em tribalismo, rimas
consomem rimas numa espécie de
canibalismo, mc’s agridem mc’s com
versos brutais pugilismo, round one,
open mic skill assume protagonismo,
skill assume protagonismo, eu
assumo favoritismo, Mc e rimas
envolvidos em algo mais forte que
erotismo, hardcore com romantismo,
amor drama e fatalismo, dose real
de realismo, fuck materialismo,
ilusões destroem o rap com actos de
puro vandalismo, mas eu retalio com
a realidade, para mim isto é
fundamentalismo, procuro a verdade
como malcolm x quando divulgava o
islamismo, abalo o sofismo 187 na
ristcher scale isto é um cismo, abri
fendas no rap vocês estão á beira de
um abismo

 

Podes ser o melhor ou o pior, com
isso eu não me afecto, mas se és Mc
respeita o meu e eu respeito o teu
projecto, a tua falsidade é um
comportamento incorrecto, o
microfone não é um brinquedo não
tens perícia para esse objecto, amor
sem skill e vice versa, dá rap
incompleto, preto regressa ás aulas,
e aumenta o teu intelecto, ou
abandona a actividade e ouve-me na
rua live and directo, chullage esta na
casa all you niggazz ficaram sem
tecto, esmago a vossa ignorância,
como se esmagasse um insecto,
embora tu queiras f.d.p. não fico
quieto, importas estilos e rimas mas
cá dentro eu intercepto, rap bitches
iludidos fodo um a um e não me
infecto, tinhas five mics, não tens
nenhum pus-te um a um dentro do
recto, tuas rimas não saem pela
boca, mudaram de trajecto, niggazz
exibem cenário no rap eu só exibo
afecto, é tudo o que eu mostro em
tudo o resto sou discreto, rap não é
meu nem teu, hoje disto sou filho
amanhã serás neto, se antes não
fores abortado, porque neste
momento nem és um feto, ainda não
pensas, não andas, não falas, não
rimas, es algo inconcreto, pouco ou
nada sabes de mim, chullage põe
hits no top secreto, vossas bocas só
fazem sentido quando eu as tapo
com o meu pénis erecto, de resto só
dizem blablabla, não compreendo
esse dialecto, movimento ressaca
skill, e neste momento sou eu que o
injecto, para aqueles que só querem
pay da bill, a vossa cassete eu
ejecto, niggazz odeiam chullage
porque o meu discurso é directo, to
be or not to be, I’ve got to be um real
preto.

Produzido por Sam

Numa ma posição, esquecida localização miséria
exerce pressão, famílias perdem a razão, não se
crê na educação porque reduz o orçamento, uns
vão para construção, outros preferem o
movimento, é a sobrevivência, luta pela
subsistência, que atira muitos brothers para um
mundo sem clemência, narcotráfico, furto, lutas
de morte, violência, é como muitos dos meus
perdem a idade da inocência, há sempre uma
mãe a ver um filho envolvido num sarilho, há
sempre um business que dá estrilho, um nigga
impecilho, na mira de um inimigo com o dedo
no gatilho, pronto a premir, garrafa pronta a
abrir, dose pronta, a não ser que queiras seguir
uma outra trajectória, e não te deixes influenciar
por outra mente sem glória, que te incentiva a
pilhar, bafar , catar , palar paiar, ou quem sabe
até matar, se tu consegues basar, porque que
insistes em ficar, preso numa vida que contigo
vai acabar, basas da escola porque não te enche a
algibeira, a obra é bule fodido para aguentares a
vida inteira, então entras no movimento numa
onda passageira, mas já não paras de movimentar
porque vai-te pondo algum guitto na carteira,
duto, xito, botes tirantes vão-te agarrando a esta
vida, e quando das por ti já não conheces outra
batida, da próxima que deres por ti podes estar
na merda já detido, brother sê teu brother e logo
que puderes escolhe outro sentido, longe das
palações, confusões, prisões e todo o tipo de
situações que destroem as tuas aspirações, sem
fugir a aflições a fumar e a beber, sem ser
ladrões, dillons vilões para poder sobreviver,
nigga para de sobreviver e começa a viver, ganha
colhões e luta pelo que queres ser

refrão

fecharam a saída, minaram o terreno com drogas
miséria bebida, desde o ponto de partida o guetto
fez uma ferida, mas se nós não lutarmos, quem
vai lutar pela nossa vida

é penoso ver os meus irmãos pelas ruas da
amargura, de mãos dadas com o perigo, sorrindo
a esta vida dura, entregues á crueldade duma
sociedade irreverente, que só fixa o olhar e
aponta o dedo porque vê uma cor diferente, mas
é incapaz de estender a mão a um semelhante
carente, ou de dar o seu perdão a um errante
inocente, filhos da emigração pagam com o
sangue a estadia, personas não gratas oprimidas
pela hipocrisia, de quem lá foi, extorquiu, basou
e deixou a terra vazia, de quem promove o crime
de noite e o combate de dia, quem policia é
criminoso e quem julga também è réu, porque
babas, duto e xito não caem do céu, nas ruas
estão peões governados pelo bispo e pelo rei, que
nos leva a cumprir todas e não nos inclui em
nenhuma lei, que nos concentra numa reserva
chamada guetto ou bairro social, e nos faz
acreditar é o teu lugar seu animal, injecta armas e
drogas mais o acido que é a miséria, marionetas
de farda azul para apertar bem a artéria, uma
overdose de injustiça, vem destruindo o meu
peops, que atribui a si a culpa e atira a ira para as
streets, e quando um brother esta a paiar, dez
brothers estão a consumir, e quando um brother
esta a premir, outro brother esta a partir, e
quando dez brothers estão-se a vir, nem todos
estão-se a prevenir , e quando dez mães estão a
parir, nem todos os pais estão a assumir, e
quando um chega a superior, dez ficam pelo
secundário, vinte pelo primário, e trinta pelo
judiciário, e quando um brother é patrão, outro
milhão é funcionário, e quanto mais tens que
abrir os olhos mais o sistema faz-te de otario

a frustração põe a tua alma e o teu corpo em
conflito, pobreza deixa-te aflito e mergulha-te no
delito, mas o maior delito cometes contra a tua
pessoa, atentando contra ti e contra qualquer
outro kiloa, sistema só fornece os meios para que
a ignorância avance, pondo o desespero, droga,
sida, arma, bebida ao teu alcance, e tu destrois-te
a ti, aos outros e a tudo o que te rodeia, e cada
vez o sistema tem mais presas na sua teia, eu
sei
que aqui o lema é sobreviver como podes, mas
em vez do inimigo é o teu brother que tu fodes,
depois o inimigo fode-te a ti duma forma
inteligente, pondo o perigo á tua frente, nas mãos
da tua gente, usa a tua mente e aquilo que te dão
contra aqueles que to dão, encontra o alvo certo
para o que sai do teu canhão, todos esses f.d.p’s
que vêm e regem o mundo por cores, que as
conseguem provocar, mas não ligam ás nossas
dores, que nos levaram á decadência de ter o
crime como sobrevivência, resistência contra a
carência, brother subsiste mas insiste noutra
forma de subsistência, e quando puderes brother
desiste porque é fatal a permanência, senzala ou
prisão, plantação ou construção, só mudaram a
forma e deram outro nome á escravidão,
discriminação mantém-te em segundo como
cidadão, e na tua acomodação reside a força do
opressor, não dês a cara põe a coroa e orgulha o
povo de cor.

Produzido por dj Sas

SANDRO

Cada street um hino, cada uma historia, spots que
em tempos foram refugio hoje alimentam minha
memória, naquelas noites passadas, a chilar
sentados naquele muro, rebentado stones,
rimando a life, mas sempre com o pensamento
puro, wella raramente falhava, ninguém
guardava para fumar alone, tínhamos sempre em
nossa posse uma nhenta, um conto ou um
sabone, movs eram feitos sem que um nigga
espigasse ou desse xibaria, tinha-mos em mente
união que a nossa própria força faria, hoje niggas
cagam na moral do bairro e optam pela
hipocrisia, costumavam ser um ou dois, hoje
tornaram-se uma epidemia, onde estas velha
Arrentela, procuro por ti todo o dia, procura
fatigante e desgastante, vejo foder niggas a um
ritmo alucinante, só giram com colombos que
estilam botes e tirantes, agora é que se vê quem
são os verdadeiros militantes, que ainda chilam
na street girando birra, Gin. e xito rimando a vida
naquele tempo que neste verso cito

NAUGHTYGUNDJA

Os tempos mudam como o preço do petróleo,
memórias de irmandade não passa de um espolio,
é assim, antigamente eu via niggas bem fumados,
até podiam estar pragados, mas era sempre
aquela, Arrentela boy já não é aquilo que era,
quando penso naquela era tenho boas
recordações, quinta feira á noite eram serões de
johnny guitar, todo o people a basar com a street
sempre movimentada até as quatro da manhã, o
people era unido e eles temiam o nosso clã, mas
tudo um dia muda e hoje nada disso hoje vejo,
aquilo que antes era ouro hoje em dia não tem
valor, só vejo hipocrisia chibaria e rancor, no
meio de individuos que se tratam com amor, não
sei o que se passa por traz da cortina, é que nada
é impossível, são as regras de cada esquina,
movimento clandestino, tudo aumentou, e até um
puto com dez anos já roubou e já fumou xamom,
e se for preciso já chumbou e já peirou sem saber
o que isso é, e se ainda há algo que não mudou
foi eu manter a minha fé.

CHULLAGE

Um nigga cresce, a vida muda, stress aparece já
ninguém se ajuda, o diabo faz que a ignorância
nos iluda só se conta com deus para que ele nos
acuda

Costumava-mos ser tantos e no entanto ser só
um, onde wella rodava a todos ou não rodava a
nenhum, assobiava-mos de manhã quando
estava-mos todos em jejum, para nos orientar-
mos todos juntos e todos ficarmos com algum,
formava-mos uma só roda onde girava-mos
rimas e picas, hoje refundem-se para fumar, mc’s
com inveja mandam dicas, querem todos ser o
melhor, foder brothers lá da família, usam-se,
enganam-se uns aos outros, e nada se partilha, é
triste mas é a realidade que se vê lá pela rua,
nigga segue a ganância, nem que os seus ele
destrua, wella não roda a todos, mc’s já não são
sócios, porque a amizade morreu na inveja e nos
escuros negócios, muito amigo vira chibo, muito
brother se trai, que se foda porque aquilo que é
dos outros não me atrai, vivo como posso, cuspo
real shit no teu hi-fi, e apesar de toda a merda,
continuo a ser red eye

KOSMIKILLA

Antigamente o improviso girava de boca em
boca, transmitindo a nossa vida louca, éramos
todos brothers não havia putaria, se voltasse a ser
como antes, era uma alegria, red eyes trago
sempre no meu coração, Arrentela é o sitio onde
vou buscar inspiração, niggas já não são como
eram antes, agora julgam-se muito importantes,
brothers atoa caem na confusão, brigar entre nós
é a nossa destruição, 97 kombanation trouxe o
pesadelo, deixa-mos muitos mc’s com dor de
cotovelo, em 2001 rimo com real niggas ou
mesmo a solo, pito mc’s como uma fatia de bolo,
para o meu brother Chullage mando props, juntos
na rua fightamos contra os cops, ou qualquer
mothafucka que se meter no meu caminho para
mal acompanhado prefiro ficar sozinho.

Com a participação de Sandro balanicky, Naughtygandja, Kosmikilla e Vilma. Produzido por DJ Cruzfader

Babbillones param o carro á ma fila, e tudo o que
um brother vê á sua frente são os canos da
caçadeira, encostados á parede de qualquer
maneira, revistados de cima para baixo, carteira e
algibeira, agredidos por f.d.p’s consumidos pela
cegueira sempre á procura daquela asneira ou
rasteira, que vão filando brothers em crimes ou
situações que abatem niggazz como peças de
dominós em fileira, mas eu digo red eye, não
sigas o mesmo esquema, não resolvas da mesma
forma o teu problema, não faças do filar ou não
filar o teu brother um dilema, estamos todos na
mesma merda acorrentados pelo sistema,
enganados, vigiados, usados pelo diabo e os seus
soldados, que fazem com que brothers que antes
andavam abraçados, hoje andem afastados
desconfiados bem fumados, para poder esquecer
os sonhos não realizados, para poder esquecer os
maus momentos passados, sem nunca esquecer
brothers em celas detidos, com erros cometidos e
repetidos, brothers sem emprego devido a anos
de escola retidos, passados sofridos que geram as
guerras do presente, guerras pelo nome e pela
paca que ditam o sobrevivente, mas que talvez
não justifiquem atropelar a nossa gente,

Refrão

Vida decorre, hoje uma coisa boa, amanhã uma
coisa má ocorre, e quando um brother cai
nenhum f.d.p. socorre, mas quando ele se levanta
toda a gente para ele corre, é a vida dura mas a
esperança não morre, vida dura de um red eye
que este inferno percorre, vida dura de um red
eye até ao dia que ele morre, mas um red eyes
não morre

Dias transformam-se em noites e noites
transformam-se em dias, sem grandes
esperanças, sem ver mudanças, onde esses tugas
mantêm a mesma insegurança e desconfianças,
onde drogas crimes e lutas interlaçam-se como
cabelos de negras fazendo tranças, e sisters
abrem as pernas a um brother qualquer depois de
duas danças, princesa nem é mulher e já tem
duas crianças, e o pai só vês sábado á noite na
disco africana, ou domingo á tarde na cana, ou
todos os dias no bairro fumando marijuana, ou
então na obra dando no duro durante toda a
semana, á noite sentado no muro bebendo
cerveja como agua, Gin. ou vodka como sumo,
tentando afogar a magoa, traçar um novo rumo,
mas a única oportunidade que surge ali é de tirar
mais um fumo, botes catados, rádios filados,
tugas assaltados, tirantes fezados, pretos
acusados, habituados, alguns até lisonjeados, é a
tugalife, brother tenta mas não se afasta, preso
pela influência nefasta, por falta de alguém que
lhe diga basta, ou pelo desejo de ter uma vida
mais vasta, sem saber que ela devasta todos os
bons sentimentos e virtudes de quem por ela se
arrasta

A paca fala, a razão cala no seio do meu povo,
porque brother esta sujeito á pobreza desde o dia
que quebra a casca e sai do ovo, obrigado a
batalhar pela vida desde novo, pelo pão e pelo
guitto em guerras constantes, stressantes, porque
a vida já nem é como era antes, hoje o que
contam são telemóveis cintilantes, tirantes
cachuchos brilhantes, que atraem bueda amigos e
amantes, brothers sentados aos volantes de botes
artilhados que arrancam tipo bomba, grandes
rádios, colunas e subwoofers a cuspirem rap e
kizomba, entre vidros fumados, com shots
guardados, carregados de wella e paca, damas
que são vacas para a vida porque a vida para elas
foi vaca, negros e negras que só pensam neles
porque senão a fome ataca, uma forma de viver
de por algo naquela barraca, ou naquele lar
desgraçado, num bairro degradado, dado pelo
estado, onde nada cresce, a não ser o agregado,
as vezes pais, filhos e netos vivem do mesmo
ordenado, toda a gente acusa, mas toda a gente
nos recusa uma ajuda coesa, que não seja
construção ou limpeza, onde por mais que se
trabalhe, a casa esta sempre tesa, por isso que se
foda tudo e todos põe o comer na mesa.

Produzido por Sam

Cabo Verde nu bai, goci nu sta na Portugal nu
bai, tê ki sol ben sai, chullage ku didasox ja
panha carta ás, ku nos nhos ka ta juga mas, kel li
ê pa kes suckers ki ta da pa bom, se mim falta bu
ten razon pa nu troca boca, so ki mim ê
rapazinho bem kriado respeitado, bu raiva bu
podi ponta pa mim sima um espada, ma nha
palavra ta rabenta sima granada,
profissionalmente difernte, dum manera
claramente impressionante, mimsabi ma muto
alguem kre vivi bem, mim sta ta passa, mim ta
oja muto alguem ta bai muto alguem ta ben, vida
pa mim ta corri, mim ten ou mim ka ten, cada
passo ki mim ta da, bu podi kre ma di mim bu ka
ta massa coca, se ê na parede ki mim mija, ta
parci ma disco risca, de vez en quando ta da pa
conta ku el e kria,dj pô disco novo, mim grava
nel, transforma na ouro, tenta mas um bocadinho
compreende, se ê deus ki fazi mundo, nos ki ta
fazi futuro, nasci sima arvori, kria sima fruto,
sem maldade, ku algum agressividade de nha
parte, se mim oja ma kusa ka sta dretu, mim ta
mexi pa tenta kompo, goci podi ser bu vez di
dam um soco, ma aguenta canela qui ta conta ê
resistencia, kem ki sta atento ja pega ja leba sima
vento, fidjo fema di pai, fidjo macho di mae,
enton nu ba ta bai, ta ki sol ben sai
DOME
Pbc ja tchiga, ojano li ta scala beat, representa
ghetto, representa sreet, rapazes nhos fla tuga
careta pa desisti, nhos shinta, nhos ovi, hip hop
movimento ku nos ninguem ka podi, na mic pa
kes ki entende, e red eyes g. directamente pa kes
ki ta percebe, pbc nhos ta prende goci li kuse ki
nos rap ta defende, nu mesti dependi di nhos
migalha daquilo ki nhos ha ta ganha, nos ê union,
mc irmon, nu ta rappa ku paixon, li ka ten
campion, ka bu da pa bon, lado a lado nu fazi
movimento mas potente, suckers e mothafuckers
nu sai di frente, oja dretu kem ki sta na area,
guetto stilo, toma cuidado, rima ê sima tiro
ZERUI
Mim ma es brotha de junt ê sima midj, carne e
couve dent de um panela, cachupa rapper,
esfomeod de hip hop, de lisboa te arrentela ja
m’abri guela, o man oli canela sec, nascid na
tchada kriod na bec, zerui de bibia, primera kria,
emigrant gigant, encostob num cant, pob ko num
instant, ma adiant, ja deve ser chocant nha nom
escrit num comboi de bo linha ta anda de um lod
pa out, ê tip se mim ê um louc, mimta bibe uns
coca e da na dopping sima fernando couto, binde
de arquipelago, familias ta dze que ja mim ta um
kzinha tuga, mim ta representa graf de lisboa na
europa pulga, kontempla nha nivel, um homem
invisivel, sampadjud vivid na amizades selecto,
niggaz que ê nhas dread tud ja conchê predio tud
ja conchê ghetto, pa nhas mom na lisboa ten,
pintura de pret na metro, trob mania de thug,
transformob na bet, nunca bo ouvi fala, vandalo
africano, leva nom de raça longe, á risca mim ta
segui nha plano,lisboa nha habitat, onde que mim
ta controla, sk tr crews que mim ta respeita, o
chulla sima mim ben ja mim bai, ma mim ha de
volta
KOSMIKILLA
Na sreet dillons ha ta paia, babbilones ta panha
so ku fumo kaia,mim gosta de hip hop sima mim
gosta de um lagaia, hora que el dexam kamba
debaixo de se saia, estrilho ta sta sempre ta
acontece, noggaz kre so enriqueci, ma mim ta
caga bue na tudo kes blafero, damas ki kre so
dihero, niggaz ta furta boti, furta ouriversaria,
niggaz ta da pa pa tuga ê so xungaria, puros flan
ken ki gosta, dinhero pon e so dor na costa,
emigrantas ta busca vida medjor, sabura e pouco
theu dor
CHULLAGE
Tcheu dor, tcheu terror na vida, tcheu homicida,
tcheu nigga na droga suicida ou na bebida, tcheu
despedida, tcheu sidatcheu ferida na corp e
coraçon, tcheu desolaçon, discriminaçon, tcheu
falta de alimentaçon, habitaçon, tcheu violencia,
tcheu confuson, tcheu brotha na prison, tcheu
kriola ta busca pai de criança kes ten na kol,
tcheu kriol ta fodê kriol, tcheu kriol ta vendê
soul, tcheu kriol ja perdê control, tcheu brotha na
hip hop ou na street ka krê dividi ess bol, tcheu fi
da puta sabê que realidade ê foda ma ka krê
kompol, tcheu africana na casa de senhora, tcheu
africon na massa e tijol, na rua tcheu pataquer, na
mic tcheu blafer, tcheu mudjer ta vendê corp pa
dnher, tcheu jornalista ka sincer, tcheu fi da puta
na poder, tcheu mandrong ja chamam foraster,
tcheu rima pam mostraz prazer que mim ten na
ser estranger, tcheu racism, tcheu guerra, tcheu
poluiçon, tcheu desumanism, tcheu fum, tcheu
vodka que sum, tcheu freestyle sima de costum,
tcheu nigga que cium, tcheu mc kre estod na
cum, tcheu mandrong ja mim partis boca pa se
baixa sis volume, tcheu cosa pa fodê nos gent ma
cab verd no bai, no basas de lum, tcheu pit, tcheu
rot, tcheu pj na spot, tcheu psp pa traz e pa frent
na sis bot, tcheu oreu na inferr, tcheu oreu na
ceu, tcheu sofriment na nos kota e nos kretcheu,
tcheu vitima na bo lod, tcheu vitima na meu,
tcheu situaçon que bo podê fodem, tcheu
situaçon que mim podê fodeu, se bo kre sabê pa
mod que mim ê assim nigga razon mimten tcheu.

MANONORI
Gici li ê Manonori qui ha ta entra na cena, se bo
ka sa ta ovi enton lavanta bu antena, pa modi
situaçon li na tuga sta tudo fodido, ma mim ka ta
baixa cabeça, mim ta lavanta rap como hino,
mim ta fla fuck pa discriminaçon r tudo
preconceito, modi ki um homi podi julga sel
memo ten defeito, se juiz ka ê deus, nem ka ê
divindadi, ê kenha pa tranca nha irmon na cela a
sete chavi, babbiloni ê kenha pa entra na bairro e
espanca preto á vontadi, nigga nhos abri ojo,
nhos luta pa igualdadi, nhos luta pa conservaçon
di nos comunidadi, ka mesti luta ku bo pa modi
africanos nos ê tudo irmandadi.
JAMAICA
Hip hop na portugal pa bo um novidade, mim ta
ouvi rap desde put, miratejo 89, dis daquel temp
mirasquad ta em cena, entra torna entra arebenta
ê nha sistema, qual ê bo tema fama tcheu fema,
ja mim dzeb estod calod, se bo pica ê bo
problema, miratejo nha bairro, ghetto bastards
nha crew, tcha de ser sucker e metê bo skills na
cu, porque rap ka ê skills, skills ka ê hip hop,
objectiv de msquad ka ê tchga na top, I represent
nigga dis de tropico, visage, depos de tont temp
ma nha nigga chullage.
1ºG
1ºg mas um vez na um projecto diferenti, junto
ku chullage, nos objectivo ê muda menti,
combati dia a dia ku futuros delinquentis,
caminha passo a passo de civil a presidenti,
enfrenta diferenti kes ki ta fala na nha back,
armados en catchores ma ka ta passa di cat, a nos
cabo verdiano, no naci pa no luta, e aquilo qui no
ê hoji ê baseado na nos luta, criaçon ku suor di
nos trabajo, ser diferenti, ka ser mas um
desgraçado, tudo o que ê mau vicio pega poi di
lado, esqueci di desculpa di bairro degradado, bo
ki ê culpado si manhã bu for falhado, bo ki ê
culpado si manhã bu for drogado, bo ki ê culpado
se bo fidjo for desgraçado, desculpa ê di quenha,
no fundo bo ki ê culpado, desculpa di sempre mi
m ben di bairro degradado, desculpa di sempre
nigga mim ta fuma charro, bo ki ê culpado si bo
vida kai na shit, mim ka podi fazi mas ki explica
li na quel beat.
LORD G
TWA, red eyes ta represent hardcore, ka para
movimento di miraflor, niggas fala ka mesti sabi
bo ê di ondi, bo ê di africa ou enton bo ê di
pundi, goci ê pa ondi ki negros ha ta ba tanbem,
nos estrela colabora ka mesti sabi donde bu ê,
gangstas afri- canos encerrado, caçadera a
manera di gangstas africano, nu ka ta das
hipótese mamo ku frontera cheio di armadilha,
batalha di aljubarrota, na kel la foi um dia,
historias ka nhos pos na memórias, escolas ê
controlados a base di drogas, foda-se ka barafa ta
dam ataca, paca li ka mora bu ka ta adapta,
húngaros gheto g , one time for húngaros gheto
g, na kel tempo foi húngaros gheto g, ma mim ka
kis assim minina, ê bo minina ka bo dispista, se ê
kel kusinha mim ta alinha, ê bo minina ka bu da
pa fina, se ê kel kusinha mim ta alinha, na
tempos ki ja bai ja ka ta volta, italiano di la ja
torna, mira fantasma a solta, 2000 conforta,
esqueci tempos di passdo, vida ê memo si,
começa um novo era, começa ta chumam Lord g,
ta vivi cada dia como se fosse ultimo dia, um
jovem revoltado, ê sinal di rebeldia, ê bo minina
mim sta ta caga na bo, noutro dimension pa mim
construi nha haedcore, 1º G, pra, espada di
matrix, ê memo sim kra, kaba ku bos metodos,
mim ka concheu pa, memo si bu ê cunha ê
matrix, bo ê kem ha, bo ku bo jogo di tetris, mim
ka kre li foda-se dento, mim ka kre porra li
dento, mim ka kre putas li dento, mim ka kre
intrujas li dento, mim ka kre merdas li dento,
mim ka kre falsos li dento, mim ka kre posers li
dento, red eyes ki sta li dentu, bu ti ta ouvi.

Com a participação de Dida Sox, Dome, Zé Rui de Bibia, Kosmikilla, Manonori, Jamaica, 1ºG e Lord G.

Produzido por Dj Sas

ABRO FOGO CONTRA TUDO
O QUE SE MOVIMENTA NO PERIMETRO
USO NO RAP O QUE SE USA NA RUA
MUNIÇÕES DE NOVE MILIMETROS
EM MEMORIA DE QUEM JA DERRAMOU
O MESMO SANGUE QUE DENTRO DE MIM
CIRCULA
PELA VITORIA DE TODO O NIGGA
PERSEGUIDO EM SOLO PULA
ONDE A IGUALDADE DE OPORTUNIDADE
É QUASE NULA
GOVERNO FAZ LEIS CONTRA
EMIGRANTES
E O POVO O CONGRATULA
QUE SE FODA A INFORMAÇÃO
QUE A POPULAÇÃO MANIPULA
COM AJUDA DE POLITICOS
A OPINIÃO CONTRA NOS FORMULA
A LEI SO NOS DESFAVORECE
POR ISSO QUE SE FODA QUEM A
ESTIPULA
QUE SE FODA A BABBILLONE
A RUA É UM NIGGA QUE REGULA
MENSAGEIRO DO GUETTO
A FAMA NÃO ME ESTIMULA
NÃO SOU O TIPO DE NIGGA
QUE ABDICA DA VERDADE
PRA RESPONDER ÁS EXIGENCIAS
DA EDITORA A QUE ELE SE VINCULA
ENGRAVIDO-TE COM A REALIDDADE
E A IGNORANCIA TU ABORTAS
MEU RAP ABRE-TE O OLHO
COMO LATAS DE SPRAY NO CU DO P.
PORTAS
MAIS UNDAGROUND QUE CADAVERES
QUE SE FODAM PAPEIS COM CARAS
DE PERSONALIDADES MORTAS
HARDCORE ESCREVENDO CERTO
POR LINHAS TORTAS
REPRESENTING MC’S DJ´’ B´BOYS E
WRITER
JUNTOS EVOLUINDO E DISPARANDO
EM TOYS E BYTERS
P’RA TODOS OS MEUS STREETFIGHTERS
E GUETTO SUPASTARS
E ALL MY MOTHAFUCKIN NIGGAS
VIVENDO BEHIND THE BARS
VOÇÊS SÃO O MEU POVO
E PA QUES OUTROS PUTA QUE PARI
P’RA MAIS INFORMAÇÃO É
WWW.REDEYESG.MSPT

MAIS BRUTAL QUE UM BABILLONE
QUANDO ATRAVEZ DO MICROFONE
EU CORTO O SISTEMA COMO UM SABONE,
ENROLO E FUMO TIPO UM STONE,
RAPRESÁLIAS COM RIMAS QUE BATEM
MAIS QUE BALAS OU PUNHOS
É A CONTRAPROPAGANDA REALIDADE
TESTEMUNHO
MAIS BRUTAL QUE UM BABILLONE
QUANDO ATRAVEZ DO MICROFONE
EU CORTO O SISTEMA COMO UM SABONE,
ENROLO E FUMO TIPO UM STONE,
RAPRESÁLIAS UNDAGROUND HARDCORE
MUSICA DO GUETTO SANGUE LAGRIMAS
SUOR

HIP HOP É O MITO, RIMAR É O RITO
PORQUE RAP É ENTRE AS QUATRO
VERTENTES
AQUELA QUE EU EXERCITO, TRANSMITO
ONE LOVE PRA TODOS AQUELES QUE
EXERCITAM ESTA OU UMA
DAS OUTRAS TRÊS SEM DAR O CU PELO
FUCKIN GUITTO PUTA QUI PARI GRITO
PRA TODO AQUELE QUE VIVE NO RAP Á
PALA DO CONFLITO E FRENTE A FRENTE
VE-SE AFLITO COM ESSES RAP BITCHES
NÃO EXCITO, CONTACTO EVITO E AO
CONTRÁRIO DELES NUNCA CUSPO NO
PRATO ONDE PITO, QUANDO RIMO EM
CONCERTOS OU MIX-TAPES EM VEZ DE
CUEQUES , SÃO PROPS QUE DEPOSITO
NIGGAS ESPERAM IMPACIENTEMENTE
DE CANETA E PAPEL NA MÃO P’RA
BYTAR AS FRASES QUE EU DITO POEMAS
DA RUA QUE EU RECITO, MAS QUANDO
FALO DA RUA NOMES OMITO, PORQUE
CHIBOS NA RUA SÃO MAIS CORTADOS E
FUMADOS QUE GRAMAS DE XITO, IRRITO
AUTORIDADES COM AS EXPLICIT LIRYCS
QUE CITO, CRIME EM FORMA DE RIMA
QUE P’RA CIMA DAS SUAS LEIS VOMITO,
MOTINS INCITO, EM TODAS AS CANAS E
TODOS OS BAIRROS QUE FISICAMENTE
OU EM FORMA DE RIMA VISITO
P’RA QUEM SE VIRA NA RUA ATRAVEZ
DO FURTO OBRIGA, NADA A VER COM
ESTE FAKE MUNDO DISCOGRÁFICO,
ONDE NIGGA DESFILA DE FUBU ARMADO
EM MODELO FOTOGRÁFICO, MAS O RAP
SAI SEM CONTEUDO E FRACO NO
VOCABULARIO E SKILL ORTOGRAFICO,
MC’S FAZEM SONS QUE PARECEM UM
TREXO
CINEMATOGRAFICO
PUTAS E DICKRIDERS TORNAM ESTE
FILME PORNOGRAFICO
G’S NO BEAT ENÃO NA STREET DÃO-LHE
FICÇÃO E SUSPENSE, JO NIGGAS QUEM
VIVE DA RUA É PORQUE NAO TEVE
OUTRA CHANCE, PORQUE A POBREZA E
O NOSSO POVO VIVEM UM LONGO E
INTENSO ROMANCE MUITOS FALAM DO
GUETTO MAS SO TIVERAM LA DE
RELANCE, VOCÊS ESTÃO AO ALCANCE
DE PRETOS DA RUA MAS A RUA NÃO
ESTA AO VOSSO ALCANCE

TRABALHO ESCASSEIA, ESCASSEIAM
MUTRIENTES NA VEIA, CRIME PASSA DE
IDEIA A FORMA DE GANHAR A SANTA
CEIA, TODA A GENTE NOTICÍA DEBATE
APONTA PARA A CADEIA, MAS POUCA
GENTA EXISTE QUE UMA SOLUÇÃO
CONCRETA DEIA, JORNAL PUBLICA A
CONSEQUENCIA MAS A CAUSA É
OMITIDA P’RA QUE NINGUEM LEIA,
AS LACUNAS DOS FDP’S QUE GANHAM
CENTENAS OU MILHARES ABANCADOS
NA ASSEMBLEIA, DEPOIS A SOCIEDADE
COLHE TEMPESTADES DOS VENTOS QUE
SEMEIA, É O CONFLITO POBRE RICO,
PRETO BRANCO, ONDE NINGUEM
ESCAPA, POR ISSO QUE SE FODA A LIDIA
FRANCO, PORQUE P’RA SER FRANCO,
SÃO MILHÕES SEM UM ESCUDO, SEM UM
MARCO, SEM UM DOLLAR, SEM UM
FRANCO, AO PASSO QUE HÁ FDP’S COM
DINHEIRO A APODRECER NO BANCO,
ENQUANTO EU LANCO, COM MATERIAIS
PARA CONTRUIR AS SUAS CASAS SENÃO
NÃO PANCO, NA ESCOLA NIGGAS
ANSEIAM A HORA PARA IR AO
REFEITORIO, COMER A UNICA REFEIÇÃO
GRATUITA E CERTA´PORQUE EM CASA
NEM SEMPRE O COMER É CERTO,
QUANTO MAIS SATISFATÓRIO,
DISCRIMINADOS EM TUDO SO NOS
QUEREM P’’RO DESPORTO CONTRUÇÃO E
SERVIÇO MILITAR OBRIGATORIO,
INSEGURANÇA CRESCE E NOS SOMOS O
BODE EXPIATORIO, GRANDE PARTE DO
NOSSO POVO VIVE NA PRISÃO OU
REFORMATORIO, OU JA FOI AGREDIDO
NO INTERROGATORIO´ENQUANTO OS
VERDADEIROS CRIMINOSOS ESTÃO
SENTADOS LA NA ESQUADRA NO
ESCRITORIO OU CONSULTORIO, E DEPOIS
O BLOCO INFORMATORIO INVENTA QUE
EXISTEM GANGS E QUE GRAFFITI
MARCA O TERRITORIO, DEVIAM TENTAR
MATAR-NOS A FOME, EM VEZ DE TIRAR
AQUILO QUE UM NIGGA COME, E DEIXAR
DE ALIMENTAR TANTO ODIO QUE NOS
CONSOME

Produção e scratch por Dj Cruzfader

Quotidianos, situações, vidas de povos distantes,
imitações desgastantes em Pretogal nada
importantes, rimadas por ignorantes, rimas
insignificantes de rimadores irrelevantes, com
queda para comediantes, falando sem pensar
antes, discursos hilariantes, aumenta o numero de
mc’s errantes em proporções alarmantes, aqueles
que deviam ser professores, desiludiram os
estudantes, aproveitadores e impostores são os
grupos predominantes, combatidos sem
clemência pele ciência dos militantes, é a
consciência da resistência em bombardeamentos
incessantes, aos oponentes guerreantes, fracos,
burros mas provocantes, sem capacidade de
resposta a estes ataques determinantes, de mc’s
aterrorizantes como mutantes, abaixo da
superfície habitantes, rastejantes, fodendo a
hipocrisia por intermédio de altifalantes, sticking
niggs na parede como se eles fossem
autocolantes.
JJ’S
Mergulho num mundo que me desperta emoções,
sinto o orgulho de incitar pequenas revoluções,
desiludir ilusões, perseguir burlões, impedir
violações não parar nem desistir, estou aqui para
resistir, insistir e persistir para alcançar o que há
de vir, a nossa luta continua cada vez mais forte,
unida, prevenida, consciente que temos que criar
um movimento auto-suficiente, proteger a nossa
gente, oportunista, permanente, defender a nossa
frente, continuar a ser diferente, dos burlões que
nos tentam com as suas ambições, criando
ilusões, inventando conceitos, daquilo que podia
vir a ser o nosso movimento, e quais o
componentes que podia ter para ser um bom
investimento, em que o seu objectivo realmente
verdadeiro, usar-te como meio para produzir
dinheiro.

Refrão

Num mundo manhoso em que se cais é perigoso,
transformas-te num sustento avarento,
preguiçoso, se cais é perigoso, transformas-te
num sustento avarento, preguiçoso,

Ignorantes isolo, queimo esmago, enrolo,
rebento, fumo mato, mando for a beata, e com
pés esfolo, único vicio que eu não controlo, eu e
as putas das editoras, nunca assinamos um filho
da puta dum protocolo, sou vindo do obscuro
mas ainda puro subsolo, onde esta arte recebe
tanto amor como uma criança de colo, rap
propriamente dito tem no undaground o seu polo
onde não é abusado, desacreditado, banalizado
sacrificado, mas por ser tão respeitado paga o
preço do insucesso, onde eu jj’s e alguns somos
aqueles que nunca estarão em excesso, seguindo
a banalidade como caminho rápido para o
sucesso, música sem alma cada vez mais em
progresso, exilaram a mensagem, mas nós somos
o regresso, o regresso ás origens, onde a verdade
vem tão acima, que os mentirosos sofrem
vertigens, e acabam por descer á velocidade que
subiram, os grandes mc’s submergiram, se
uniram, e emergiram mais fortes que nunca para
a guerra contra aqueles que sempre fingiram
destruíram, mentiram, nunca instruíram, mas
quando nos viram fugiram o sucumbiram.

Com a participação de JJ’s. produzido por Sam

Consciente da minha sina, nunca serei platina,
meu rap não se inclina, para o mundo do
comercio, preso da editora felina, passo noites
com fome, sem dinheiro para a renda, para o
carro, para a gasolina, mesmo assim não vendo a
musica para fugir da ruína, somente para as ruas
de pretogal esta merda se destina, my peoples lá
na esquina, excepto para os necrofagos parasitas
que tentam ficar com aquilo que um nigga traz
quando volta da rapina, muito pataqueiro perde a
eliminatória a tentar ver se me elimina, lamina
china o infractor no meio da neblina, não falo de
mais, somente a mim o meu discurso incrimina,
niggas conhecem a puta da rotina, igual somente
á espera que o diabo defina, a minha sentença,
minha rima esgrima, mas não mete comida na
despensa, á noite um nigga lagrima, mas o corpo
faz aquilo que a mente tensa pensa, na rua onde a
ofensa é intensa, e o crime não compensa, mas a
honestidade só oferece a fome como
recompensa, vivendo na fina linha entre o bem e
o mal, o legal e o ilegal, a sanidade ou insanidade
mental, meu rap é que me equilibra, espalho a
violência através da rima, arma que só o skill da
rua calibra, niggaz pensam que são de ferro mas
isto fura-lhes como fibra.

Produção e scratch por Dj Kronik

CLAY
O mundo esta imundo, é uma guerra fria a de
corrupção, o tráfico mantém-se como inimigo da
civilização, as ruas continuam com sabor de
prostituição, becos das cidades estão cheios de
vitimas de extorsão, qual é a sensação a não ser o
despertar da tentação, dinheiro fácil é dinheiro
gordo aos olhos da multidão, estamos ligados por
uma estranha sobrevivência, onde a evolução
segue o ritmo da noite e não da ciência, viver a
vida num suspense, ser alvejado por engano,
parece mentira mas é verdade mano, e sei que
não estou imune aos castigos da sociedade, mas
tenho que me por á prova para viver na minha
comunidade, onde a ilegalidade faz parte da
nossa realidade, e a lei é condenada como uma
fraude, tenho que manter o sangue frio que me
faz pensar antes de agir, não queria esta
criminalidade, mas como dela vou fugir, tenho
dias a caminho das conquistas do amanhã, rezo
para que deis me proteja das estradas de satã,
agarro a replica de Cristo presa ao meu pescoço
como um talismã, para que a minha perspectiva
de vida nunca seja vã, grito os meus niggas,
choro os meus niggas, pelo dia da vossa
liberdade eu faço figas.
PUMP
Com tantos problemas que eu tenho continuo a
rappar, sobre o Miracity OG’s e os negros a
fumar, sobre o olho da bongó meu people vai
vivendo, Margem Sul não esta na mesma, vai
sempre aprendendo, que o crime não compensa,
não sei se é mesmo assim, mas uma coisa é certa,
droga não tem fim, porque homies e manos meus
já cá não estão, e muitos deles morreram foi
mesmo pelo canhão, a começar pelo Xinga, Luis
outro carnal, dizem que é o dinheiro a razão de
todo o mal, mas contando bem a historia eles
morreram sem razão, e até hoje pergunto porquê
que eles morreram então, deixaram-me sentado a
pensar nos meus G’s, nos bons velhos tempos e
das coisas de que eu fiz, porquê que foste morrer,
… o teu luto, mas como é isso aconteceu ainda
hoje pergunto, como é possível a cena que
aconteceu, pump kissou o mic e Samora ele não
esqueceu.
SANRISE
Neste combate permanente que é a life, I’m
alive, valem todos os truques para survive, não
há hipóteses de fuga, tugalife, can’t run away
dando os passos acertados para fugir ao fracasso.

Click clack, rap vhk ataca, sk esse mega track,
sou psicopat tic tac, original rap tuga no map,
oeste, near the sea, mc’s com skills that you have
got to see, nem tudo é real, sim, assim que entras
na scene, rappando o dream de como earn cash,
se queres got to make your sqeam, stressed out,
tenho que gritar scream, para os quatro cantos do
world, a minha mente esta clean, em todo o tipo
de clima, le persomal, ouvre le journal de la
verité ilegal, represent tout le cartier, ma cité, ta-
se se es daqui, oú je habite, regarde la paisage, je
ne pas travaille le choumage, ne pas de cash ici,
c’est tout jours la meme chose.
CHULLAGE
Gangsters são aqueles que criaram e movem este
sistema, onde o racismo e a pobreza fazem parte
do seu esquema, a nossa auto destruição é o seu
principal estratagema, montado de modo a
chegarem a nós e porem logo a algema, entre
necessidade e honestidade a nossa vida se
equaciona, entre a vida e a morte o nosso mundo
se posiciona, entre a prisão e a liberdade o nosso
tempo se fracciona, a fome destroi a moralidade,
no ghetto é assim que funciona, armas drogas e
álcool é tudo o que o estado nos proporciona,
policia interroga, jornal questiona, e o stress se
congestiona, e ninguém sabe a forma como o
problema se soluciona, o que faz o mundo andar
á roda é dinheiro, armas, drogas e cona, cada um
á sua maneira, cada um na sua zona.

Depois de tudo o que passei para estar aqui,
como é que eu ia mentir, não podia mentir

Com a participação de Clay, Pump, Sanrise.

Produzido por Dj Sas

Seriam precisas milhões de palavras para te dizer
quanto sou grato , por tudo o que fizeste para não
me faltar comer no prato
O quanto te maltratas-te para me poderes dar um
bom trato, se eu me ajoelha-se perante uma
imagem ela seria o teu retrato, pelo tanto que
limpas-te, pelo quanto cozinhas-te, por tudo o
que aturas-te para me criar eu agradeço,
o meu amor por ti é como o teu por mim não tem
preço, as vezes fazes anos e apenas um beijo eu
te ofereço, mas é por falta de paca, não é porque
te esqueço, nunca esqueci ou esquecerei, toda a
tua luta, tu mesmo me disseste que para nada me
faltar, se fosse preciso tinhas sido prostituta, mas
graças a deus não foi preciso, sempre houve pão
e as vezes uma fruta, porque mesmo sem escola
sempre foste uma mulher bueda astuta,
e mesmo que agente as vezes discuta, sempre
que erro chego á conclusão que tens razão
quando me das um sermão e dizes meu filho para
e escuta, só que o mundo traiu-te e hoje é pela
vida a tua disputa, mantém a fé porque tal como
não chutas os teus Deus os seus filhos nunca
chuta, e todas as noites eu peço por na minha
oração, todas as noites eu penso em ti e em tudo
o que escrevi nesta canção

refrão

não ha palavras para descrever a tua luta e o teu
empenho, rimas não chegam para dizer a
gratidão que te tenho, tanto sofreste para nos
criar e nunca te deste por vencida, rainha
africana, mulher da minha vida

eu não me esqueço do teu olhar cansado á frente
do fogão, depois de um dia de trabalho a limpar a
casa de algum patrão, com o pai longe algures
em alguma construção, ainda tinhas força para
nos dar educação, preparar a refeição, as vezes
não era muito mas não dormia de barriga vazia,
naquela barraca fria, que quando anoitecia,
chovia e fazia ventania, nos assustava com o
barulho feroz da chapa de zinco que batia, e só a
tua coragem nos acalmava, e o teu calor nos
acolhia, embora digas que não, muito a ti devo,
por na minha vida és a pessoa com mais relevo,
não sei se estarás viva para ouvir aquilo que
agora escrevo, mas pensar em ti morta é algo que
eu nem me atrevo, não sabes como é difícil olhar
para ti naquela cama, a ser consumida por um
cancro que já te deixou sem uma mama, em
tratamentos e operações sempre te mantiveste
forte, disseste que enquanto não nos criasses não
te renderias á morte, reformada a trabalhar para
trazeres aquela paca, manteres vivos os teus
filhos e em pé aquela barraca, hoje vejo-te fraca
mas peço-te que não desistas, faz com que a vida
seja mais uma das tuas conquistas

foi dureza tud dia pa bo podê da nos pom e let,
pa da nos força e sabedoria pa no podê safá na
ghetto, foi bo que ensinam lutá pam conquistá
respet, ergui cabeça com orgulho sempre ques
chamass mi pret, mim prendê mut mas que bo
sabedoria de Kriola, do que mentira que durant
tont temp mandrong ensinam na escola, porque
semp mim oiá na bo um mudjer mut espert, dis
de mnininha na portugal bo escoê camim cert,
hoj nha sonh era ranja dinher pa mandob pa Cab
verd, pa bo pode descansa bo corp tê Deus
chamob pa sê pert, de quualquer manera dona
Bia bo sabê mimkrebu tcheu, tud hora mim ta
pedi pa bo que mom estindid pa ceu, quand mim
tiv nha problemas bo sabê foi bo que judam,
necessidade foi bo que tram, hoj mim kria
rekompensob ma vida ka krê tcham, ma mim ta
amob tont quant bo vida bo amam, e dent de nha
coraçon pa semp bo ta kumpanham

Produzido por Sam

Vivemos oprimidos por um sistema
que só nos deixa ser aquilo que eles
querem que nós sejamos, numa
sociedade moderna de escravos e
mestres, servos e amos, guiados
manipulados pela televisão que
quando ligamos, nos faz comprar o
que compramos, acreditar no que
acreditamos, educar como educamos, alimentar da forma que
nos alimentamos, física, psicológica
e espiritualmente, dinheiro é o único
valor, e ter mais dinheiro é o único
principio em vigor actualmente, é o
consumismo, capitalismo selvagem,
globalização é o regresso ao
feudalismo com novos laços de
vassalagem, que vão banindo do
mundo solidariedade e
camaradagem, sobrepondo-se a
qualquer crença em qualquer tipo de
mensagem, seja ela divina artística
ou simplesmente de coragem, para a
não obediência a esta falsa
autoridade nesta falsa estabilidade,
mas o medo leva á submissão sob
pena de não aceitação nesta
sociedade, ser diferente é ser
criminoso, agitador, ameaçador, por
isso assassinam o líder e prendem o
seguidor
Mas os grandes lideres nunca,
jamais serão esquecidos, e só
abaixo de deus lidere dos lideres
serão mantidos, seus pensamentos
transmitidos, traçando planos contra
religiões, multinacionais e governos
que se tornaram poderes instituídos,
família é a única instituição,
liberdade de escolha e de expressão
terão de ser de uma vez por todas,
direitos garantidos tal como os
outros direitos humanos, que após
Genebra e passados todos estes
anos continuaram a ser violados por
tiranos.

Refrão
Tanta gente que vive no meio disto e
não se apercebe, tanta gente que á
pala disto tanta paca recebe, tanta
gente que come á pala de quem não
come, tanta gente que bebe á pala
de quem não bebe

Guerras espalham a fome e doenças
devastam os povos, seres conhecem
o ódio e o desespero desde novos,
nascendo onde a ganância do
homem pôs os seus ovos e onde a
variedade do ser humano plantou
sementes, hoje colhem-se vitimas
entre religiões, países, etnias com
vontades e pensamentos diferentes,
nações cada vez com mais
excedentes, muitos anos a roubar
países ou continentes cada vez mais
carentes, á espera do apoio
humanitário ou seja duma esmola,
trazida por um enfermeiro voluntário
que os vacina dá comida e alguma
escola, enquanto noutro lado do
mundo alguém esfola, dinheiro numa
nova consola numa pistola ou no
ultimo portátil motorola, indiferente á
guerra e á miséria que mundo for a
se desenrola, que atinge o povo que
vê o líder comprar armas, enquanto
o dinheiro da segurança social,
saúde educação some, a ganância
de um homem a um milhão traz a
morte, mas quem tem também pode
morrer daquilo que come,
hambúrguer de vaca louca, peste
suína, galinha com gripe, peixe
contaminado, coca cola suja, erva é
a única cena pura que ainda se
consome, que nos ajuda a fugir
desta rede não diferente daquela
que o matrix mostra, América,
NATO, ONU, UE são a verdadeira
cosanostra , poder nas mãos de
goleiros arrogantes e doentios, que
têm a paz e o equilíbrio do mundo
presa por finos fios, poluição no mar,
no solo, na atmosfera nos rios,
destruição da fauna e flora por
capitalistas frios, povos indígenas
sem casa cada vez mais á deriva,
por isso o homem procura a lua
como alternativa, em vez de parar o
fabrico de tanta merda nociva,
agricultura só é protegida quando é
a coca que se cultiva, um mundo
onde cada vez mais o diabo toma a
iniciativa.

Adões e Evas comem o fruto
proibido enganados pela cobra,
enviada pela sistema como
instrumento para a sua suja e
corrupta manobra, que nos leva a
morrer na sua porca e infame obra,
sem acabar a nossa obra,
sustentada pela sobra, daquilo que
todos os meses o estado nos cobra,
mas quando um de nós cobra, um
direito ao estado, a injustiça
estabelece o preço e a corrupção
dobra, para que o direito nos seja
renegado, famílias inteiras privadas
das refeições diárias, das condições
sanitárias, em habitações precárias,
sem habilitações, para poder fugir
das áreas onde a droga e a pobreza
fazem execuções, nas minorias que
representam as maiorias nas classes
mais operarias, devido a
colonialismo, racismo e atrocidades
varias, medidas sociais são
necessárias, mas f.d.p’s usam as
contribuições em guerras porque
para eles estas são prioritárias, não
por razões humanitárias, mas
políticas e monetárias, que originam
conflitos e intervenções militares, e
que levam os cínicos a policiar o
mundo através dos ares, hipócritas
que fabricam ensaiam e vendem
armas nucleares, e bombardeiam os
outros por actos similares,
sancionam aqueles que não lhes são
necessários ou lhes são adversários,
e deixam outros viver e morrer á
mercê de sanguinários, a nato, a
ONU, e os governos têm mais
bandidos que todos os presidiários,
e tantos f.d.p’s como uma esquadra
cheia de pjotas, gnr’s e psp’s, tantos
mentirosos como uma assembleia
cheia de ps psd’s pp’s e pcp’s,
manipulando o povo português, com
auxilio dos jornais, rádios e das tv’s,
e da religião em que tu crês, que te
engana porque nem sequer a bíblia
tu lês, lê, ouve e aprende aquilo que
existe para alem da novela e do
futebol que tu vês, porque nem
sequer um palmo á tua frente tu vês.

Produzido por Sam

Se a tuga incendiar não é acidente é fogo
posto, porque a levar e a não dar é algo que
eu não estou disposto, escapei a muitos
mas a muitos mais ataques eu estou
exposto, sou filho da emigração hei sempre
de pagar este caro imposto, viver tendo que
enfrentar as investidas do exercito oposto,
mas brother eu não me rendo como eles
tinham suposto, tipo niggas que ficam com
medo, vergonha ou desgosto, e pensam
que se virarem para o outro lado sobem um
posto, olham de cima para baixo mas eu
derrubo estes gigantes com um encosto, e
passam a ter de olhar de baixo para cima
para o ódio e orgulho em ser como eu sou
expressos no meu rosto, no meu cabelo,
nos meus lábios, na minha pele e na cultura
enraizada dentro de mim eu tenho muito
gosto, e isso ninguém me tira, para todo o
f.d.p. que me tem na mira por pensar que eu
estou neste país a ocupar o seu lugar, f.d.p.
atira, vou continuar preto e aqui por mais
que o racismo me fira, guerra é guerra, só
que enquanto eu disparo rimas, eles
disparam drogas, armas e doenças, crimes
seguidos de sentenças, trabalho duro sem
recompensas, verbais e físicas, todo o tipo
de ofensas, extermínio da cultura e das
crenças, atrocidades imensas, que
apanham brothers em cheio e levam a
perdas extensas, são merdas intensas, que
mantêm a minha relação com este povo
muito tensas

Refrão

Igualdade é uma ilusão, liberdade é só uma
vaga sensação, pelotões inteiros marcham
rumo á nossa posição, retaliação, não é a
melhor solução, mas é melhor que esta
situação

É como se eu combate-se no território do
inimigo, sempre em desvantagem sem um
guia sem abrigo, num terreno minado,
armadilhado, criado para acabar comigo, as
vezes olho para as vitimas e vejo a cara de
um amigo, mais que se perdeu neste
conflito já antigo, mais um que não
reconheceu um dos mil e um disfarces que
Lucifer usou para levar até ele o perigo, são
muitas as vezes que penso que já não
consigo, que sinto a falta de alguém que me
diga preto estou contigo, brother hem sta ku
bo, mas independentemente do sangue, das
lagrimas do suor nigga eu sigo em frente
neste trilho, se sobrevivi á pobreza e ao
racismo, então eu sobrevivo a qualquer
outro stress ou estrilho, posso até morrer
sem nada, mas vou deixar a cultura, a
tradição, a força e o espirito de revolta ao
meu filho, para que continue a luta pelo
respeito, por um tecto digno e uma panela
de milho, e se não tiver como pagar por isso
se for preciso nigga eu roubo, tiro eu pilho,
duma forma feroz, aquilo que eles hoje têm
á pala do suor do meus avós, longe vão os
tempos em que eu não erguia a voz, tempos
que a minha garganta criou muitos nós, hoje
nesta guerra santa eu sou daqueles que
não foge

Luto por um presente que não me dará
nenhum futuro, mas sempre foi assim desde
que este humano mais escuro, viu a luz
neste mundo obscuro, problemas
encontram-me não sou eu que os procuro,
só mesmo o meu pénis consegue ser mais
duro que este país onde a minha mãe me
pôs no seu primeiro parto, quando ela
limpava casas e o meu pai construía casas,
e tudo o que eles tinham era a merda de
um quarto, de um quarto para barraca, de
barraca para prédio, tudo o que eles têm é a
mesma vida que eu estou farto, que se foda
o dialogo, é para a guerra que eu parto,
kotas vivem iludidos mas o pouco que eles
têm não chega para que o estado me iluda,
a realidade é uma guerra de barraca para
prédio ela não muda, por isso eu não
deserto e só espero que deus acuda,
porque nesta tugalife mais nenhum f.d.p. me
ajuda, eu estudo o adversário, não é só ele
que me estuda, não deixo que pequenas
vitorias deixem soldados enganados muitos
hoje já se acham respeitados, mas não
passa da rua, continuamos derrotados ,
rejeitados e isolados por magistrados,
porcos fardados e deputados, por isso ainda
passo noites inteiras, alinhando nas
trincheiras, vendo grupos inimigos,
dizimarem fileiras de soldados sem união,
brothers sem pão, ou daqueles que
apontam para o lado quando disparam o
seu canhão, sofrendo baixas em
emboscadas de balas e tóxicos, armadilhas
de chibos e bongos, e bros que juntam-se
ao outro lado e de repente ficam sós,
porque não percebem que a vitoria começa
em nós sermos nós.

Refrão por Vilma.

Produzido por Sam

Dedicatória para aqueles, que já só
fazem parte da nossa historia, mas que
estão sempre presentes nas ruas da
nossa memória, brothers para quem a
sobrevivência foi uma guerra
obrigatória, mas acabaram por perde-la,
rimo pela vossa gloria, G’s atras das
grades que são considerados escoria,
mas para mim são soldados, para quem
a vida e a única vitoria, capturados por
policias racistas e atrozes, devorados
por juizes falsos moralistas e ferozes,
que não compreenderam que para pitar
tiveram mesmo que catar aqueles tugas
com bueda posses, ou paiar aquelas
doses, são tantas as vozes que nunca
mais eu vou ouvir, abraços que vou ter
que esperar ate voltar a sentir, mães
que talvez nunca mais venham a sorrir,
porque perda de um filho, é algo que
para sempre dói , a policia, a droga, a
fome, a obra nos destroi, desunião nos
auto-destroi, e é isso que mais me rói,
ninguém é herói nesta guerra cheia de
armadilhas, já vestiu de preto, inúmeras
famílias, na tuga ou lá nas ilhas, e
continua a derramar, sangue lagrimas e
suor neste inferno, a força exterior,
esconde o sofrimento interno, por
aqueles que já só vivem no coração, na
mente e nas paginas deste caderno,
nas dezenas de memórias que escrevo
no meu caderno, até ao dia do
reencontro no descanso eterno.

Refrão

One love para todos , os prisioneiros
desta guerra, para todos aqueles que já
se encontram debaixo da terra, todo o
brother preso quando a necessidade
suprimi a, para todo o nigga que ao lado
de Deus nos guia

Tanto peops acabou morto, por querer
fugir da miséria, do frio e do
desconforto, brothers teriam futuro na
arte, na escol a ou no desporto, mas
que a vida deu para o torto, tantos
aqueles que contraíram lesões, ou
morreram em construções, onde
trabalhavam para aldrabões, tantos
vitimados em perseguições de policia,
que fodem o nosso povo com perícia, e
bue malícia, tantos no guetto por falta
de condições contrairam doenças, em
mais de mil e uma formas o diabo vai
nos lendo as suas sentenças,
enganando os nossos jovens, com
desavenças e crime, cash rules
everything around, e por isso o nigga
prime, um vitimado e outro fechado a
pagar pelo crime, enquanto o tuga nos
suprime, nos oprime e o seu
contentamento exprime, ess cosa ta
ferim
Tantos aqueles que eu vi partir no
banco de traz de um carro de patrulha,
tantos aqueles que perderam tudo na
ponta de uma agulha, niggas baleados,
esfaqueados a porta da disco, tantas
fezadas que não valeram a pena o
risco, brothers apanhados em
emboscadas onde a miséria foi o isco,
enquanto há f.d.p’s livres que roubaram
o estado ou o fisco, quantos brothers já
passaram pelo banco dos réus,
quantos só encontraram a paz e o
descanso nos céus, quantos a policia
filou, como se eles fossem trofeus, e
escondeu a verdade como falsas
virgens escondem a cara atras de véus,
quantos foram atirados para fora das
naus quantos foram castigados com
chicotes, pedras e paus, se querem que
eu diga, foram tantos que eu já esqueci,
por isso dedico isto aqueles que nunca
foi feiro um minuto de silencio por si.

São rimas feridas, que choram as vidas,
nas ruas perdidas, e as sentenças lidas,
a almas queridas, unidas a minha pelo
sangue ou pela cor, é enorme a dor d
perder alguém, é terrível saber que ele
foi e que não vem, my peoples fiquem
bem, estejam na cana ou no alem

Produção e scratch por Dj Cruzfader